pedir um tempo na relação

Pedir um tempo: isso funciona?

3 min de leitura · 

Pedir um tempo… “tempo, tempo, tempo, tempo, és um dos deuses mais lindos” (sim, eu escrevi essa frase cantando) 😛

Se você nunca passou por essa situação talvez seja difícil opinar, mas certamente tem uma ideia à respeito do tal tempo nos relacionamentos, não? Pois bem, será que existe uma fórmula certa sobre a função desse afastamento entre os casais? Bora pensar:

pedir um tempo casal de costas um pro outroGeralmente pedimos um tempo quando algo parece ter saído dos eixos, quando uma confusão invade nossa cabeça, quando não temos mais clareza dos nossos objetivos e nos sentimos mal por fazer o outro sofrer com essa bagunça toda ou ainda, quem sabe, achamos que o outro é o causador disso tudo 🙁

Tem gente que acha que dar um tempo é sinônimo de fim do relacionamento, mas eu te digo que isso depende muito, que varia de caso para caso, até porque, cada ser é único nesse universo e não tem uma receita de bolo que funcione igualzinha para todo o mundo.

Pode ser que isso te interesse:
Parem de ser mimados e lutem pelos seus relacionamentos
Opressão no relacionamento

Partindo desse princípio, se você tem dúvida sobre dar um tempo, considere os seguintes critérios:

  • Já conversei com meu parceiro/parceira sobre esse incômodo?
  • Sei o que me causa esse incômodo?
  • Ainda sinto que amo essa pessoa, mas está muito difícil manter a relação?
  • Amo essa pessoa, mas ela me faz sofrer por X motivo?
  • Estou confusa/confuso em outras áreas da minha vida (profissional, social…)?
  • Sinto que não temos mais conexão, embora ainda haja amor?
  • Acabou o respeito entre nós?
  • Eu realmente não o/a amo mais?
  • Já tentamos “todas” as possibilidades para salvar a relação?

Dependendo das respostas que você foi se dando, pode ser que o tempo funcione pra você refletir um pouco, avaliar melhor as possibilidades, sem a pressão de ter que responder ou cuidar de alguém.pedir um tempo casal na cama

Pode ser que você se deu conta, pelas suas respostas, de que realmente não tem mais como seguir em frente, mas você tem medo de se sentir só, de abandonar o suposto amor da sua vida, de se arrepender. Lembre-se de que nada é para sempre nesse mundo, nem imutável.

Pode ser também que você acredite na relação, mas simplesmente não sabe onde se perderam um do outro e acredita que será impossível encontrar a resposta ou pode ser ainda, que talvez perceba que tudo não passou de uma confusão e você não deve mexer em nada.

Tá vendo, por isso que pedir um tempo varia de casal pra casal. É uma coisa que precisamos sentir e refletir, antes de agir!

A melhor maneira de tentar resolver o incômodo é conversando com o par, abrindo o jogo, mesmo que seja pra falar que a sua cabeça tá uma bagunça e juntos, vocês chegarem à uma conclusão. Damos ou não damos esse tempo?

Leia também
Sobre relacionamentos perfeitos

Quando a gente pede um tempo, geralmente o outro alguém sofre um pouquinho mais, mas lembre-se, se você for esse outro alguém, use o tempo pra pensar também, pode ser que você esteja numa zona de conforto e nem se percebeu perdido/a na relação.
Aproveitem o tempo pra revisar os pontos fortes e os fracos, façam uma análise sincera de quem é a outra pessoa para você, de quais são os seus medos, expectativas ou angústias sobre essa pessoa. Aproveitem pra reviver momentos que a vida à dois já não permitia mais, fazer coisas sozinhos, falar com amigos que ficaram esquecidos pelo caminho.

casal juntos no marÀs vezes vamos nos perdendo de nós mesmos nas relações, nos esquecendo em função do outro e assim vai ficando inviável continuar ao lado de alguém sem antes nos resgatarmos. Se acha que precisa de ajuda pra tomar essa decisão, não exite em procurar por um psicólogo, ele pode te ajudar a clarear as ideias e quem sabe, vocês nem precisem de um tempo 😉

Atenção:

Em breve faremos o lançamento do site e gostaríamos muito de avisar você visitante. O site Psico.Online será uma plataforma inovadora para encontrar e falar com um psico. Preencha seus dados abaixo e continue prestigiando nossos posts! 🙂

Você vai gostar de ler também:

Raquel Ferreira
CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Participe, queremos ler o que você tem a dizer