depressão, ansiedade

Depressão, ansiedade: como diferenciar?

2 min de leitura

Há algumas semanas atrás eu já havia respondido essa questão para alguém e agora ela apareceu na nossa Caixa de Segredos. Então, levando-se em consideração que mais gente deve ter essa dúvida, vamos aproveitar pra falar um pouquinho sobre esses dois tipos de manifestações de que algo não vai bem em nós.

Já esclarecemos bastante nesse blog que depressão não é frescura e que merece todo o cuidado necessário, para que a pessoa que está sofrendo com isso reencontre o sentido da vida e viva com qualidade. (mais…)

Você vai gostar de ler também:

mindfulness, depressão, ansiedade, descentramento, terapia alternativa

Mindfulness no tratamento da depressão e da ansiedade

4 min de leitura

# mindfulness, depressão ansiedade, descentramento

A sintomatologia depressiva e ansiosa tem importantes implicações no funcionamento das atividades de vida diárias e na qualidade de vida das pessoas. Os sintomas depressivos se caracterizam por um estado de ânimo depressivo, agitação ou letargia, fadiga, insônia ou hipersonia, sentimentos de inutilidade ou culpa excessivos, diminuição da capacidade para concentra-se, desesperança e pensamentos recorrentes de morte.

Os sintomas ansiosos por sua vez se caracterizam por um estado de antecipação à uma ameaça futura e seus sintomas são a incapacidade para baixar o estado de alerta, cansaço, dificuldade para pegar no sono ou para mantê-lo, tensão muscular, irritabilidade e dificuldade para controlar a preocupação que atua como ameaça (APA, 2013). (mais…)

Você vai gostar de ler também:

insônia, sono, falta de sono, dormir, dormir mal, noite em claro

Insônia: uma poderosa vilã da noite

2 min de leitura

Algumas pessoas tem insônias esporádicas, geralmente quando estão mais ansiosas ou preocupadas, mas para outras a insônia é uma velha amiga, que faz visitas diárias.

Existem várias causas para a insônia, dentre elas aparece o histórico familiar, a idade avançada, doenças orgânicas, uso de drogas e alguns distúrbios psiquiátricos como depressão ou ansiedade. (mais…)

Você vai gostar de ler também:

Na pele do outro: um exercício de empatia

4 min de leitura

Imagine-se na pele de alguém que você não gosta, na pele do outro, para um exercício de empatia (capacidade de projetar a personalidade de alguém num objeto, de forma que este pareça como que impregnado dela) e depois continue lendo.

A maioria consegue, já adianto; se você não conseguiu, é bom marcar uma conversa com um psicólogo ou uma psicóloga de confiança urgentemente para entender essa dificuldade, urgentemente mesmo e logo explicarei o motivo.

O post de hoje é sobre o vídeo abaixo, produzido para campanha do www.inter-lgbt.org e vai seguir a linha do soco no estômago que é ele, antigo até, de março de 2016 lançado sobre o nome “Le parcours” – O curso.

O vídeo trata da corrida que a minoria LGBT enfrenta, porém não falarei sobre o que o vídeo propõe, até por que fica claro o objetivo dele: mostrar o sofrimento e a resiliência pelos motivos que conhecemos além do quanto se precisa correr em direção a mudança cultural. (mais…)

Você vai gostar de ler também:

pensando nos sonhos

Sonhos: Em busca dos seus, sabendo que empreender é difícil

4 min de leitura

A psicologia corporativa é uma área que auxilia líderes e liderados que estão em busca dos seus sonhos e muitas vezes, mesmo os psicólogos e coachings envolvidos a encontrar o caminho para seus propósitos.

Sabe o motivo disso? Sozinho ninguém é forte o suficiente e todos, quase sem exceção, buscam a completude.

Em busca dos sonhos

(mais…)

Você vai gostar de ler também:

ansiedade, transtorno de ansiedade, fobia social, crise de pânico

Ansiedade, quem é essa tal?

1 min de leitura

Há quem sofra de ansiedade num nível inimaginável, gente que passa mal, não come, não dorme, é constantemente irritada.

Esse post vai pra mais uma resposta à Caixa de segredos.

A ansiedade é uma sensação ou um sentimento decorrente de excessiva excitação do Sistema Nervoso Central.

Ela pode variar desde pequena agitação emocional e/ou física, até o desencadeamentos de crises de pânico, com sintomas físicos bastante exacerbados.

Podemos estar ansiosos com a viagem que está chegando, com a apresentação do trabalho, com o casamento, teremos taquicardia, sudorese, insônia, perda ou aumento de apetite, tudo normal de acontecer.

O problema está quando esses sintomas são exagerados e nos impedem de executar determinadas tarefas, quando acabamos nos excluindo ou escondendo por medo da exposição.

A ansiedade em excesso acaba nos limitando e nos impedindo de seguir com a vida normal.

A boa notícia é que existem diversas possibilidades de tratamento, desde as mais alternativas, como yoga ou meditação, passando pela terapia, análise, psicoterapia, até as mais “intensas”, como o uso de medicamentos ansiolíticos, por exemplo.

Se você sofre com os sintomas da sua ansiedade, não deixe de procurar ajuda. Com os tratamentos adequados você poderá ter infinitas chances de mais qualidade de vida, de autocontrole e até de crescimento pessoal 😉

Você vai gostar de ler também:

sociofobia

Imagine ser alérgico a pessoas – sociofobia, um distúrbio social

3 min de leitura

No texto de hoje falaremos um pouco de um Transtorno Social polêmico: a sociofobia, ou a Alergia a pessoas. Como assim? Há estudos que indicam que uma série de características de timidez, quando em estado elevado de ansiedade, passa a ser classificada como uma patologia que deve então ser tratada, medicada e acompanhada.

O maior problema? Como diagnosticar e classificar uma fobia social de leve a grave? Veja bem, se você sofre de algum desses sintomas deveria procurar ajuda, mas não quer dizer que precise utilizar um rótulo. Um psicólogo online ou presencialmente, poderia auxiliar você a entender melhor o contexto e orientá-lo adequadamente, entendendo as angústias e ansiedades envolvidas no processo.

Mas é bom pensar: se você sofre de timidez é uma coisa, mas se isso começa a afetar o seu dia-a-dia exageradamente, porque não pedir auxílio? Vamos entender um pouco mais para poder decidir?

(mais…)

Você vai gostar de ler também:

Fotos que revelam como é ter problemas de ansiedade

2 min de leitura

Ansiedade: O fotógrafo John William Keedy explora temas de ansiedade e neuroses variados em sua série intitulada É Dificil falar a respeito. Examinando suas próprias lutas com ansiedade ao longo dos últimos anos, as fotos apresentam um olhar perspicaz em comportamentos que são considerados “anormais”, ao mesmo tempo desafiando ideias de normalidade.

O tema sério é abordado de uma forma intrigante, que oferece pequenas janelas para a vida das pessoas que sofrem de transtormos de ansiedade. Cada imagem é como um mundo de informação que revela um pequeno canto de um quadro maior.

Uma imagem mostra, por exemplo, inúmeros pacotes entregues a uma porta, sugerindo que é a residência de um indivíduo extremamente agorafóbico, encontrando dificuldade para tomar mesmo um passo para fora da porta. Outra mostra alguém preocupado, exageradamente, com a limpeza dos dentes. Confira e nos conte sua opinião a respeito.

Ansiedade para o tempo passar. Será que essa pessoa estava contando os dias?
A ansiedade de ver o tempo fluir. A hora não passa.

Confira outros posts no Psico.Online sobre ansiedade:


  
  
  
  

Confira também sinais que você pode sofrer de algum transtorno de ansiedade.

  1. Preocupação Excessiva
  2. Problemas com Insônia ou Dormir demais
  3. Medos irracionais
  4. Dores dos ombros e pescoço (tensão muscular)
  5. Indigestão crônica
  6. Sintomas de Sóciofobia
  7. Medo de falar em público
  8. Autoconsciência
  9. Pânico
  10. Flashbacks
  11. Comportamento Compulsivo
  12. Perfeccionismo exagerado.

Confira os sete passos para se livrar da ansiedade do psiquiatra Isaac Efrain:

Sete passos para se livrar da ansiedade:

1- Respire fundo, lenta e compassadamente pelo maior tempo que você for capaz, pois isto ajuda a desacelerar fisiologicamente o cérebro e, por consequência, a mente.

2- Entenda que quando um problema novo se configura a sua frente, a solução não está na sua mente, não está no seu pensamento, e sim no fato em si. Quando for possível, olhe para o novo, procure entendê-lo, aumente as suas informações e o seu conhecimento sobre ele. Não busque referências anteriores, pois isto aumentará a sua ansiedade. Se não for possível olhar para o problema procure não pensar nele, tente distrair a sua mente com outra coisa, brigue com ela para não pensar na entrevista e em suas consequências.

3- Aceite a falta de controle, abra mão da prepotência da sua mente, e entenda que não somos deuses superpoderosos que tudo podemos controlar. Uma parte de nossa vida tem que entregar a Deus, ao destino, à sorte e… Seja o que Deus quiser…

4- Problemas e novidades se resolvem com ação e não com pensamento, é preciso fazer o melhor que está a nosso alcance, focado, ligado no real. O que está além do nosso melhor esforço não podemos controlar.

5- Aceitar a possibilidade de perder, não querer ganhar a qualquer custo, pois isto acelera a mente e aumenta e muito a chance de derrota.

6- Aceite conviver com a insegurança quando ela surgir a sua frente. Não queira se livrar dela. Não tenha pressa. Quanto mais você aceitar conviver com a insegurança, mais calmamente ela irá embora e mais a sua mente e acalmará. Quanto mais você tentar se livrar dela, mais ela se tornará ansiedade.

7- Não se deixar enganar pela mente. Quando ela ficar buzinando internamente que o pior vai acontecer, usar as palavras mágicas: ” Seja o que Deus quiser…”.

Você vai gostar de ler também:

Saber Esperar: Quem espera (quase) sempre alcança!

3 min de leitura

É preciso saber esperar…

Esperar o momento certo é sinal de calma e maturidade. A precipitação nos leva a tomar decisões errôneas muitas vezes. Você já tem isso desenvolvido dentro de si? Sabe usar o tempo a seu favor?

Eis aí um verbo que até hoje tenho dificuldade em colocar em prática: esperar. Mas de fato é preciso aprender a esperar ao longo da vida. Antes que alguém reclame, não estou me referindo ao termo “acomodação”. Falo da espera no sentido de não atropelar céus e terra ou emoções diversas a ponto de dar lugar à ansiedade que cega a percepção.

meme saber esperarMais uma vez esta semana um simples acontecimento doméstico, cotidiano, me fez pensar a respeito disso e perceber que sabendo “esperar”, no tempo certo, as coisas entram nos eixos como uma colega de trabalho me disse. O fato em si resume-se basicamente em que esperei para comprar um determinado objeto que precisava e neste meio tempo obtive-o sem precisar comprá-lo. Se tivesse sofregadamente comprado teria gasto dinheiro desnecessariamente, o que neste momento me faria falta.

(mais…)

Você vai gostar de ler também:

Conheceça os sinais que indicam que você precisa falar com um psico

8 min de leitura

Você precisa falar: Não é tão ruim quanto parece. Falar com um psico ou iniciar uma terapia é tão importante quanto fazer um checkup para verificar se o coração e o colesterol estão em dia, mas sejamos sinceros, fazer terapia ainda (e infelizmente) é raro, mal-visto ou no mínimo, fora do comum.

Tudo começou quando éramos pequeninos, quando alguém da nossa escola ia para a sala do psicólogo quando “estivesse aprontando demais” ou quando vimos alguém que teve um problema que consideramos grave, ser dirigido para um especialista. A partir daí, nossa imagem de terapias, psicólogos adquiriu uma relação que precisamos mudar.

A primeira coisa que você precisa saber é que um psico NÃO é sinônimo de melhor amigo, e que fazer terapia não significa felicidade instantânea.

Consultar um psico se trata de buscar apoio de um profissional capacitado, que estudou no mínimo 5 anos e que te oferecerá ferramentas para lidar com os problemas que se apresentam e se apresentaram em toda sua vida.

É um processo longo que pode durar meses e em alguns casos, anos.

No caminho você descobrirá partes suas que não gosta e recordará de momentos difíceis da sua vida.

Mas quando considerar buscar ajuda psicológica ou falar com um psicólogo para fazer terapia?

Há momentos na vida que adotamos certos hábitos ou começamos a nos comportar de uma forma que não poderíamos dizer que seja a mais saudável. Isto posto, o que deveria ser “normal” deixa de ser e as coisas parecem não fazer muito sentido.

Por isso mesmo, nunca será exagerado recorrer a um profissional especialista quando uma das seguintes situações se apresentar:

(mais…)

Você vai gostar de ler também:

7 dicas para uma vida melhor

Quando a vida passa rápido demais

1 min de leitura

Já parou para observar como ultimamente os anos parecem passar mais rápido? Nem bem começou 2016 já estávamos pensando no carnaval, na páscoa, nas férias de julho, nas férias de 2017!

tempo

É surpreendente perceber que um ano parece passar em menos de 3 meses, são 365 dias para aproveitar, mas será que você tem feito isso? APROVEITADO?

Pois bem, aqui vão algumas dicas pra te ajudar a sentir mais a vida, pausar um pouquinho o tempo e observar a si mesmo, com carinho e amor:

(mais…)

Você vai gostar de ler também:

30 anos

Crise dos 30: E se eu chegar aos 35 sem estar com a vida resolvida?

3 min de leitura
Por Ruth Manus 

É o princípio do fim?

Já ouvi falar que a crise dos 30 é pior do que a crise dos 40. Não sei, por enquanto vou lidando com as crises dos 27. Mas sinto que há realmente algo de estranho no ar. As pessoas fazem 30 e alguns anos e parecem começar a achar que estão automaticamente com a corda no pescoço. Acham que já deveriam ter formado família, já deveriam ter ficado ricos (ou pelo menos construído um bom patrimônio) e resolvido qualquer outro penduricalho da vida.

Parece que os 30 deixaram de ser a linha de largada para a vida e passaram a ser uma espécie de reta final, como se os 40 fossem o princípio do fim.

Ontem conversava com uma colega do doutorado de 33 anos, que se julgava atrasadíssima na vida, por não estar plenamente satisfeita com a carreira e por ter terminado há uns meses o relacionamento no qual ela apostava todas as suas fichas. Nós temos 6 anos de diferença e ela se referia a mim como uma jovem na flor da idade e a ela como alguém já quase sem esperanças. Os 6 anos subitamente se transformavam em 20.

É engraçado como as pessoas aceitam que os tempos mudaram para muitas coisas: tecnologias, carreira, viagens, planos. Mas ainda se cobram um ritmo de vida semelhante ao de seus pais. Quantas vezes ouvimos “na minha idade, meus pais já tinham 2 filhos e 10 anos de casados…”. Lindo, gente. Mas é a história deles, não a nossa.

Outro dia, a amiga mais bonita que tenho, do alto dos seus anciões 34 anos, me perguntou “Rú, mas você sinceramente acha que um dia eu ainda vou encontrar alguém?”. Amigos normais diriam “Claro! Lógico que vai!”. Eu só consegui dizer “Vá à merda.”. Deus do céu! Ela é deslumbrante, ridiculamente inteligente, ganha rios de dinheiro, divertida e, depois de um divórcio e de ver os 35 anos se aproximando, parece ter se colocando num posto de derrota e ceticismo. Duas semanas depois ela encontrou um engenheiro bonitão estrangeiro e estão felizes da vida. Fiquei satisfeita por tê-la mandado à merda.

O lance é que as pessoas só sabem se comparar com os amigos que formaram a vida de propaganda de margarina. Não se comparam com o amigo divorciado e sem grana, com a colega de trabalho que tá rica e nunca sai com ninguém, com o primo que tem uma família linda que não consegue sustentar, com a chefe que tem um casamento feliz, mas que não está nada feliz com a carreira… Enfim, com os pobres mortais, como todos nós.

E muita gente nem para para se questionar se quer mesmo a vida de propaganda de margarina. Se realmente quer formar família, comprar um Corolla prata e trabalhar de roupa social. Se quer, beleza, vá atrás. Se não, vá atrás do que te faz feliz. Mas acima de tudo: vá com calma.

Eu sei que tem preocupação com o relógio biológico, com as demandas do mercado, com as expectativas dos que nos cercam… Mas eu peço aos meus amigos trintões que simplesmente parem de achar que estão velhos, atrasados, devedores do tempo. Vocês estão no auge, no início da caminhada, são credores da vida.

E pode até ser que eu aos 35 tenha essa mesma crise. Mas espero lembrar que 35 é pouco. Que 38 também. E que os 40, definitivamente, não são o encontro com a morte, à beira do abismo. Espero lembrar que a vida não é para ser uma corrida contra o tempo. Que a gente tem que ir andando, dando umas reboladas, umas tropeçadas e tal. E vai rindo, vai pensando, vai vivendo. Vivendo. Porque enquanto o futuro tá lá, a vida tá rolando aqui.

Você vai gostar de ler também: