Anúncio
Categories: Reflexões

Em tempos de ódio é bom andar amado

1 min de leitura · 

Hoje vamos de reflexão, algumas que surgem durante sessões, outras que a vida me apresenta no meio de uma tarde calorosa, outras que vem durante minha prática de ioga ou mesmo antes de adormecer e pra não ficarem só na minha cabeça, vou compartilhar um pouquinho aqui.

Em tempos de ódio é bom andar amado.

Eu gosto muito dessa frase, ela me faz lembrar que sempre vale a pena um esforço pra salvar alguém do ódio, do rancor. Que não importa quem é o seu adversário, amar sempre será uma arma muito potente.

Temos vivido dias difíceis, parece que salvar-se é o que interessa, mas a gente se esquece de olhar pro lado, de estender a mão, de oferecer o ombro. Você já parou pra pensar que enquanto colabora com alguém pode estar salvando a si mesmo?

Sim! Você pode estar salvando-se da solidão, da mesmice, da falta de empatia. Pode estar salvando-se da mediocridade de dizer que se basta, mas vive chorando no chuveiro porque não tem com quem contar. Salvando-se dos dias cinzas, onde tudo o que você queria era um ouvido ou uma palavra de apoio.

Pois é, quando a gente deixa de odiar, de pensar só no próprio umbigo, se abre um universo de possibilidades a nossa frente e recebemos a graça de começar a história de uma maneira diferente.

Em tempos de ódio, onde a TV, os jornais, os partidos políticos pregam a segregação, andar amado e amando pode provocar a mudança que você espera ver no mundo.

Em tempos de ódio, onde a violência te persegue, amar pode te salvar. Respeitar as diferenças, buscar diminuir as desigualdades e mais uma vez amar.

A gente precisa aprender que a insatisfação por si só não nos tira do limbo. Precisamos entender que arregaçar as mangas, usar a empatia e ir à luta é que vai deixar o mundo melhor. Que tal tentar hoje?

O quanto este post foi útil para você?

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Share
Published by
Raquel Ferreira

Recent Posts

Quando paramos de nos preocupar com os outros…

Quando paramos de nos preocupar com os outros, a primeira vista, idealizamos que nossa vida melhoraria. Olha, preciso dizer, isso…

2 semanas ago

Infelicidade: me apeguei a ela e agora?

Infelicidade é a palavra felicidade com o prefixo de privação ou negação. Pode ser compreendida como o oposto da felicidade.…

2 meses ago

Masturbação Infantil: não fique na mão com o assunto.

Esses dias respondi algumas perguntas sobre Masturbação Infantil para o site bebe.com.br e, como eles não utilizaram todo o conteúdo,…

2 meses ago

E quando sobra pra gente?

"Sobra pra gente" o que sobrou pra você ou para mim? Quem nunca levou "uma" sem nem ao menos estar…

2 meses ago

Escutar, ouvir e falar. O que você tem feito?

Ouvir ou escutar remete a ações muito parecidas. Muita gente sabe a diferença, mas no dia a dia — pelo…

2 meses ago

Será que eu sou gay?

Gay, homosexual, será que meu interesse sexual é assim ou assado? Lembro da primeira vez que vi essa pergunta por…

2 meses ago

This website uses cookies.