o vício nas mulheres

O vício das mulheres é diferente do dos homens: 3 caminhos de dependência e 1 alerta.

Caso quiséssemos trabalhar o conceito, ao invés de falar “vício”, trataríamos por adição ou processos de dependência neste texto, mas não é o objetivo. O alerta é para que mulheres (ou seus parceiros), percebam que podem procurar ajuda (ou ajudar a procurar) e que há estudos que olham por elas. 😉

Dito isso, cuidem-se, procurem por profissionais para cuidar da dependência.

Afinal, gênero biológico deve ser considerado quando falamos em vício.

Além de ser um tratamento multifatorial (que tem várias características) abordagens centradas no trabalho com mulheres têm mostrado que elas se viciam por motivos diferentes dos homens. Procuram o tratamento, também, por motivos diferentes e ficam sóbrios ou sóbrios por tantos outros.

A boa notícia é que o tratamento anti-dependência que as mulheres recebem está evoluindo para dar conta dessas diferenças, e as mulheres são melhores com isso, que os homens.

Como as mulheres se viciam

Pesquisas e evidências identificaram pelo menos 3 caminhos para o vício que podem ser mais comuns entre as mulheres do que entre os homens.

O primeiro e mais preocupante envolve traumas passados ​​ou em curso.

Só neste item, falaríamos sobre tantos fatores sociais, criminais e culturais que envolvem as mulheres.

Perceba que o item fala de traumas passados ou em curso, ou seja, situações ligadas a vulnerabilidade, a propostas que trabalham contra a violência para com a mulher e o enfrentamento à uma realidade desigual e assim por diante.

Um segundo caminho que as mulheres costumam seguir para o vício com mais frequência do que os homens é por meio dos cuidados médicos relacionados à saúde mental.

O caminho geralmente é assim: as mulheres são mais propensas do que os homens a consultar seus médicos para ansiedade, ataques de pânico, depressão e coisas do gênero.

Quando o fazem, geralmente são prescritos medicamentos para essas condições – algumas das quais podem levar ao vício. Quando isso ocorre, muitas gravitam em torno desse efeito medicamentoso, o que aprofunda seu vício e as adoecem mais.

Observação importante: os serviços médicos estão muito mais cientes dessa situação e se saindo melhor com pacientes no que tange o vício, tanto por meio de medidas como a prescrição de medicamentos não opióides e analgésicos. Mas ainda há espaço para melhorias, por isso o alerta. Também cabe ressaltar que em muitos casos o uso do medicamento, de maneira acompanhada, é uma excelente forma de trabalhar alguns transtornos.

Um terceiro caminho para o vício que as mulheres tendem a seguir: elas podem ser mais propensas a seguir seus parceiros masculinos, ao invés do contrário, em direção a drogas mais pesadas e viciantes.

Infelizmente, as mulheres também tendem a ter uma tolerância menor do que os homens a essas drogas. Isso significa que muitas vezes eles se viciam mais rapidamente e acabam em tratamento.

Mulheres ficam doentes mais rápido

As razões por trás desse fenômeno “doentio mais rápido” ainda não foram bem estudadas, mas aprendemos mais a cada dia.

O fato é que, por razões fisiológicas e provavelmente hormonais, as mulheres tendem a se viciar mais rapidamente do que os homens e adoecem mais rapidamente – com doenças do fígado, pressão alta e uma série de outras doenças crônicas.

As barreiras à procura de tratamento são mais difíceis de superar

A situação lamentável é que mesmo quando as mulheres estão sofrendo, quando sabem que têm transtorno por uso de substâncias e quando têm certeza de que iniciar o tratamento seria a melhor jogada, as evidências sugerem que as mulheres são, em média, menos propensas a dar esse passo do que os homens.

Os motivos para isso incluem:

  • As mulheres tendem a sentir mais vergonha e culpa sobre os problemas relacionados ao desordem por uso de substâncias, incluindo ir ao tratamento para isso.
  • As mulheres tendem a ser menos independentes financeiramente do que os homens, por isso têm menos possibilidades de pagar pelo tratamento e de dispensar o trabalho.
  • As mulheres tendem a cuidar da maioria dos filhos, então é mais provável que digam “de jeito nenhum, não posso deixar os filhos agora – talvez mais tarde”.
  • As mulheres às vezes estão em um relacionamento em que seu parceiro não apóia a ideia de um tratamento anti-dependência por algum motivo (“você não precisa”, “você não é esse tipo de pessoa”, “você precisa cuidar dos filhos ,” e assim por diante).
  • Certas terapias estão se mostrando uma promessa real para as mulheres
  • Duas terapias que estão funcionando bem para mulheres incluem cuidados informados sobre trauma e tratamento sensível ao gênero.

O cuidado informado sobre o trauma é exatamente o que parece: um reconhecimento e consciência do impacto do trauma na vida de uma pessoa. Isso fornece um quadro mais completo da situação do paciente – passado e presente. E muda o foco do cuidado de “O que há de errado com você?” para “O que aconteceu com você?”

Dada a alta incidência de trauma em mulheres que têem vícios, não é de se admirar que esse tipo de atendimento esteja tendo um impacto tão positivo.

O tratamento responsivo ao gênero (TRG) é um tratamento anti-dependência projetado especificamente para tratar homens e mulheres de maneira diferente. No ambiente de tratamento residencial, homens e mulheres ficam em residências separadas, mas a divisão de gênero permeia tudo – desde o design do ambiente físico até a programação diária e as questões abordadas durante as sessões de terapia .

Os benefícios deste TRG para mulheres incluem:

  • Isso permite que as mulheres falem mais facilmente sobre pressões sociais, expectativas e outras experiências pessoais.
  • Ajuda a eliminar quaisquer distrações potenciais que possam ocorrer durante o tratamento.
  • Ajuda as mulheres a voltarem a ter contato com o autocuidado, o relaxamento e a construção de comunidade entre si (rede de apoio).
  • Uma tendência notável e há muito é esperada
  • Como em muitas áreas da saúde e da medicina, as pesquisas feitas sobre a dependência e o tratamento da dependência historicamente se concentraram na população masculina. Foi conduzido em sujeitos do sexo masculino por pesquisadores do sexo masculino.

Isso está finalmente mudando. Mulheres com vícios estão se beneficiando muito com a nova pesquisa centrada na mulher, à medida que os protocolos e estratégias de tratamento estão evoluindo para refletir as novas descobertas. Acredito que essa tendência no campo do vício continuará, e isso é ótimo.

Post baseado no artigo Why Women Experience Addiction Differently

Clique para votar
[Total: 1 Average: 5]

Psico Online - Psicólogas e Psicólogos 24 horas rápido, fácil e descomplicado. Psicologia Online para acolhimento psicológico. Somos uma plataforma de acolhimento psicológico 24 horas, ligando clientes e psicos, de maneira fácil e descomplicada. Reunimos profissionais da Psicologia, psicólogas e psicólogos, que oferecem orientação psicológica a fim de facilitar o acesso de pessoas que buscam auxílio profissional psicológico, em questões emocionais, de relacionamento, profissionais, autoconhecimento e saúde mental, de forma simples e rápida.

1 comentário em “O vício das mulheres é diferente do dos homens: 3 caminhos de dependência e 1 alerta.”

  1. Pingback: Álcool: Um Problema Social Entre Nós. No Brasil é O 6 Principal Fator De Risco Em Mortes E Incapacidades... • Psico.Online | MeuPsicoOnline.com.br

Gostaríamos de escutar o que você tem a dizer.

Rolar para cima