Anúncio

Um natal especial e cheio de emoções

0
(0)
1 min de leitura · 

Faz alguns bons anos que não passo o natal com a minha família, na verdade nem me lembro qual foi o último ano em que isso aconteceu. Depois que a gente cresce, pelo menos eu, passa a não dar mais tanta importância para essa data. Aproveita pra viajar, pra ir pra balada com os amigos ou qualquer coisa, menos estar com quem a gente ama.

E depois de tanto tempo não me importando, nesse ano, em que eu moro far far away (tão tão distante), senti uma necessidade enorme de vir passar com a minha família e cá estou e que feliz isso.

Pude perceber que não preciso de grandes festas, nem de roupa nova, nem de presentes pra me sentir bem. Só preciso estar cercada de pessoas que amo, dar boas risadas, ouvir como eles tem vivido sem mim, como as crianças crescem vertiginosamente e como tudo segue, do mesmo (ou quase) jeitinho que deixei quando cruzei o oceano.

Percebi também que ouví-los e estar perto é o melhor presente que eu poderia dar a eles e isso me fez pensar em como a felicidade é simples e está em coisas simples.

Queria que você pudesse sentir o que estou sentindo hoje. Aliás, espero de coração que esteja.

Que possa compreender também, que a felicidade está em sentir-se em paz, em trocar abraços, conversas, energias. Que não precisamos de uma data marcada pra isso acontecer, que qualquer momento é momento de amar, festejar, agradar, ouvir, respeitar, sentir.

Que a gente tenha dias lindos pela frente e que essa tal de magia do natal reverbere por todo o ano e a gente consiga manter a consciência da importância dos vínculos.

Feliz natal, felizes abraços, felizes sorrisos, feliz paz no coração!

O quanto este post foi útil para você?

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Leave a Comment
Share
Published by
Raquel Ferreira

Recent Posts

Informação e imaginação na nossa ansiedade

Informação e imaginação tem ações concretas na nossa ansiedade? O quanto nossas informações e o…

1 mês ago

Vão se os anéis, ficam-se os dedos

Cá com meus botões, pensando, enquanto procuro uma entrevista de Noam Chomsky, onde ele fala…

2 meses ago

Criticar o outro, fala mais sobre você.

"Nós não vemos as coisas como elas são, nós as vemos como somos ", disse…

3 meses ago

Quando paramos de nos preocupar com os outros…

Quando paramos de nos preocupar com os outros, a primeira vista, idealizamos que nossa vida…

5 meses ago

Infelicidade: me apeguei a ela e agora?

Infelicidade é a palavra felicidade com o prefixo de privação ou negação. Pode ser compreendida…

6 meses ago

Masturbação Infantil: não fique na mão com o assunto.

Esses dias respondi algumas perguntas sobre Masturbação Infantil para o site bebe.com.br e, como eles…

6 meses ago

This website uses cookies.