o que poderia ter sido, gratidão, pensamento, refletir, pessoa sentada olhando mar

O que poderia ter sido…

Sempre nos perguntamos sobre “o que poderia ter sido”…

Passamos um bom tempo pensando sobre as coisas boas que não nos aconteceram, que não vivemos. Mas, o que acontece com as coisas boas que sim, aconteceram, mas que nem sequer pensamos sobre? Imaginemos se nunca tivéssemos conhecido nossx namoradx, nossa melhor amiga ou amigo ou que nunca tivéssemos conseguido esse trabalho. Como seria a vida sem algumas dessas coisas que à princípio não damos tanta importância?

Pensar sobre o que “poderia ter sido” é tremendamente poderoso se o fazemos de maneira correta, ou seja, agradecendo por aquilo que temos. Recordar-se do que somos quem nos quer bem ou o que temos conquistado traz significado a nossa vida. Além de ser um poderoso método para estar no presente e desfrutar dele.

Te proponho um exercício para conseguir: Retire mentalmente algo ou alguém bom de sua vida. Imagina que já não está mais aí… Como seria sua vida?

É um bom momento para agradecer a essa pessoa, agradecê-la por estar aí, ou a você, por ser exatamente como é e por conseguir o que quer.

A gratidão gera uma emoção poderosa que nos ajuda a desfrutar do que temos, por menor que seja. E praticá-la aumenta a felicidade.

E aí, você já conseguiu ser grato hoje? Já conseguiu olhar ao redor e perceber que mesmo que as coisas externas à você não estejam tão bem, ainda assim você tem a chance de mudar o seu dia, a sua vida e a vida de mais alguém?

Seguir a vida reclamando e pensando só no que poderia ter sido é um veneno para a alma, pois é como se tudo o que enxergássemos fosse lama e não houvesse mais espaço para nascerem as flores, mas saiba que abaixo dessa tristeza, dessas incertezas, desses medos, tem terra fértil e você pode fazer diferente, fazer a diferença 😉

Retirado de Cámbiate Blog (traduzido e adaptado)

Clique para votar
[Total: 1 Average: 5]

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Gostaríamos de escutar o que você tem a dizer.

Rolar para cima