Anúncio
3.8
(6)
1 min de leitura · 

A gente já escreveu alguns textos aqui sobre porquê ir ao psicólogo, porque fazer psicoterapia e tal, mas esse texto vai em resposta à uma pergunta que nos chegou na Caixa de Segredos.

A pessoa nos questiona como ela sabe quando deve procurar um psicólogo e diz que conversando com seus pais, eles a questionaram do porquê procurar ajuda e essa mesma pessoa ficou sem resposta. Pois bem, vamos a algumas respostas.

Por que devo procurar um psicólogo?

Podemos procurar um psicólogo quando estamos tristes, quando algum assunto nos incomoda e mesmo depois de uma infinidade de tentativas pra resolver essa questão a gente não chegou a lugar algum.

Podemos buscar ajuda quando queremos nos conhecer melhor, quando queremos explorar nossos pontos positivos e negativos, aprimorar aquilo que está bom e melhorar o que não nos agrada. Tem coisas sobre nós mesmos que sem o olhar atento do psicólogo a gente nunca nem sonharia em conhecer.

Leia também: Por que devo fazer psicoterapia

O psico pode te ajudar a fazer escolhas quando você está muito confuso. Quando você não tem ideia dos prós e contras, quando você tem medo de tomar uma decisão. O profissional vai lá com toda a sensibilidade e técnica e aos poucos “limpa as nuvens” que rodeiam sua cabeça.

Podemos também ganhar uma autoconfiança, uma autoestima, um autocuidado e um amor próprio que nunca imaginamos. Algo que nos fará mais felizes, mais tranquilos, mais leves. Algo que transforma a nossa existência e nos faz mais fortes.

Por fim, mas não que isso finalize as possibilidades de ajuda que a terapia pode trazer pras nossas vidas, o psicólogo é alguém que não julga, que não direciona, que não invade sua vida, ele apenas te ajuda a se encontrar, a se compreender, a refletir com profundidade e amor sobre quem é você e o que você quer nesse mundo.

O quanto este post foi útil para você?

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Share
Published by
Raquel Ferreira

Recent Posts

Quando paramos de nos preocupar com os outros…

Quando paramos de nos preocupar com os outros, a primeira vista, idealizamos que nossa vida…

1 mês ago

Infelicidade: me apeguei a ela e agora?

Infelicidade é a palavra felicidade com o prefixo de privação ou negação. Pode ser compreendida…

3 meses ago

Masturbação Infantil: não fique na mão com o assunto.

Esses dias respondi algumas perguntas sobre Masturbação Infantil para o site bebe.com.br e, como eles…

3 meses ago

E quando sobra pra gente?

"Sobra pra gente" o que sobrou pra você ou para mim? Quem nunca levou "uma"…

3 meses ago

Escutar, ouvir e falar. O que você tem feito?

Ouvir ou escutar remete a ações muito parecidas. Muita gente sabe a diferença, mas no…

3 meses ago

Será que eu sou gay?

Gay, homosexual, será que meu interesse sexual é assim ou assado? Lembro da primeira vez…

3 meses ago

This website uses cookies.