dicas-para-quando-nos-sentimos-sozinhos

O que fazer quando você se sente sozinho ou sozinha

4 min de leitura

Leia este quadrinho sobre sentir-se sozinho antes de avançarmos para o texto.

A primeira coisa a se fazer quando você se sente sozinho é entender o quanto isso é prejudicial ou o quanto é recompensador. Como no quadrinho acima, estar só é apenas estar só.

Embora vivamos numa sociedade globalizada, com muita gente a nossa volta: no trabalho, na condução, na família onde quer que seja, muito do “estar só” vem de algumas coisas que escolhemos para nós mesmos. (mais…)

Você vai gostar de ler também:

Vínculos tóxicos - Família laços de amargor

Vínculos tóxicos – Família laços de amargor

5 min de leitura

Os vínculos tóxicos: é comum no consultório, ouvindo os relatos dos pacientes, ou mesmo em nosso dia a dia, nos depararmos com um amigo, primo, colega de trabalho, enfim, alguém que percebemos ser uma pessoa com muitas qualidades, uma pessoa como podemos dizer… “do bem” sendo “usada”, “manipulada”, “escravizada” por outras pessoas.

Ficamos perplexos e se temos intimidade perguntamos: como você aguenta? Não vai falar nada? Fazer nada? E de repente … o silêncio misturado com a vergonha se rompe em uma justificativa paralisante…

“Então, é minha mãe, ou meu pai, meu irmão, minha filha, minha esposa, meu marido…”

Como se estes laços sanguíneos ou no caso do casamento, “de papel passado”, justificassem os abusos psicológicos e até físicos sofridos por muitos. Laços familiares que estão mais para correntes de aço, que te prendem, sufocam e que te matam aos poucos. (mais…)

Você vai gostar de ler também:

A culpa não é minha pois é a sua responsabilidade

4 min de leitura

A culpa não é minha, é sua! Foi quase essa a frase que “li”. Aconteceu outro dia, recebi a culpa por uma responsabilidade que não era minha e, a dona da responsabilidade, deixou claro que o problema não era dela.

Já falamos da culpa em outro sentido por aqui, que ela envenena a alma. Então…

Se não era dela, e estávamos em um diálogo, era minha. Aceitei. Naquele momento os prós e os contras diziam para não continuar uma discussão com alguém que não estava se percebendo. A culpa não é minha…

O caso foi simples: entrei em um novo grupo do Facebook; daqueles que você troca informações sobre um determinado tipo de assunto para qual o grupo fora criado.

Escrevi um post me apresentando e nesse mesmo post indiquei uma página falando algo fora do assunto (off topic) enquanto me apresentava e tentava me enturmar.

O post foi apagado. (mais…)

Você vai gostar de ler também:

Na pele do outro: um exercício de empatia

4 min de leitura

Imagine-se na pele de alguém que você não gosta, na pele do outro, para um exercício de empatia (capacidade de projetar a personalidade de alguém num objeto, de forma que este pareça como que impregnado dela) e depois continue lendo.

A maioria consegue, já adianto; se você não conseguiu, é bom marcar uma conversa com um psicólogo ou uma psicóloga de confiança urgentemente para entender essa dificuldade, urgentemente mesmo e logo explicarei o motivo.

O post de hoje é sobre o vídeo abaixo, produzido para campanha do www.inter-lgbt.org e vai seguir a linha do soco no estômago que é ele, antigo até, de março de 2016 lançado sobre o nome “Le parcours” – O curso.

O vídeo trata da corrida que a minoria LGBT enfrenta, porém não falarei sobre o que o vídeo propõe, até por que fica claro o objetivo dele: mostrar o sofrimento e a resiliência pelos motivos que conhecemos além do quanto se precisa correr em direção a mudança cultural. (mais…)

Você vai gostar de ler também:

TOC ou T.O.C o Transtorno Obsessivo Compulsivo

Aprenda sobre o TOC: Transtorno Obsessivo Compulsivo

2 min de leitura

TOC e manias são bem diferentes, aliás, já falamos do assunto aqui quando abordamos o T.O.C e os T.I.Cs. O problema é que muita gente sofre com esse transtorno e outras tantas têm manias.

Para aquelas que tem Manias e precisam se livrar delas recomendamos uma conversa com um Psico que ele poderá auxiliar muito. Aliás, tem uma linha da psicologia (a comportamental) que tem métodos bem precisos para lidar com essa situação.

Já aqueles como o senhor do vídeo curta metragem ai embaixo, recomendamos que assistam também a entrevista de 30 minutos e procure ajuda de um psico ou do Projeto Transtornos do Espectro Obsessivo-Compulsivo (PROTOC) criado em 1994 e dedicado a pesquisar e tratar o Transtorno Obsessivo-Compulsivo e os transtornos relacionados a ele como a Síndrome de Tourette e o Transtorno Dismórfico Corporal.

 

O Transtorno Obessessivo

Na reportagem abaixo a psicóloga Vivian Araújo aborda o assunto claramente. Também foram vinculadas entrevistas com pessoas que sofrem com esse problema, são 30 minutos para você compreender se precisa ou não de ajuda. Não tá afim ou tá sem tempo? Continue no texto….

Pensando que nem todo mundo que entra no site Psico.Online conta com tempo a disposição, resolvemos sintetizar, através das dicas do livreto da PROTOC 12 sinais que podem ser um alerta para família procurar ajuda ou você mesmo procurar um acompanhamento adequado.

O Transtorno Obsessivo Compulsivo com o uso de medicamentos e também com o auxílio psicológico pode diminuir muito e melhorar a qualidade de vida.

Preste Atenção aos 12 sinais de alerta para o TOC

  1. Longos períodos de tempo inexplicáveis.
  2. Fazer coisas repetidas vezes.
  3. Questionamentos constantes acerca da própria necessidade de reasseguramento.
  4. Tarefas simples levando mais tempo que o usual.
  5. Atrasos permanentes.
  6. Preocupação exagerada com detalhes e coisas menores.
  7. Reações emocionais extremas a coisas menores.
  8. Incapacidade de dormir adequadamente.
  9. Ficar acordado até tarde para terminar de fazer coisas.
  10. Mudança significativa nos hábitos alimentares.
  11. O dia a dia se transforma numa luta.
  12. Evitação.
TOC Transtorno Obsessivo Compulsivo
Visite o site http://www.ufrgs.br/toc/ que possui uma quantidade imensa de informações sobre o TOC.

Baixe o Livro do PROTOC ideias que se repetem

Conheça a ASTOC – Associação Brasileira de Síndrome de Tourette, Tiques e Transtorno Obsessivo Compulsivo

PROTOC – Projeto Transtornos do Espectro Obsessivo-Compulsivo

Atenção:

Em breve faremos o lançamento do site e gostaríamos muito de avisar você visitante. O site Psico.Online será uma plataforma inovadora para encontrar e falar com um psico. Preencha seus dados abaixo e continue prestigiando nossos posts! 🙂

Você vai gostar de ler também:

Deu dinheiro ao Mendigo e se surpreendeu com o uso – respost de vídeo

0 min de leitura

São 100 dólares dados ao Mendigo, que depois viram duzentos. A reação deixaria qualquer um pensativo. Qual o seu julgamento?

(mais…)

Você vai gostar de ler também:

sociofobia

Imagine ser alérgico a pessoas – sociofobia, um distúrbio social

3 min de leitura

No texto de hoje falaremos um pouco de um Transtorno Social polêmico: a sociofobia, ou a Alergia a pessoas. Como assim? Há estudos que indicam que uma série de características de timidez, quando em estado elevado de ansiedade, passa a ser classificada como uma patologia que deve então ser tratada, medicada e acompanhada.

O maior problema? Como diagnosticar e classificar uma fobia social de leve a grave? Veja bem, se você sofre de algum desses sintomas deveria procurar ajuda, mas não quer dizer que precise utilizar um rótulo. Um psicólogo online ou presencialmente, poderia auxiliar você a entender melhor o contexto e orientá-lo adequadamente, entendendo as angústias e ansiedades envolvidas no processo.

Mas é bom pensar: se você sofre de timidez é uma coisa, mas se isso começa a afetar o seu dia-a-dia exageradamente, porque não pedir auxílio? Vamos entender um pouco mais para poder decidir?

(mais…)

Você vai gostar de ler também:

Conheceça os sinais que indicam que você precisa falar com um psico

8 min de leitura

Você precisa falar: Não é tão ruim quanto parece. Falar com um psico ou iniciar uma terapia é tão importante quanto fazer um checkup para verificar se o coração e o colesterol estão em dia, mas sejamos sinceros, fazer terapia ainda (e infelizmente) é raro, mal-visto ou no mínimo, fora do comum.

Tudo começou quando éramos pequeninos, quando alguém da nossa escola ia para a sala do psicólogo quando “estivesse aprontando demais” ou quando vimos alguém que teve um problema que consideramos grave, ser dirigido para um especialista. A partir daí, nossa imagem de terapias, psicólogos adquiriu uma relação que precisamos mudar.

A primeira coisa que você precisa saber é que um psico NÃO é sinônimo de melhor amigo, e que fazer terapia não significa felicidade instantânea.

Consultar um psico se trata de buscar apoio de um profissional capacitado, que estudou no mínimo 5 anos e que te oferecerá ferramentas para lidar com os problemas que se apresentam e se apresentaram em toda sua vida.

É um processo longo que pode durar meses e em alguns casos, anos.

No caminho você descobrirá partes suas que não gosta e recordará de momentos difíceis da sua vida.

Mas quando considerar buscar ajuda psicológica ou falar com um psicólogo para fazer terapia?

Há momentos na vida que adotamos certos hábitos ou começamos a nos comportar de uma forma que não poderíamos dizer que seja a mais saudável. Isto posto, o que deveria ser “normal” deixa de ser e as coisas parecem não fazer muito sentido.

Por isso mesmo, nunca será exagerado recorrer a um profissional especialista quando uma das seguintes situações se apresentar:

(mais…)

Você vai gostar de ler também:

E esse tal Asperger?

1 min de leitura

Hoje é o dia internacional da Síndrome de Asperger, mas você sabe o que é isso???

síndrome de asperger

É uma síndrome com muitas controvérsias e diagnóstico difícil, descrita no meio médico por volta de 1944 pelo pediatra Hans Asperger. Reúne um conjunto de características muito similares ao autismo: dificuldade de interação social, repertório de interesses e atividades empobrecido, estereotipado e repetitivo.

A diferença mais marcante entre as duas síndromes está no fato de que no Asperger não há atraso ou retardo no desenvolvimento cognitivo (da inteligência, percepção, etc) ou de linguagem.

Os meninos são mais atingidos, chegando a 8 garotos para 1 menina e geralmente o desenvolvimento dos sintomas pode persistir até a vida adulta.

A causa da doença é desconhecida, mas acredita-se que seja de origem genética.

Muitos pacientes estão erroneamente diagnosticados e por vezes isso gera um tratamento inadequado e a impossibilidade de melhora qualitativa na vida do indivíduo.

Somente com uma boa e minuciosa avaliação psiquiátrica e psicológica, pode-se reduzir os danos do diagnóstico e garantir uma vida plena e saudável ao paciente.

Vídeos sobre Asperger

Confira estes dois vídeos que falam sobre a Síndrome, o primeiro, uma palestra do TED por uma garota que têm a síndrome e o outro um trecho do filme Mary e Max do diretor Adam Elliot.

 

Referências: Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10. Porto Alegre, Artmed, 1993.

Você vai gostar de ler também: