Anúncio
Categories: Reflexões

Quando não estamos ouvindo

0
(0)
2 min de leitura · 

Quando não estamos ouvindo muita coisa acontece e passa desapercebida.

Uma das principais qualidades do ser humano é a capacidade de ouvir, de se sintonizar a alguma coisa ou a alguém em um estado inconsciente através da audição.

Quando nos propomos a ouvir, nos ligamos àquilo; nos tornamos parte de um conjunto.

Não é a toa vamos a uma audição pública para ouvir alguém que gostamos, ou que em uma audiência, nos coloquemos na posição de ouvintes de um determinado assunto.

Essa ligação é algo abstrato, difícil de explicar mas que a psicologia define de diversas maneiras em suas diversas linhas.

Parte de um trabalho psicológico passa por “estar ouvindo”.

Ouvindo conseguimos, além da sintonia, afetar e sermos afetados por esse momento.

Passamos a processar a entrada da informação que recebemos em um estágio de atenção, que a velocidade ultrapassa nossas melhores medições.

Há uma frase que diz: ouvir é diferente de escutar.

O escutar é parte de um sentido, assim como o ver, o táctil, o deglutido. Já quando estamos ouvindo, focamos nossos esforços em parte desse processo de sentimento. Integramos. Agregamos. Direcionamos toda a energia que temos a essa percepção.

Quando não estamos ouvindo, avançamos falando, gesticulando; distantes ou sem nos importar. Para que né? Nosso mundo entretem, requisita a nossa presença – como falamos no texto anterior.

Quando não estamos ouvindo estamos ensimesmados.

Quando não estamos ouvindo perdemos a oportunidade de nos relacionar, de agregar conhecimento, empatia, de compartilhar tempo e momentos.

Muitas vezes estamos mais dispostos a falar, a responder, a interagir pois somos cobrados o tempo todo disso, mas o estar pronto para ouvir é de um valor incomensurável.

Quando não estamos ouvindo perdemos a oportunidade de agregar, de captar conhecimento de fontes distintas e de pensar nessas fontes. Quando não estamos ouvindo, atropelamos.

Mas e os surdos?

Os surdos podem ouvir, não poderiam, talvez escutar dependendo da deficiência que os atinge.

Quando o surdo se propõe a ouvir, ele tende a focar mais esforços para participar. Quem discorda que há surdos que escutam muito bem, mas não ouvem?

A adolescência é um momento que o ouvir é trocado, a criança, perdida na infância e que só ouvia seus pais e responsáveis, passa a ouvir o mundo.

Essa mudança os faz questionar, os faz buscar e, como muitos na nossa sociedade contemporânea, deixam de ouvir e passam a falar ou apenas a fazer.

Ao ler este post, de hoje, você se lembra algum momento que deixou de ouvir alguém que precisava disso?

O quanto este post foi útil para você?

Raul Oliveira

Psicólogo CRP 06/154.661 - Formado Psicologia e em Administração com ênfase em Marketing, workaholic geek que respira tecnologia, pesquisador e mestrando em tecnologias da inteligência e design digital. É um dos fundadores do Psico.Online e do MeuPsicoOnline.com.br

View Comments

Share
Published by
Raul Oliveira

Recent Posts

Quando paramos de nos preocupar com os outros…

Quando paramos de nos preocupar com os outros, a primeira vista, idealizamos que nossa vida…

2 meses ago

Infelicidade: me apeguei a ela e agora?

Infelicidade é a palavra felicidade com o prefixo de privação ou negação. Pode ser compreendida…

3 meses ago

Masturbação Infantil: não fique na mão com o assunto.

Esses dias respondi algumas perguntas sobre Masturbação Infantil para o site bebe.com.br e, como eles…

3 meses ago

E quando sobra pra gente?

"Sobra pra gente" o que sobrou pra você ou para mim? Quem nunca levou "uma"…

3 meses ago

Escutar, ouvir e falar. O que você tem feito?

Ouvir ou escutar remete a ações muito parecidas. Muita gente sabe a diferença, mas no…

3 meses ago

Será que eu sou gay?

Gay, homosexual, será que meu interesse sexual é assim ou assado? Lembro da primeira vez…

3 meses ago

This website uses cookies.