Anúncio

Como mostrar (para alguém) a hora de ir a Psicóloga?

3.3
(3)
4 min de leitura · 

Como mostrar, como fazer, como obrigar… a ir na psicóloga?

Sendo direto, pois uma caixa de segredos direta, chegou com a pergunta: “como mostrar ao meu noivo que ele precisa de conversar com um psico” (sic).

Então lá vai a resposta “na lata”: não mostra, ele precisa perceber e querer ir. Ele precisa perceber o valor dessa ida ao psicólogo.

Resposta dada, vamos a explicação do motivo da resposta.

Essa é uma pergunta bem frequente, com algumas variações:

  • Como convenço meu namorado (como convenço minha namorada) que ele precisa de um psicólogo?
  • Como faço alguém ir no psicologo?
  • Como convencer uma pessoa á ir ao psicólogo?
  • Como convencer minha mãe a me levar para psicólogo?
  • Como levar minha mãe (ou meu pai) no psicólogo?
  • Como convencer alguém a se tratar com psicologo?

Se fossemos colocar a lista aqui seria a família inteira.

Tem lógica esse desejo de que alguém valoroso para nós vá ao psicólogo: nós nos preocuparmos com esse alguém, queremos o bem dessa pessoa. Ela “deveria” acreditar que isso é o melhor para ela, por que eu sei que é. #sqn (só que não).

Se eu acredito em algo bom (pra mim), desejo ao outro (importante para mim) que ele creia também (pois faria bem a ele também) naquilo que eu acredito.

Já tratamos do assunto em textos semelhantes como: Como falar pros meus pais que quero fazer terapia? ou Psicólogo: Por que ir ou procurar auxílio psicológico? ou ainda Quando eu sei que preciso ir a um psicólogo? Se preferir, faz uma busca que o assunto é vasto.

Mas repare que na frase em negrito, acima. (Leia ela novamente devagar).

Muita dessa vontade está ligada naquilo que você crê, naquilo que você deseja, naquilo que faz bem a você. Ao outro, não é, talvez, o melhor (pode até ser, mas na opinião do outro, ainda não o é).

Como você se sente quando é obrigado a fazer algo contra a sua vontade?

Mas, como mostrar algo para alguém?

É uma proposição de valor.

Alguém só irá buscar o psicólogo ou a psicóloga quando perceber valor nisso ou quando perceber que precisa disso.

Alguém só acreditará em algo se quiser acreditar naquilo.

Você não convence, pois ao forçar esse alguém (que até pode ir pela sua insistência) essa pessoa não interiorizou a importância disso.

Claro, algumas vezes essa forçada de barra até funciona, mas não é ideal pois cria resistência e a pessoa já chega com o pé atrás.

Pense comigo: podem ser vários os motivos para que essa pessoa não queira ir.

Ela poderia estar debilitada demais para compreender o quanto o que ela tem é prejudicial. Pode não fazer parte daquilo que ele ou ela acredita. Pode já ter passado por experiências ruins…

E você precisa ter paciência e respeitar o desejo do outro.

Ouvir, compreender, dialogar (aquele processo que ambos falam, não só um).

Sabe aquela história da criança, que você diz várias vezes: “não coloca o dedo na tomada” mas ela coloca assim mesmo?

Então, é assim que funciona.

O choque da realidade só vai acontecer ao notar que aquilo que é “invisível” existe (tomando o choque).

É a experimentação, a experienciação, a internalização daquele valor. E, algumas vezes, serão necessários vários dedos na tomada antes de “aprender”.

Ela aceita o “valor” de algo no tempo dela.

A pessoa em questão só buscará auxilio psicológico quando aprender (ou souber ou ainda atribuir valor) a esse passo e ao benefício que ele trará.

Em alguns casos, recebemos pacientes que foram primeiro em busca de chás, de ajuda espiritual, de tudo que disseram que funcionaria antes de chegar ao profissional correto (até por que tem isso também, os profissionais e “profissionais”).

E durante esse processo, quando encontram o profissional certo: que cria-se o vínculo, que sabe o que está fazendo: flui. Ganha valor. Isso vale até para um texto bem escrito que mostre que ir ao profissional pode ajudar.

Técnicas de Convencimento: como mostrar…

Mas dá para “convencer”? Claro!

O marketing e as técnicas de negociação e vendas são cheias de psicologia aplicada para que você “compre uma ideia”.

Dá trabalho, precisa ser feito com responsabilidade e ética (sim ética, lembra da pergunta: você gostaria de ser forçado(a) a fazer algo que não concorda? Pergunte-se: quero, posso, devo?).

Para fazer com que uma pessoa vá para o psicólogo mostre valor. Apresente resultados concretos. Textos. Vídeos. Explique pacientemente, ensine, trabalhe naquilo que é importante para o outro (não para você).

E: Não Faça Auto Diagnóstico

Também já falamos disso em outro post. Mas o restante da caixa de segredos nos obriga a reforçar: Não faça auto diagnóstico e não rotule ninguém, por favor.

ele tem um jeito bipolar” (sic).

Não existe o jeito bipolar, confira os textos Tem um bipolar na minha vidaEu sou meio bipolar, Possíveis tratamentos para um verdadeiro bipolar.

Quando você dá um diagnóstico psicológico para alguém ou atribui uma informação de um manual você está cometendo uma série de erros que podem ser extremamente prejudiciais para o outro.

Tenha muito cuidado!

Os psicólogos e psicólogas estudam mais de cinco anos, fazem testes e avaliações, trabalham em conjunto com outros profissionais ANTES de dar um diagnóstico.

Cuidado com auto diagnóstico ou ao diagnosticar alguém, ok?

 

O quanto este post foi útil para você?

Psico.Online

Psico Online - Psicólogas e Psicólogos 24 horas rápido, fácil e descomplicado. Psicologia Online para acolhimento psicológico. Somos uma plataforma de acolhimento psicológico 24 horas, ligando clientes e psicos, de maneira fácil e descomplicada. Reunimos profissionais da Psicologia, psicólogas e psicólogos, que oferecem orientação psicológica a fim de facilitar o acesso de pessoas que buscam auxílio profissional psicológico, em questões emocionais, de relacionamento, profissionais, autoconhecimento e saúde mental, de forma simples e rápida.

Leave a Comment
Share
Published by
Psico.Online

Recent Posts

Informação e imaginação na nossa ansiedade

Informação e imaginação tem ações concretas na nossa ansiedade? O quanto nossas informações e o…

1 mês ago

Vão se os anéis, ficam-se os dedos

Cá com meus botões, pensando, enquanto procuro uma entrevista de Noam Chomsky, onde ele fala…

2 meses ago

Criticar o outro, fala mais sobre você.

"Nós não vemos as coisas como elas são, nós as vemos como somos ", disse…

3 meses ago

Quando paramos de nos preocupar com os outros…

Quando paramos de nos preocupar com os outros, a primeira vista, idealizamos que nossa vida…

5 meses ago

Infelicidade: me apeguei a ela e agora?

Infelicidade é a palavra felicidade com o prefixo de privação ou negação. Pode ser compreendida…

6 meses ago

Masturbação Infantil: não fique na mão com o assunto.

Esses dias respondi algumas perguntas sobre Masturbação Infantil para o site bebe.com.br e, como eles…

6 meses ago

This website uses cookies.