Anúncio

Peleumonia, preconceito e a onda de ódio

0
(0)
1 min de leitura · 

Peleumonia é um termo que não está no dicionário, mas está na boca do povo. Na boca do povo de diversas maneiras, seja como vocabulário rotineiro, seja pelos últimos acontecimentos, envolvendo um médico imaturo.

Quando comecei a ler sobre o caso, lembrei de uma música que ilustra tão bem essa gente que tem um vocabulário próprio, como a poetisa Josilene, do Teatro Mágico.

Foi tanta coisa que me passou pela cabeça quando vi a foto do médico Dr Guilherme Capel, tirando sarro do paciente, depois quando a médica Dra Julia se manifestou defendendo o paciente, mas principalmente, quando um terceiro médico Dr Milton Pires e algumas outras pessoas se manifestaram proferindo palavras de ódio, de puro preconceito e intolerância.

Fiquei pensando como é que esse tipo de “gente” pode cuidar de vidas.

Pode se dizer médico aquele que cuida, aquele que ama o que faz.

Cuidado não tem partido político, não tem cor, não tem credo, não tem distinção. Cuidado tem amor e respeito.

Não me interessa se Julia é negra, azul, cor de rosa, petista, umbandista, ela defende pessoas, cuida de pessoas e recebeu ódio desse ser sem luz, porque provavelmente ele não aguenta enxergar que existam pessoas melhores do que ele, um cara que não dá conta da sua sombra.

Não estou para julgar o primeiro médico, nem o segundo e muito menos para defender Julia, embora meu coração faça isso involuntariamente, pois se identifica com ela, mas estou aqui para chamar à atenção uma reflexão que temos precisado fazer com certa constância:

Onde foi parar o nosso respeito ao outro? Onde foi parar a empatia, a humildade, o amor ao que se propõe fazer?

Meu coração aperta cada vez que me deparo com esse tipo de situação, mas eu aindo prefiro acreditar que um dia, pessoas como vocês, Dr Milton e Dr Guilherme, entenderão o que é o amor e o respeito e assim, todos juntos, poderemos viver num mundo livre de ódios, preconceitos e intolerâncias.

#EmTemposDeÓdioÉBomAndarAmado

O quanto este post foi útil para você?

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Leave a Comment
Share
Published by
Raquel Ferreira

Recent Posts

Vão se os anéis, ficam-se os dedos

Cá com meus botões, pensando, enquanto procuro uma entrevista de Noam Chomsky, onde ele fala…

6 dias ago

Criticar o outro, fala mais sobre você.

"Nós não vemos as coisas como elas são, nós as vemos como somos ", disse…

4 semanas ago

Quando paramos de nos preocupar com os outros…

Quando paramos de nos preocupar com os outros, a primeira vista, idealizamos que nossa vida…

3 meses ago

Infelicidade: me apeguei a ela e agora?

Infelicidade é a palavra felicidade com o prefixo de privação ou negação. Pode ser compreendida…

4 meses ago

Masturbação Infantil: não fique na mão com o assunto.

Esses dias respondi algumas perguntas sobre Masturbação Infantil para o site bebe.com.br e, como eles…

4 meses ago

E quando sobra pra gente?

"Sobra pra gente" o que sobrou pra você ou para mim? Quem nunca levou "uma"…

4 meses ago

This website uses cookies.