Arquivo da tag: reflexão

adversidades, problemas, desafios, piper, curta metragem, passarinho

Adversidades, problemas, desafios e as transformações que sofremos

0 min de leitura

Quantas vezes já falamos que a gente não amadurece se não passar por adversidades, problemas, desafios? Várias vezes, é só dar uma busca no blog que você acha, mas hoje a gente encontrou um curta-metragem, que mostra exatamente isso.

É um curta da Pixar que você precisa assistir com muita atenção e assimilar de uma vez por todas que não é porque enfrentou uma “onda de problemas”, que agora vai se esconder e esperar que alguém resolva tudo. Continue lendo

maus tratos, criança assustada, boneca, boneca de pano, criança abusada, abuso infantil, violência infantil

Maus tratos e a raiva nossa de cada dia

2 min de leitura

Hoje me deparei com uma matéria sobre uma mãe que maltratava e deixava que outras pessoas abusassem de sua filha de 7 anos. Ao ler, minha primeira reação foi de raiva, assim como a da maioria das pessoas. Dá um nó na garganta, uma vontade de vomitar, de esganar uma pessoa dessas.

Mas ao final da matéria eu estava compadecida dessa mãe, pensando nos motivos que a levaram a permitir e a cometer tamanha atrocidade. Continue lendo

natal, noite de natal, papai noel, presentes, navidad, ceia de natal

Presentes de natal: já escolheu os seus?

0 min de leitura

Amanhã já é natal, a noite tão esperada para darmos e recebermos presentes. A noite onde comemos muito, bebemos e nos divertimos. A noite que preparamos para festejar com as pessoas mais próximas e especiais, assim esperamos.

Vamos compartilhar aqui um vídeo, está em espanhol, não tem legendas em português, mas achamos que dá pra entender o espírito da coisa e vai te ajudar a refletir um pouco mais sobre essas “entregas” de natal. Continue lendo

natal, renas, papai noel

O natal e suas renas estressantes

2 min de leitura

Ah o Natal!

Bem vindos as festas de Natal. Essa espiral de compras (muitas sem sentido, precisamos admitir) que além de bagunçarem com as nossas economias ainda são uma fonte de estresse, o que pode provocar o ódio de muita gente pela data.

Vamos analisar o que acontece para que uma ocasião de festas e celebrações familiares se converta num período de agonia e dar algumas dicas para salvar você do sofrimento. Continue lendo

reflexão, pessoa pensando, pessoa na janela, refletir, amadurecer, crescimento pessoal

A falta de reflexão e o mal que nos consome pelas beiradas

2 min de leitura

Essa semana estava na faculdade, numa conversa informal com meus colegas psicólogos e comentávamos sobre a falta de reflexão das pessoas. Essas reflexões que as vezes são tão básicas e tão primitivas, mas que por algum motivo, abandonamos no canto escuro do armário.

As reflexões que nos ajudam a crescer, a amadurecer, mas que por comodismo esquecemos de usar. Dá trabalho pensar, dá trabalho estudar, dá trabalho desenvolver um raciocínio lógico e um pensamento estruturado. Dá trabalho ser alguém melhor. Continue lendo

o que poderia ter sido, gratidão, pensamento, refletir, pessoa sentada olhando mar

O que poderia ter sido…

1 min de leitura

Sempre nos perguntamos sobre “o que poderia ter sido”…

Passamos um bom tempo pensando sobre as coisas boas que não nos aconteceram, que não vivemos. Mas, o que acontece com as coisas boas que sim, aconteceram, mas que nem sequer pensamos sobre? Imaginemos se nunca tivéssemos conhecido nossx namoradx, nossa melhor amiga ou amigo ou que nunca tivéssemos conseguido esse trabalho. Como seria a vida sem algumas dessas coisas que à princípio não damos tanta importância? Continue lendo

sábio, velho chinês, sabedoria, reflexão

O sábio, suas respostas e o que devemos compreender

1 min de leitura

Alguém perguntou à um sábio:

Sábio o que é o veneno?

O sábio respondeu: Qualquer coisa que seja mais do que necessitamos, é veneno.

Pode ser o poder, a riqueza, a fome, o ego, a cobiça, a preguiça, a luxúria, a ambição, o ódio ou qualquer outra coisa.

Continue lendo

misturas

As misturas que fazemos e as consequências que colhemos

2 min de leitura

Existe um costume, humano, por certo, de misturar tudo. Então não pode ser estranho, que quando tenhamos um problema e precisamos de uma solução, surjam vozes de todos os tipos, que vão se incorporando a nossa mente e claro, misturando tudo.

É certo que para avaliar de maneira satisfatória a qualquer fenômeno, dificuldade ou acontecimento, precisamos de uma visão ampla, generosa e se possível, neutra, mas quem é que consegue assim, tão fácil Continue lendo

por que o haiti não aparece na mídia, furacão haiti, furacão flórida, haiti, desespero, devastação

Por que o Haiti não aparece na mídia?

1 min de leitura

Há alguns dias o furacão Matthew vem causando um verdadeiro estrago no Haiti, mas para a nossa surpresa ou espanto, sei lá, não rolou hashtag relacionada à isso, ao contrário do que ocorreu no ano passado pelo atentado em Paris #PrayForParis.

Mas por que o Haiti não aparece na mídia?

Claro que existem inúmeras respostas, mas uma delas nos faz pensar em como muitas vezes somos hipócritas e como precisamos ter cuidado para não endurecer. Continue lendo

Quem sou eu? I am nature (Eu sou natureza)

0 min de leitura

Eu sou a natureza.

por Alex Eslam, escrito por Die Rabauken.

Eu não sou a ligação perdida do meu chefe.
Eu não sou o número de e-mails lidos em minha caixa de entrada.
Eu não sou minha lista de tarefas pendentes.
Eu não sou do tamanho do meu perfil do Facebook.
Eu não sou o fast food na minha hora do almoço

Sou

Eu sou os fios no meu cabelo
Eu sou a grama debaixo dos meus pés
Eu sou o vento soprando através das árvores
Eu sou a água que percorre os rios
A terra em minhas mãos
Eu sou o desejo que não pode esperar
Eu sou natureza

desapegar, abrir a gaiola e soltar os pássaros Natureza

Mais sobre a Natureza.

A doença de estar sempre ocupado

6 min de leitura

artigo original de Omid Safi traduzido por Raquel Ferreira. Ocupado? vamos falar sobre…

Faz alguns dias me encontrei com uma amiga. Perguntei como ela estava e como estava sua família. Ela virou os olhos, olhou pra cima e em voz baixa suspirou: “Estou muito ocupada… muito ocupada… muitas coisas por fazer…”

ocupado workaholic trabalhar demais

Pouco depois, perguntei a mesma coisa a outro amigo. De novo, com o mesmo tom, a mesma resposta: “Estou muito ocupado, tenho muito o que fazer.” O percebia cansado, exausto.

E isso não acontece só com os adultos. Quando nos mudamos há dez anos atrás, estávamos felizes por vir à uma cidade com bons colégios. Encontramos uma boa vizinhança, com muita diversidade de pessoas e muitas famílias. Tudo parecia muito bem.

Depois de nos instalarmos, fomos visitar um de nossos adoráveis vizinhos e perguntamos a eles se nossas filhas poderiam se conhecer e brincar juntas. A mãe, uma pessoa realmente encantadora, pegou seu telefone e começou a consultar a agenda. Passou um tempo deslizando os dedos na tela e ao final disse: “Tem um espaço de 45 minutos nas próximas semanas. No restante do tempo tem ginástica, piano e aulas de canto. Está muito ocupada.”

Os hábitos destrutivos começam cedo, muito cedo. Ocupado? seu filho?

Como acabamos vivendo assim? Por que fazemos isso com nós mesmos? Por que fazemos isso aos nossos filhos? Quando nos esquecemos de que somos “seres” humanos e não “fazeres” humanos?

O que aconteceu com o mundo onde as crianças se sujavam de barro, se perdiam no tempo e às vezes até ficavam entediadas?

crianças no computador

Que aconteceu com o mundo onde podíamos nos sentar com as pessoas que mais gostamos e ter longas conversas sobre nós mesmos, sem pressa por terminar?

Como criamos um mundo onde temos mais e mais coisas para fazer com menos tempo livre (em geral), menos tempo para refletir, menos tempo para simplesmente… ser?

Sócrates disse: “Uma vida sem reflexão, não merece ser vivida.”

Como supomos que podemos viver, refletir, ser ou convertermo-nos em humanos completos se estamos constantemente ocupados?

Essa doença de estar “ocupado” é destrutiva para nossa saúde e bem-estar. Reduz completamente nossa capacidade de concentração em quem gostamos e nos afasta de nos transformar no tipo de sociedade que tão desesperadamente desejamos.

Desde os anos 50 temos tido tantas inovações tecnológicas que nos prometeram deixar a vida mais fácil, mais rápida, mais simples. No entanto, hoje não temos mais tempo livre que algumas décadas atrás.

Para alguns de nós, “os privilegiados” as linhas entre trabalho e vida pessoal desaparecem. Sempre estamos com algum aparelho. O tempo todo.

Ter um smartphone, um tablet ou um notebook significa que deixa de haver a divisão entre trabalho e casa. Quando as crianças vão dormir, nós nos conectamos.

Uma das minhas rotinas diárias é revisar uma avalanche de e-mails. Estou constantemente enterrado debaixo de centenas e centenas de e-mails e não tenho nem a mais remota ideia de como parar isso. Já tentei diferentes técnicas: respondi só pela manhã, não respondi aos fins de semana, dizendo as pessoas para nos falarmos pessoalmente… mas seguem chegando os e-mails, em enormes quantidades: e-mails pessoais, e-mails de trabalho e até mesmo com os dois conteúdos num só. E as pessoas esperam uma resposta para estes e-mails. Agora, o resultado é que quem está muito ocupado sou eu.

A realidade é muito diferente para cada um. Para alguns, ter dois empregos em setores que pagam pouco é a única maneira de manter a família. Vinte por cento das crianças dos EUA estão vivendo em situação de pobreza e muitos de seus pais trabalham por salários mínimos, para ter um teto e um pouco de comida na mesa. Eles também são muito ocupados.

Os velhos modelos (incluindo a família nuclear com apenas o pai trabalhando, se é que isso existiu) se foram há muito tempo, para muitos de nós. Sabemos que a maioria das famílias estão separadas ou com ambos os pais trabalhando. Isso não funciona. Não tem que ser assim.

Em muitas culturas muçulmanas, quando você quer perguntar a alguém como ela vai, você diz em árabe, Kayf Haal-ik? ou em persa, Haal-e shomaa chetoreh? Como está o seu Haal?

O que é Haal? É uma palavra para obter informações sobre o estado transitório de seu coração. Na verdade, estamos perguntando: “Como está seu coração neste momento, neste mesmo instante? Quando perguntamos “Como está você?”, isto é exatamente o que queremos saber da outra pessoa.

Não pergunto quantas coisas você tem por fazer, quantos e-mails tem para ler. Eu quero saber como você está agora, nesse exato momento. Diga-me. Diga-me que o seu coração está feliz, diga-me que seu coração está doendo, que você está triste e que precisa de contato humano. Examine seu próprio coração, explora sua alma e depois me diga sobre eles.

Diga-me que você se lembra que você ainda é um ser humano, não apenas um “fazer” humano. Diga-me que você é mais que uma máquina completando tarefas. Mantenha essa conversa, esse contato. Tenha uma conversa saudável, aqui e agora.

Põe a tua mão no meu ombro, olha nos meus olhos e se conecta comigo por um segundo. Conte-me algo sobre o seu coração e desperta o meu. Ajuda-me a lembrar que eu também sou um ser humano que precisa de contato pleno com outros seres humanos.

Eu leciono em uma universidade onde muitos alunos se orgulham com o seu estilo de vida “estudar muito, compensa muito.” Este provavelmente poderia ser o resultado de boa parte do nosso estilo de vida.

Não tenho soluções mágicas. Tudo o que sei é que estamos perdendo a capacidade de viver uma vida plena.

Precisamos de uma relação diferente com o trabalho e a tecnologia. Nós sabemos o que queremos: uma vida com significado, um sentido de humanidade e uma existência justa. Não é só ter coisas. Queremos ser plenamente humanos.

celular

William Butler Yeats escreveu uma vez:
“É preciso mais coragem para espreitar os cantos sombrios de sua própria alma do que para lutar no campo de batalha.”

Como é que vamos examinar os cantos sombrios da nossa alma, se não temos tempo? Como podemos viver uma vida sujeita à exames?

Eu sou sempre um prisioneiro da esperança, mas eu me pergunto se estamos dispostos a pensar sobre como fazer e como viver de forma diferente. De alguma forma, precisamos de um modelo diferente de organização individual, social, familiar e humanitária.

crianças brincando

Crianças brincando ciranda-cirandinha. Organização social que gera diversão e faz muito bem.

Quero que meus filhos fiquem sujos, que sujem tudo e até mesmo que fiquem entediados. Quero ter um tipo de existência em que podemos parar por um momento, olhar para os olhos das pessoas, tocar um ao outro e perguntar como está seu coração?. Eu estou tendo tempo para refletir sobre minha própria existência; estou suficientemente em contato com meu próprio coração e alma para saber como me sinto e sei como expressá-lo.

Como está o seu coração hoje?

Deixe-me insistir em uma espécie de conexão humano a humano, na qual quando um de nós responde “estou muito ocupado”, podemos responder: “Eu sei. todos nós estamos, mas eu quero saber como está o seu coração. “