Anúncio
Categories: Caixa de Segredos

Sou viúva, tentando refazer minha vida amorosa

0
(0)
2 min de leitura · 

Uma viúva, tentando refazer  sua vida amorosa, enviou para gente uma Caixa de Segredos. Vamos falar um pouco sobre isso?

Aos poucos vamos retomando as respostas da Caixa de Segredos.

Ainda há muitos temas para trabalharmos e, espero, que as respostas cheguem àqueles que enviaram suas dores, angústias e dúvidas enquanto o formulário ainda estava ativo.

Sentimos muito pela demora, e esperamos que estas palavras ajudem não só quem as enviou mas todos que cheguem a este texto.

ψ

A Caixa de Segredos, fechou por um tempo, mas a resposta de hoje, é a seguinte. Uma visitante escreveu:

Sou viúva, tentando refazer minha vida amorosa, mas estou perdida, não sei como agir. Sou uma mulher bonita e interessante, mas muito insegura com relação aos homens. Penso que todos que se aproximam de mim não querem nada sério.Me sinto muito mal com isso.

Recomeçar uma vida amorosa não costuma ser fácil. Aprendemos e adquirimos medos, acabamos comparando quando deveríamos vivenciar coisas novas, contudo é importante saber, que uma vida amorosa é sempre diferente e requer toda uma desconstrução para voltar a reconstruir.

Querida leitora, acredito que pela sua mensagem a parte mais importante do processo está em andamento: você sabe que é uma mulher bonita e interessante.

Precisa reforçar essa ideia, e perceber que a autoestima é uma parte fundamental para o desenvolvimento de um novo relacionamento.

Esse é o principal quesito para compreender que tudo tem um tempo, e que, embora você se sinta insegura, desconfiada e mal com isso, há esperança no horizonte.

Que é preciso experimentar, abrir a porta e deixar a vida fluir em vários aspectos.

Já tivemos um texto aqui no psico.online falando sobre Cafajeste: todos eles são, e a fila, anda? onde falamos o seguinte: “toda generalização tem excessão e (toda generalização) tende a ser muito errada. Não é por que um foi cafajeste ruim que todos serão”.

Ninguém é igual a ninguém e uma relação é uma via de mão dupla, onde coisas boas e ruins devem ser conversadas.

Também não existe um manual ou um identificador para dizer certos ou errados, e as coisas só irão acontecer se você se permitir que aconteçam: e nisso sim, entram as coisas boas e também ruins.

Logo, essa insegurança, precisa ser verificada para entender em que ponto, ela realmente está ancorada.

Um relacionamento irá equilibrar a razão, a emoção e a vida social, sexual com o passado, presente e futuro, compartilhando medos, desejos e sonhos.

Quando alguém se aproxima de você, e você passa a crer que essa pessoa se aproximou sem querer nada sério, questione: será que esse medo é uma transferência ou uma realidade?

Quais são os gatilhos que ativam o sinal de perigo em você?

Não há um mapa, há descobertas, então, qual o caminho que você optará por seguir: da insegurança ou da aventura?

Acredito que em algumas sessões com um psico você consiga obter essas respostas e seguir em frente, vivendo o que há de melhor na vida, um novo amor.

E espero, que ao ler estas palavras, compreenda que você já sabe o que deseja, agora, é seguir esse caminho.


Photo by Carl Attard from Pexels

Não esqueça de votar e de compartilhar este post.

O quanto este post foi útil para você?

Raul Oliveira

Psicólogo CRP 06/154.661 - Formado Psicologia e em Administração com ênfase em Marketing, workaholic geek que respira tecnologia, pesquisador e mestrando em tecnologias da inteligência e design digital. É um dos fundadores do Psico.Online e do MeuPsicoOnline.com.br

Leave a Comment
Share
Published by
Raul Oliveira

Recent Posts

Informação e imaginação na nossa ansiedade

Informação e imaginação tem ações concretas na nossa ansiedade? O quanto nossas informações e o…

1 mês ago

Vão se os anéis, ficam-se os dedos

Cá com meus botões, pensando, enquanto procuro uma entrevista de Noam Chomsky, onde ele fala…

2 meses ago

Criticar o outro, fala mais sobre você.

"Nós não vemos as coisas como elas são, nós as vemos como somos ", disse…

3 meses ago

Quando paramos de nos preocupar com os outros…

Quando paramos de nos preocupar com os outros, a primeira vista, idealizamos que nossa vida…

5 meses ago

Infelicidade: me apeguei a ela e agora?

Infelicidade é a palavra felicidade com o prefixo de privação ou negação. Pode ser compreendida…

6 meses ago

Masturbação Infantil: não fique na mão com o assunto.

Esses dias respondi algumas perguntas sobre Masturbação Infantil para o site bebe.com.br e, como eles…

6 meses ago

This website uses cookies.