coisas que um casal não deveria fazer, casal, namoro, namorados, casamento, relacionamento

10 coisas que um casal não deveria fazer

3 min de leitura

É bastante comum que com o tempo o casal comece a ter alguns costumes inadequados, que no final das contas podem acabar com a relação. Então, pra ajudar na tarefa de manter a relação feliz e em harmonia, a gente decidiu compartilhar com você essa lista de

10 coisas que um casal NÃO deveria fazer

  1. Não prestar atenção suficiente no/a parceiro/a

Se você tem o costume de revisar e-mails ou usar o WhatsApp enquanto o outro está aborrecido no quarto ao lado ou mesmo no canto oposto do sofá, então podemos dizer que vocês não estão juntos. Cedo ou tarde vocês não terão mais comunicação e será muito difícil compartilhar qualquer assunto que seja. Tente prestar atenção suficiente na relação, demonstre que seus sentimentos são verdadeiros.

Você também pode gostar de “Dicas para uma relação saudável”

Continue lendo

Você pode gostar de ler também:

quero tudo do meu jeito, criança mimada, manha, birra

Quero tudo do meu jeito e quero agora

2 min de leitura

Recebemos uma Caixa de Segredos. O desabafo começa mais ou menos assim: “eu quero tudo do meu jeito e quando não acontece, eu me frustro”. Quando eu li isso me lembrei de um texto que já havíamos escrito, sobre expectativas e pensei em só mandar o link pra pessoa, mas depois refletindo melhor, pensei também que falar sobre expectativas e frustrações nunca é demais e, principalmente se isso envolve uma outra pessoa, a pessoa que a gente escolheu pra viver a vida junto com a gente.

Então, pessoas queridas, vamos falar sobre relacionamento, expectativas, desejos, frustrações, realidades e algumas verdades. Continue lendo

Você pode gostar de ler também:

13 reasons why, hannah baker, clay, suicídio, cvv, bullying

13 Reasons Why e 13 reflexões sobre a série

6 min de leitura

Oi. Aqui não é a Hannah Baker. Não precisa ajustar… opa, peraí, precisa ajustar, sim. Seria muito bom se você pudesse se permitir ajustar algumas ideias à respeito de bullying, suicídio, relações familiares, amizades, empatia…

[SPOILER ALERT] não tem como não dar alguns spoilers durante nossas 13 reflexões, mas são pequeninos ok? 🙂

A primeira informação que tive sobre “13 Reasons Why” era de que se tratava de uma série sobre jovens deprimidos, a segunda, de que as ligações para o CVV haviam dobrado e a terceira, de que eles estavam no trendtopic do Twitter. Ok, confesso que não sou adepta das séries, porque não tenho maturidade suficiente pra administrar o tempo e quero assistir tudo de uma vez só, mas se a gente quer falar de um assunto, precisa entender a fundo do que se trata e lá fui eu pra minha maratona de 13 episódios num final de semana. Ao final, retorcida no sofá com a cena do suicídio, comecei a refletir sobre tudo o que eu havia aprendido a partir das histórias e das pessoas que as compunham.

Vamos as 13 reflexões que eu cheguei:

Continue lendo

Você pode gostar de ler também:

saúde e bem estar psico.online

Saúde é o que interessa, para todo resto, não devemos ter pressa.

2 min de leitura

Saúde: Ao olhar à minha volta , percebo que maioria das pessoas leva uma vida bastante atribulada e corrida, repleta de obrigações e compromissos a serem cumpridos.

Tais compromissos demandam tempo e dedicação excessiva, resultando em um grande desgaste físico e mental que transformam todo nosso funcionamento psíquico e fisiológico.

Há muita gana para chegar até algum lugar, focando sempre na aquisição de bens que satisfazem um desejo momentâneo no qual nem sempre conseguimos identificar um fundamento e que, se  concretizamos, devemos questionar:  tal desejo nos fará felizes?

Queremos tanto ter e ser alguma coisa que neste processo desenfreado, acabamos perdendo o foco e a atenção à nossa saúde — física e também a mental.

Percebo que fica cada dia mais comum não priorizarmos o autocuidado e a nossa saúde por não conseguirmos dar conta da carga excessiva que carregamos, devido às exigências.

Exigências essas que em nada contribuem para nosso estado de bem estar e, nem permitem que tenhamos qualidade de vida, porque na rotina cheia de compromissos, não conseguimos priorizar o que realmente importa: a nossa saúde geral.

Precisamos tomar consciência de que a busca do equilíbrio entre o corpo e a mente nos beneficiará, para que levemos uma vida mais plena e satisfatória. Continue lendo

Você pode gostar de ler também:

avaliação neuropsicológica, neuropsicóloga, neuropsicólogo

Meu filho/Minha filha precisa de uma avaliação neuropsicológica. E agora?

3 min de leitura

Seu filho ou filha precisa de uma avaliação neuropsicológica pela primeira vez e você nunca ouviu falar disso. Vamos entender um pouquinho a respeito?

“Quando entrei naquele consultório de pediatria, todos os móveis bem clarinhos, parecia uma consulta de rotina para meu filho, porém no final da consulta, a médica me pediu uma avaliação neuropsicológica.  

Havia contado que meu filho parecia andar desatento na escola.

Fiquei com receio de perguntar, afinal, se ela está pedindo né?

Falei que voltaria com o “exame” e a médica assentiu dizendo que poderíamos aguardar pelo estudo completo do funcionamento mais profundo do cérebro.

Minha Nossa! Como assim, estudo do cérebro?!

Meu Deus! Será tão grave assim?”

Essa é uma situação muito comum no dia a dia de um consultório de neuropsicologia. Mas afinal, para que serve e qual o motivo de uma avaliação neuropsicológica?

O pedido de um pediatra ou neurologista infantil pode ser justamente para ver o funcionamento detalhado daquele cérebro, pois quando temos a possibilidade de estudar as particularidades dele é onde teremos a visão das funções mais complexas, como quando a criança está desatenta na escola e poder ter sintomas; como qualquer distração que ocorre na sala de aula, exemplo: cair um lápis, é o suficiente para não conseguir se concentrar mais.

Com essa avaliação será possível verificar como ele funciona, se seu desenvolvimento acadêmico, como as notas, por exemplo – está adequado para a sua idade cronológica.

Nós, neuropsicólogos, podemos verificar se a criança consegue absorver conteúdos em sala de aula e se suas condições de abstração acompanham igualmente o desenvolvimento da idade e as relações entre memória, linguagem, aprendizado e, até onde a criança percebe, gradativamente, as diferenças do mundo real e do mundo imaginário.

E esse processo pode doer?

Uma avaliação neuropsicológica não é algo que necessite procedimentos invasivos para um diagnóstico, logo, não dói nada.

Quando ouvimos qualquer palavra que possui o termo neuro – de neurônio – pensamos que pode ser algo extremamente complicado e perigoso, pois são palavras que não ouvimos todos os dias.

Contudo, a neuropsicologia faz parte do universo da psicologia, logo, o propósito será melhorar a qualidade de vida da criança que está passando por essa avaliação.

É normal perceber que os pais não entendem bem o motivo do encaminhamento, daquele pedido estranho que o pediatra pode fazer. A avaliação chega a ser recebida com um pouco de insegurança e, muitas vezes pensa-se que fará a criança passar por provas onde uma pontuação será o mais importante ou ainda, eles tem receio de que será algo invasivo e que poderá trazer consequências negativas.

O papel do neuropsicólogo é atuar sob a luz da Neuropsicologia, uma matéria que está dentro da Neurociência, no contexto clínico do diagnóstico, que mostrará o funcionamento mental daquele sujeito dentro do seu contexto na sociedade, e como suas funções cognitivas, como por exemplo, a memória e a atenção, funcionam. O neuropsicólogo atuará também com observações sobre as emoções do indivíduo, que compõe a  personalidade do sujeito e as condições de seu funcionamento cerebral.

O que é uma avaliação neuropsicológica?

A avaliação neuropsicológica é algo que lhe dará a dinâmica do funcionamento cerebral, englobando atributos sensoriais, motores, comportamentais, emocionais, cognitivos e o seu contexto social. Fazendo esta avaliação será possível identificar se há alguma alteração/comprometimento da capacidade do indivíduo; sendo eles: leve, moderado ou severo, quais são as facilidades encontradas e quais áreas do cérebro estão preservadas e quais são aptas para habilitação ou reabilitação, quando necessário.

Alguns testes são utilizados, como por exemplo, testes onde poderá investigar sobre atenção focada ou compartilhada, raciocínio matemático e etc.

E assim, na conclusão de um laudo neuropsicológico será possível compreender a dinâmica do sujeito e o que foi identificado e proceder com os encaminhamentos adequados para seu filho, seja uma reabilitação ou encaminhamento para psicoterapia ou acompanhamento escolar.

Em 2004, o Conselho Federal de Psicologia, reconheceu a Neuropsicologia como uma especialidade da Psicologia – Resolução CFP Número 002/2004 (link no final do artigo).

Referências: http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2006/01/resolucao2004_2.pdf

Você pode gostar de ler também:

Ataque de pânico

Ataque de Pânico: 34 dicas para quem tem e sofre com isso

3 min de leitura

Ataque de Pânico: vamos lá, lembrando que as dicas são paliativas, ou seja, não funcionam para todos ou podem funcionar bem para uns e nem surtir efeito para outros.

Os ataques de pânico precisam ser acompanhados por um Psico (seu psicólogo ou sua psicóloga) e um Psiquiatra, ok? Se os ataques de pânico são recorrentes, fica ligado para entender com seu Psico se é ou não uma Síndrome.

Se você está lendo este post, partiremos do pressuposto de que você já sabe o que é um Ataque de Pânico e a Síndrome do Pânico ou Ansiedade, se não sabe, melhor consultar os links abaixo ou dar uma pesquisada aqui no blog em outros textos.

www.sindromedopanico.net
www.sindromedopanico.com.br

Quais os sintomas de um ataque de pânico?

  • Falta de ar e sensação de sufocamento (medo, pressão no peito…);
  • Tonteira, vertigem e sensação de desmaio;
  • Suor excessivo, calafrios e vermelhidão do rosto (tá tudo abafado, desesperador);
  • Aumento da frequência cardíaca e palpitações (coração acelerado, parece que vai explodir);
  • Náuseas, enjoos, dor de estômago ou diarreia;
  • Sensação de estranheza em relação ao mundo e ao ambiente;
  • Dor no peito;
  • Medo de morrer ou sensação de morte iminente.

Entendidos? Vamos as dicas do que fazer para ajudar no seu ataque de pânico

Continue lendo

Você pode gostar de ler também:

psicólogo online grátis psicóloga online gratuita ou de graça

Psicólogo Grátis ou Psiquiatras que atendem gratuitamente ou com preço simbólico

0 min de leitura

Psicólogo Grátis. Psicóloga Grátis. Psicologia Gratuita. Atendimento Psicológico de Graça. Psicólogo de Graça. Não posso pagar por um psicólogo mas preciso de um. É uma demanda e uma busca tão comum entre os tópicos mais buscados.

Não entraremos no mérito de ser certo ou errado, bom ou ruim, fácil ou difícil, permitido ou proibido. O psico.online/blog tem o objetivo de facilitar o acesso a psicologia para quem precisa através do meio digital e a lista está ai, viva: a Lista de Atendimento Psicológico e Psiquiátrico Gratuito ou com Preço Simbólico.

Não sabemos quem é o dono da lista, ou quem organiza, mas ela existe e está ativa.
Se souber de mais informações conta para gente no comentários que atualizamos o post. 🙂

PS: Entre no leia mais aqui embaixo para ver o doc, estava travando a página e tivemos que tirar da homepage. 🙂

Continue lendo

Você pode gostar de ler também:

A persistência da violeta

Persistência é a planta que deve ser regada

2 min de leitura

Persistência, essa é a palavra deste texto. Sabe qual o motivo? Por persistência. Precisamos regá-la como tudo que é difícil de “pegar”.

Na minha terra, tem plantas que pegam fácil.
“Planta isso que vai pegar” diz a fulana na rodinha de conversa.
Faz isso ou faz aquilo.
Umas opiniões são boas e outras nem tanto.

“Ah, essa não vai pegar…” mas, tem outras plantas que não “pegam” nem com santa benzedeira. A persistência é uma dessas, que pegam, mas que você tem que trabalhar muito a terra para provar para fulana que ela estava errada.

Na verdade, persistência. Provar para si.

Continue lendo

Você pode gostar de ler também:

insônia, contando carneirinhos, sono, noite em claro

Insônia: será o mal da humanidade?

2 min de leitura

Há alguns anos a insônia era minha companheira fiel, noite após noite estava ela ali na minha cama, acariciando minha cabeça num ritmo frenético que eu jamais conseguiria gostar. Os meses passavam e ela não me abandonava. Exercícios de respiração, meditação, chás dos mais variados sabores, escuridão total, nada adiantava. O desespero de quando a gente não dorme é tão intenso que mais cedo ou mais tarde, acabamos cedendo aos remédios e comigo não foi diferente.

Tenta um, perde a hora, tenta outro, ganha uma dor de cabeça de brinde, o terceiro e a gente acorda como se estivesse bêbada. Ok, vamos parar um pouquinho e pensar em algum outro plano, deve existir algum método infalível que eu ainda não tive conhecimento, não é possível! Continue lendo

Você pode gostar de ler também:

02 de Abril dia mundial da conscientização do espectro autista

7 palestras sobre o autista que você deveria assistir

5 min de leitura

Autista, não autista, pais, mães, irmãos, primos e amigos vamos nos conscientizar sobre esse termo já que o dia 02 de abril é o Dia Mundial da Conscientização sobre o Autismo e conscientização envolve falar sobre o assunto.

Aliás em alguns posts já falamos sobre o espectro que envolve vários diagnósticos, confira.

Dessa vez não choveremos no molhado para explicar o que é, como se dá o diagnóstico do autismo e outras informações que são facilmente encontradas em sites especializados como o Entenda o Autismo ou a Associação Brasileira de Autismo.

Vamos aproveitar este post para convidar você a assistir essas sete palestras que falam sobre o tema, depois, comentar sua opinião conosco ali nos comentários ou no Facebook, no Instagram, no Twitter em qualquer lugar, compartilhando muito essa informação. Continue lendo

Você pode gostar de ler também:

nise, nise da silveira, hospital psiquiátrico, psiquiatria, loucura, manicômio

Nise o coração da loucura, repleto de amor

2 min de leitura

Semana passada, numa tarde fria, chuvosa e despretensiosa eu liguei a TV, acessei o Netflix e escolhi “Nise: o coração da loucura”. Primeiros dez minutos de filme e eu já estava chorando, Ok, que não precisa de muito pra me fazer chorar, já falei isso aqui, né?! mas olha, fui levada pra dentro de uma outra realidade, que diga-se de passagem, eu conheço razoavelmente bem.

Hospitais psiquiátricos sempre me chamaram à atenção, seja pelo mundo particular e misterioso de cada paciente/cliente, seja pelo trabalho minucioso e cuidadoso que se deve desempenhar ali, seja pela minha própria história familiar.

Só pra vocês saberem, eu escolhi estagiar dentro de um dos grandes hospitais psiquiátricos da região de Campinas e, sim, pensei em trabalhar com isso, mas a vida nem sempre segue o rumo que a gente escolhe pra ela. E me lembro que no primeiro dia, dentro de um lugar com portões trancados a 7 chaves, um cheiro forte, pessoas de todos os tipos, eu tive medo, mas sabia que precisava continuar e hoje consigo entender o porquê. Continue lendo

Você pode gostar de ler também:

100 dicas para ajudar quem sofre de bipolaridade ou transtorno bipolar

100 dicas para ajudar com a bipolaridade

6 min de leitura

Dicas para quem sofre com o transtorno Bipolar não vão resolver o problema, mas podem melhorar a qualidade de vida e a busca por equilíbrio.

O efeito acumulativo pode desenvolver alguns hábitos que ajudarão a gerenciar melhor os distúrbios e encontrar saídas que nunca parecem aparecer.

Tenha em mente que algumas dessas ideias você já pode estar praticando e outras farão muito sentido. Comece com uma ou duas dessas dicas que parecerem ser realizáveis, mas tente evitar fazê-las muito rapidamente, pois poderia desencadear algum episódio.

Em poucos meses esperamos que você esteja fazendo várias coisas 1% melhor. 🙂

Saiba mais sobre o Transtorno Bipolar nos textos: Continue lendo

Você pode gostar de ler também:

Cada coisa em seu lugar. Você tem aceitado isso?

4 min de leitura

“Pra começar, cada coisa em seu lugar…” Assim começa a música “Um dia após o outro”, do cantor e compositor Tiago Iorc. A letra fala de superação, ponderação, paciência e esperança, e no conjunto da obra, a bela canção da nova MPB nos leva à reflexão de que para se alcançar o tão almejado equilíbrio, não devemos acelerar o processo natural dos acontecimentos.

E você? Tem aceitado que cada “coisa esteja (e permaneça) em seu lugar” ou a ordem das pessoas, dos acontecimentos e do seu universo, de maneira geral, lhe parece desordenada?

Você tem parado para escutar o seu corpo? Tem obedecido a vontade da Natureza agindo sobre ele, ou constantemente tem se esforçado em tirar as coisas do lugar? Continue lendo

Você pode gostar de ler também:

Acordar para a vida

5 min de leitura

Acordar para a vida, todos os dias nos levantamos  e ao olharmos à nossa volta, muitas vezes, acabamos constatando que estamos descontentes com a situação em que nos encontramos e o lugar que ocupamos no mundo.

Devido às adversidades da vida, a tendência do ser humano é focar sempre nos problemas que o rodeiam, potencializando os sentimentos negativos como angústia e frustração.

Tudo acaba virando motivo de reclamação e a rotina acaba tornando-se avassaladora e destruidora de nossa essência e consequentemente passamos a ver somente o lado negativo das situações, das pessoas. Com um olhar pessimista, nos limitamos á enxergar apenas o lado ruim de todas ocasiões, acentuando o sentimento de insatisfação, angústia e vazio.

Para algumas pessoas, acordar é um grande pesadelo, os problemas e conflitos ocupam um lugar tão grande que impedem o ser humano de buscar soluções, enfrentamento diante das circunstâncias e motivação para reverter a situação. Continue lendo

Você pode gostar de ler também: