peso das responsabilidades, elefante sentado

Como me livrar do peso das responsabilidades?

2 min de leitura

As vezes a gente demora pra perceber, mas o peso das responsabilidades está ali e dia a dia ele vai ocupando mais espaço, se acomodando e de repente incomodando.

Essa história pode começar muito cedo. Um desarranjo na família, uma partida repentina, uma doença, uma mudança nos papeis desempenhados e lá está você, assumindo a responsabilidade pela casa, pelo irmão mais novo, por fazer as coisas seguirem da maneira mais natural e saudável possível.

Já ouvi tantas vezes histórias desse tipo, já perdi a conta de quantas pessoas conheço e que precisaram assumir uma postura de adulto com tão pouca idade. Desempenhando um papel muitas vezes impecável, melhor do que muito adulto.

Mas essa responsabilidade toda tem um preço.

E as vezes o preço é alto, cobra em saúde mental, emocional, física. Sua cabeça cansa de tanto pensar em soluções, seu corpo cansa de tanto trabalho, sua alma cansa de nunca descansar de nada. E nesse momento surgem os sintomas.

Clique e fale com um Psicóloga Online agoraVocê começa a perder o sono, o apetite, o entusiasmo. Seu coração acelera, sua cabeça te manda uns pensamentos estranhos, seus sentimentos e emoções oscilam loucamente, o medo de desaparecer e perder o controle começa a ser seu melhor amigo, ou inimigo.

É hora de rever essa vida!

Eu sei que tem momentos em que não dá pra pensar muito. A gente arregaça as mangas e só dá conta do recado. Alguém tem que assumir o controle da situação e a única criatura disponível é você. Ok, eu entendo, mas quando seu corpo começa manifestar sintomas, você precisa parar.

Precisa rever o seu ritmo, desacelerar.

Precisa rever suas escolhas, sair do automático em que se meteu há tanto tempo que nem lembra mais quando ou como foi.

Respire um pouco de ar fresco. Faça uma lista das coisas que você acha que precisa mudar, do que gostaria que fosse diferente. Depois avalie como poderia fazer essas mudanças, não precisa mudar tudo de uma vez e nem pra ontem.

“Comece devagar, porque a direção é mais importante que a velocidade”

Chega o momento em que você vai precisar assumir a responsabilidade pela sua vida, sua saúde, sua felicidade. Vai precisar cuidar de você!

Observe se tem feito algo para você, que te traga tranquilidade, que te relaxe um pouco, que te motive. Se não faz, busque alguma coisa? Isso nos ajuda a recarregar as energias.

Reveja as suas responsabilidades. Tem tarefas que a gente pode delegar. Aliás, tem tarefas para as quais a gente pode pedir ajuda, sabia?

Ouça-se, sinta-se e respeite-se.

E pra finalizar, quero dizer que adoraria ter uma solução mágica pra ajudar as pessoas a se sentirem melhores, mas não existe. Então, te recomendo a coisa que hoje eu seu que funciona: falar!

Procure alguém que te ouça. Te acolha. Te ajude a encontrar o melhor caminho pra seguir a vida. Se precisar de ajuda pra encontrar esse alguém, a gente pode ajudar 😉

Advertisements
Raquel Ferreira
CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Participe, queremos ler o que você tem a dizer