Anúncio

Religião, política, futebol e psicologia

0
(0)
8 min de leitura · 

Religião, política, futebol e psicologia não se discute. Mentira, se discute sim!

Mas a pergunta é: por que você paciente ou cliente de um psicólogo precisa saber de algumas particularidades do seu profissional para cuidar da sua saúde mental e emocional se e somente se, a consulta é sobre você?

O que isso vai mudar? Por que essa necessidade de “controle” que não é necessariamente controlável?

Seu psico não pode (ou não deveria) deixar crenças particulares interferirem diretamente sobre o que você vai levar na consulta.

No post Conversar com amigo: por que é diferente de fazer terapia? já falamos um pouco sobre a diferença entre ir ao psicólogo e ir bater um papo numa roda de amigos e, na última semana, falamos sobre isso no nosso Twitter, Instagram e Facebook .

O post  tá na integra abaixo, continuaremos mais um pouco no assunto, até por que tivemos alguns relatos que são assustadores!

 

Depois desse post, claro, alguns relatos sobre profissionais que se deixam levar por suas vidas particulares durante a sessão apareceram, então resolvemos retornar no assunto.

Psicólogo pode falar sobre religião?

Claro que pode.

Psicólogo fala de tudo. Pesquisa tudo. Tem interesse por tudo. Aliás grandes autores da psicologia estudaram profundamente a religiosidade.

Religião é um assunto que pode e deve ser discutido com o seu psicólogo, mas não quer dizer que ele tenha que contar no que ele acredita para você.

Lembre-se, você está lá para trazer as suas demandas, os seus assuntos e realizar um tratamento, não o contrário.

Quer dizer que o profissional vai então desconstruir a sua fé?

Claro que não.

Quer dizer então que o profissional vai concordar com você?

Claro que não também, senão ele não estará fazendo um bom trabalho.

O psico está ali para trabalhar com você e por você. Para tocar em pontos que podem incomodar. Para acolher quando você precisar. Para analisar e entender os limites, o ambiente, suas “neuras” e também o que você nem por um segundo pensou que pudesse estar influenciando no processo.

As crenças particulares dos profissionais que atendem devem servir para o profissional, assim como a experiência dele. A maior preocupação do profissional durante a sessão é você.

E a conversa deve fluir no sentido que atenda a sua necessidade.

A sua necessidade gira em torno do seu circulo religioso e de crenças? O profissional questionará. É assim que uma entrevista e que a conversa segue, com perguntas, respostas, com pontos em comum e pontos díspares.

Mas quero um psicólogo que pense e acredite no mesmo que eu.

Ótimo, tudo bem querer isso. Mas o que você quer é o que você precisa?

Vai talvez (e isso é um suposição) facilitar a comunicação entre vocês, mas de novo: é disso que você precisa?

Quando você vai ao dentista, ao médico, ao advogado você escolhe somente aqueles que tem a mesma fé que você, que pensam igual, que acreditam na mesma coisa? Você tem certeza disso?

Precisaríamos compreender o quanto isso é bom e o quanto isso é prejudicial para você.

Em um atendimento psicológico você e o profissional precisam de confiança, e também compreender o que está além da superfície da conversa, será mesmo que um profissional que pense e acredite no mesmo que você fará a conversa render ou será mais do mesmo?

Será que isso fará com que vocês continuem ou travem?

O que podemos dizer é que, a psicologia é uma ciência que é laica. Que deve considerar o indivíduo, a sociedade, suas crenças e sua religiosidade, e trabalhar com a individualidade e com o contexto.

O mesmo vale para política e futebol.

Psicologia e política

O psicólogo é um profissional que está inserido em diversos contextos da sociedade. Há profissionais que trabalham na clínica, fazendo atendimento no consultório. Há psicólogos que trabalham com a sociedade, trabalhando grupos, comunidades, políticas.

A politica é uma ciência que trabalha o ser humano, e a psicologia também, logo é normal existir conjunções e oposições.

Há tantas linhas na psicologia quanto partidos políticos, pois são caminhos que agrupam por credos “aquilo que você crê e busca”.

E mais uma vez caímos no mesmo discurso. Qual o objetivo? O que você precisa?

Qual diferença faz para você se o seu psicólogo é de uma determinada origem ideológica? Vocês farão um projeto politico para criação de uma lei que trabalha interesses dos clubes de futebol A e B? Então escolher o profissional que torça no mesmo time, tenha os mesmas diretivas politicas que você faz sentido, mas e na sessão de terapia?

Você vai trabalhar o que?

Qual o objetivo que levou você ao profissional?

A postura do psicólogo

No post que fizemos nas redes sociais afirmamos que os profissionais que se auto denominam psicólogo [inclua uma religião aqui] só o fazem para atrair mais pessoas para o seu atendimento.

Também afirmamos que os profissionais que fazem isso, estão esquecendo das aulas de sociologia, de antropologia, de ética e de métodos e pesquisa científica.

A psicologia é uma ciência e como ciência pode e deve abraçar vários pontos de vista, mas esses pontos de vista não devem interferir no manejo e nem no trato com o paciente e cliente.

Você psicologo que leu até aqui, quando se entitula de A ou B sem ser uma especialidade, qual o seu objetivo?

O Psicólogo e a religião

Há um trabalho imenso disponibilizado no CRP SP (Conselho Regional de Psicologia) que fala sobre a Psicologia e a Religião, um trabalho marcado com a ética – recomendo que leiam: http://www.crpsp.org.br/diverpsi/arquivos/josehenrique.pdf

O cliente a religião, a política e o futebol

Psicólogo precisa falar de tabus. Precisa falar de assuntos que as pessoas não querem falar. Precisa acolher quando necessário e precisa questionar com intervenções embasadas em ciências e estudos quando for necessário.

O cliente pode ser e crer no que ele bem entender, assim como trazer o assunto que quiser para o psicólogo. É a necessidade do cliente que está diante do psicólogo.

Não vale dizer: eu acho isso, eu acho aquilo, e ainda ignorar o impacto que o profissional tem na vida do cliente.

O psico que mistura os canais tá errado, tá confundindo sua posição e precisa levar isso para seu supervisor, para seu psicólogo e tratar na sua análise ou terapia, assim como o paciente trata a sua demanda com você.

Diante de um outro ser humano, seja um ser humano. Mas não jogue fora o seus estudos, seus métodos, práticas e ética.

O quanto este post foi útil para você?

Psico.Online

Psico Online - Psicólogas e Psicólogos 24 horas rápido, fácil e descomplicado. Psicologia Online para acolhimento psicológico. Somos uma plataforma de acolhimento psicológico 24 horas, ligando clientes e psicos, de maneira fácil e descomplicada. Reunimos profissionais da Psicologia, psicólogas e psicólogos, que oferecem orientação psicológica a fim de facilitar o acesso de pessoas que buscam auxílio profissional psicológico, em questões emocionais, de relacionamento, profissionais, autoconhecimento e saúde mental, de forma simples e rápida.

Share
Published by
Psico.Online

Recent Posts

Quando paramos de nos preocupar com os outros…

Quando paramos de nos preocupar com os outros, a primeira vista, idealizamos que nossa vida…

2 meses ago

Infelicidade: me apeguei a ela e agora?

Infelicidade é a palavra felicidade com o prefixo de privação ou negação. Pode ser compreendida…

3 meses ago

Masturbação Infantil: não fique na mão com o assunto.

Esses dias respondi algumas perguntas sobre Masturbação Infantil para o site bebe.com.br e, como eles…

3 meses ago

E quando sobra pra gente?

"Sobra pra gente" o que sobrou pra você ou para mim? Quem nunca levou "uma"…

3 meses ago

Escutar, ouvir e falar. O que você tem feito?

Ouvir ou escutar remete a ações muito parecidas. Muita gente sabe a diferença, mas no…

3 meses ago

Será que eu sou gay?

Gay, homosexual, será que meu interesse sexual é assim ou assado? Lembro da primeira vez…

3 meses ago

This website uses cookies.