Anúncio
1 min de leitura · 
Expectativa de fazer um doce versos a realidade dele pronto.

Quem nunca criou expectativas que atire a primeira pedra! Opa, não vejo nenhum movimento (rsrsrs)

Pois é, não criar expectativas é uma coisa bem difícil, sabemos que não faz bem, que acaba atrapalhando um pouquinho a vida, mas como é que faz pra não criar?

Sinceramente, desconheço a fórmula e confesso ser eu mesma uma grande vítima das expectativas que acabam frustradas, porque é aí que mora o problema.

Você planeja, idealiza, se programa, faz de tudo pra coisa sair conforme você espera, mas eis que o destino muda tudo e você fica lá, chorando por algo que não foi. Acontece que por estar chorando, talvez você não perceba que a coisa saiu boa, que aconteceu, não como você planejou ou esperou, aconteceu diferente, mas pode ser que esteja tão boa quanto ou melhor do você imaginou.

Então o segredo é esse, não dá pra NãO criar as benditas expectativas, mas dá pra estar aberta(o) à novas possibilidades. Dá pra se deixar surpreender pelas coisas, pela vida. Dá pra deixar os planos irem se moldando e se adaptando aos poucos, com paciência.

Sobre saber esperar 

Pode criar, planejar, esperar, só não vale ser inflexível, sofrer com aquilo que não se pode controlar. Não vale deixar de planejar também, na intenção de banir a frustração da vida. Gente que não planeja não chega à lugar algum, não cresce, não amadurece.

Não dá pra viver sem expectativas, mas dá pra ser flexível quando elas saem do planejado

E é isso, caiu, levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima. Busca compreender o que saiu do planejado, se foi melhor, pior, neutro. Busca aprender a como ser melhor, a como não sofrer tanto.

Busca o auto-conhecimento, pra saber como lidar com os seus pensamentos e sentimentos e pra saber sintonizar isso tudo com o que a vida te proporcionar 😉

Atenção:

Em breve faremos o lançamento do site e gostaríamos muito de avisar você visitante. O site Psico.Online será uma plataforma inovadora para encontrar e falar com um psico. Preencha seus dados abaixo e continue prestigiando nossos posts! 🙂

O quanto este post foi útil para você?

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Share
Published by
Raquel Ferreira

Recent Posts

Quando paramos de nos preocupar com os outros…

Quando paramos de nos preocupar com os outros, a primeira vista, idealizamos que nossa vida melhoraria. Olha, preciso dizer, isso…

2 semanas ago

Infelicidade: me apeguei a ela e agora?

Infelicidade é a palavra felicidade com o prefixo de privação ou negação. Pode ser compreendida como o oposto da felicidade.…

2 meses ago

Masturbação Infantil: não fique na mão com o assunto.

Esses dias respondi algumas perguntas sobre Masturbação Infantil para o site bebe.com.br e, como eles não utilizaram todo o conteúdo,…

2 meses ago

E quando sobra pra gente?

"Sobra pra gente" o que sobrou pra você ou para mim? Quem nunca levou "uma" sem nem ao menos estar…

2 meses ago

Escutar, ouvir e falar. O que você tem feito?

Ouvir ou escutar remete a ações muito parecidas. Muita gente sabe a diferença, mas no dia a dia — pelo…

2 meses ago

Será que eu sou gay?

Gay, homosexual, será que meu interesse sexual é assim ou assado? Lembro da primeira vez que vi essa pergunta por…

2 meses ago

This website uses cookies.