Silêncio: sobre silenciar a mente

1 min de leitura · 

Hoje é o Dia Nacional da Voz, daí eu pensei, mas por que não escrever sobre o silêncio? E aqui está…

Silêncio vai além de ficar calado, é um estado de profunda paz interior, onde pensamentos e diálogos internos se acalmam e até deixam de existir. É uma experiência profunda, onde podemos ouvir a voz do coração.

O silêncio pode nos proporcionar poderes indescritíveis, já que estimula nossa reflexão e nos aproxima da intuição. Ele nos torna fortes e calmos (mesmo em situações perturbadoras), pois passamos a controlar nossa mente ao invés de sermos controlados por ela.

O primeiro passo em busca desse silenciar e dessa paz, é a moderação da fala. Depois você vai aos poucos buscando a diminuição do fluxo de pensamentos, respira, inspira, expira, busca a neutralidade, o não julgamento. Se acalmarmos a nossa mente, começaremos a ouvir o silêncio por trás dos sons, passaremos a escolher pessoas e lugares mais tranquilos. Estaremos conectados com a paz e seremos capazes de reproduzir externamente essa paz. Então, que tal tentar silenciar um pouquinho?

Experimente ir a um lugar realmente silencioso, tranquilo. Sente-se confortavelmente e, em silêncio, preste atenção nele, tente ouvir o som do vento, das árvores, tente ouvir o som do seu coração e o da sua mente. Perceba se estar nessa condição lhe traz algum incômodo e depois reflita sobre isso. Se fizer a experiência e puder compartilhar com a gente, será um prazer te ouvir 😉

Baseado no livro “Siga o Mestre: O Livro do Autoconhecimento – Ed. Clarear”

Veja outros posts do site Psico.Online relacionados ao silêncio da mente:

A meditação muda o seu cérebro, literalmente!

O quanto este post foi útil para você?

Clique nos corações para votar!

Média / 5. Contagem de Votos:

Sentimos muito por este post não ter sido útil para você.

Nos diga como melhorar as postagens

Você vai gostar de ler também:

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Participe, queremos ler o que você tem a dizer