2 min de leitura · 

Sumário

Como é difícil esperar o tempo, do outro, não é mesmo?

A ansiedade bate forte. É muito difícil esperar.

Esperar, afinal? A pessoa resiste. Ela quem tá “errada”.

E, o outro ainda argumenta embora “esteja se prejudicando”.

Tomou o “caminho errado”. Paciência. De maneira alguma, sou brasileiro, não desisto nunca de quem eu amo.

Ah, pois, EU (!) discordo que ela siga nessa direção. Não faz sentido! Vou mudar a cabeça dela.

Observe que curioso: para você que lê, eu, que escrevo, sou o outro e para mim, que escrevo, tomo você por outro, a outra pessoa. Esse tal “o outro” que precisa de tempo, ao mesmo tempo é você e também sou eu.

O “seu tempo” precisa ser respeitado. Mas, e o meu? Você o respeita?

Diria, talvez, que quem tem o conhecimento desta informação, e que não é mais ignorante dela, tem a responsabilidade de respeitar o tempo “do outro”. Sinto muito, por você.

O tempo do outro dá a possibilidade dela/dele/de eu compreender, aprender, entender, ver, perceber, sentir a necessidade ou a responsabilidade ou ainda a obrigação de tomar ou não atitudes em relação a algo ou alguma coisa.

Já lhe obrigaram a comer quando você não sentia fome? É quase assim, forçar o tempo do outro, empurrando goela abaixo, algo que não cabia (ou cabe).

Mas como saber?

As vezes é só um pequeno bocado, noutras é o gatilho para vomitar tudo e passar muito mal. Você aprende. Aprende a ouvir, perceber no noutro a dor, o amor, o orgulho; todas essas emoções que nem são tão pequenas para serem ignoradas.

É como na imagem do nosso post do Instragram sobre esse assunto. Ovos nunca voarão.

Além de aprender a ouvir, perceber que você não está respeitando ou tendo o seu tempo respeitado? Dar acesso. Acessar.

Ouvir também quem não pensa como você. E olha, isso é o mais difícil. Sorrir e concordar com aqueles que concordam com nossas ideias, conceitos é muito simples, mas suportar nãos, críticas muitas vezes infudadas ou pouco fundamentadas, quase ignorantes, dói.

Mas é nessa hora que é importante abrir portas e janelas (no figurado, claro). Deixar que o outro tenha informações. Afinal, serei tão prepotente para achar que ninguém mais tenha algo para transmitir?

Você não deixa de alimentar um bebê até que ele ou ela grite: “oi, tô com fome”. Até pelo motivo dele ou dela ainda não saber como dizer isso. Expressar o que está sentido, ainda só no choro. Parece familiar?

Contudo você não força. Demonstra. Testa. Ensina. Inúmeras e incontáveis vezes. Repete e repete novamente.

E se você é jovem, mesma coisa para quem é mais velho. Você repete. Se prova. Diz e também tem que aprender a ouvir. E da-lhe paciência.

Todo o processo do tempo do outro é avaliativo. Você ouve, percebe, oferece e é recusado/recusada. Em raras, muitos raras exceções, você força. O forçar gera atrito. É violento. Você gostaria de ser violentado ou violentada para algo que você ainda não está pronto ou pronta para receber?

Quando você força o tempo do outro ou o seu próprio tempo (sem controle de mediação) algo ruim acontece.

É o atleta que força demais o seu corpo e se machuca. Pode se machucar muito ou pouco e é imprevisível, incontrolável.

E então? Como você anda avaliando o tempo do outro é o seu próprio?

Será que você tem ouvido? Entendido? Buscado entender motivos? Causas? Razões para o outro não pensar como você? Será mesmo que você sabe mais que o outro? Talvez sim ou talvez não. Você nunca sabe quem está na platéia te ouvindo.

Clique para votar
[Total: 3 Average: 5]

Sobre os Autores do Post:

Website | + posts

Psicólogo CRP 06/154.661 - Formado Psicologia e em Administração com ênfase em Marketing, workaholic geek que respira tecnologia, pesquisador e mestrando em tecnologias da inteligência e design digital. É um dos fundadores do Psico.Online e do MeuPsicoOnline.com.br

Um comentário em “O tempo do outro. 1 bom motivo para analisar ações.

Gostaríamos de escutar o que você tem a dizer.