Anúncio

Infelicidade: me apeguei a ela e agora?

0
(0)
2 min de leitura · 

Infelicidade é a palavra felicidade com o prefixo de privação ou negação.

Pode ser compreendida como o oposto da felicidade.

Você é ou está infeliz? O que isso significa para você afinal? E para o outro ou para sociedade?

Tem gente que faz da infelicidade quase que uma profissão ou talvez, um objeto precioso; que dá para se apegar como uma tábua de salvação em um navio que afunda (titanic).

A tábua da infelicidade.

Essa é uma situação inconsciente (do sentido de não ser percebida) mas está lá: atarracada, fixa, e se mexer nela vai ter treta.

As defesas estão levantadas.

O vitimismo de guarda.

As respostas ofensivas e agressivas em prontidão para defesa não permitir descobri-la, pois demonstraria fragilidade, sensibilidade e “está errado” ser assim em alguns ambientes hoje em dia.

Afinal, dói admitir sua infelicidade.

Admiti-la também obrigará à busca do seu oposto. Será que tenho recursos, oportunidades, força para perseguir essa mudança?

As desculpas vêm aos borbotões e ela (a infelicidade) é confundida com depressão, tristeza, angústia, bipolaridade. “Eu tenho X!!!” sempre explode.

Busca-se um contorno.

Contudo o retorno está alí e é tão grande, visível, claro, sinalizado, autodiagnosticavel. Se todo mundo tem um diagnóstico, porque não eu?

Será que ter uma doença é melhor que se perceber infeliz?

Afinal, tem em qualquer texto na internet fórmulas para provar. Olha os sintomas.

São muito parecidos.

Terei um diagnóstico.

Tenho, agora, minha tábua.

Deixo claro que não é que não exista epidemias de psicopatologias, existe, mas será que você a têm uma ou vivencia um sentimento normal de tristeza e infelicidade?

Profissionais precisam avaliar muito bem e, eles mesmos, não têm tempo, pois você quer porque quer uma resposta rápida.

Afinal se é possivel diagnosticar uma doença clara como “virose ou gripe” (sarcasmo) com psicopatologias que dependem de investigação é muito tempo.

Você às vezes nem quer melhorar, só quer a desculpa.

Só quer se manter infeliz.

E por isso foge quando o bicho pega.

Me dá um remédio e mantém o diagnóstico, senão, não terei mais uma muleta, digo, tábua de infelicidade para criar minha morada nela.

Olha, cada caso é um caso.

E é considerado para tratamento. Mas só se você busca ser feliz, ter uma vida melhor. Querer isso.

Ser infeliz e ter um diagnóstico errado, só te faz infeliz com diagnóstico errado.

O quanto este post foi útil para você?

Raul Oliveira

Psicólogo CRP 06/154.661 - Formado Psicologia e em Administração com ênfase em Marketing, workaholic geek que respira tecnologia, pesquisador e mestrando em tecnologias da inteligência e design digital. É um dos fundadores do Psico.Online e do MeuPsicoOnline.com.br

Leave a Comment
Share
Published by
Raul Oliveira

Recent Posts

Vão se os anéis, ficam-se os dedos

Cá com meus botões, pensando, enquanto procuro uma entrevista de Noam Chomsky, onde ele fala…

1 semana ago

Criticar o outro, fala mais sobre você.

"Nós não vemos as coisas como elas são, nós as vemos como somos ", disse…

1 mês ago

Quando paramos de nos preocupar com os outros…

Quando paramos de nos preocupar com os outros, a primeira vista, idealizamos que nossa vida…

3 meses ago

Masturbação Infantil: não fique na mão com o assunto.

Esses dias respondi algumas perguntas sobre Masturbação Infantil para o site bebe.com.br e, como eles…

4 meses ago

E quando sobra pra gente?

"Sobra pra gente" o que sobrou pra você ou para mim? Quem nunca levou "uma"…

4 meses ago

Escutar, ouvir e falar. O que você tem feito?

Ouvir ou escutar remete a ações muito parecidas. Muita gente sabe a diferença, mas no…

5 meses ago

This website uses cookies.