Anúncio

O amor não dói, nem machuca

2 min de leitura · 

A gente sempre ouve por aí alguém dizer “é tanto amor que chega a doer”. Como se para alguns, o sentimento fosse tão intenso que precisa ser acompanhado de dor e de fato, isso faz sentido. Ao colocarmos emoções tão intensas numa relação, o risco de que a dor exista é bastante alto.

Se falarmos de uma ruptura sentimental, a semelhança do que sentimentos é novamente com a dor. Parece que nos dói o coração. E, claro, é muito normal que a gente associe esse sentimento com o final de uma relação.

Mas será que não estamos indo longe demais ao identificar a dor produzida pelo amor com outros tipos de dor, como a física?

Um estudo realizado pela Universidade de Michigan confira que o cérebro reage a uma ruptura sentimental de forma similar de quando temos uma dor física. O fim do amo dói. E dó fisicamente, não só emocionalmente. É o que conclui o interessante estudo realizado pela equipe do psicólogo Ethan Kross.

Esses resultados dão um novo significado a ideia de que a rejeição dói. Essas emoções negativas que se produzem diante do fim de uma relação afeta definitivamente a saúde física. Se comprovou como o luto posterior aumenta o risco de um ataque cardíaco.

E, assim como a dor física, esse fenômeno afeta as pessoas de formas diferentes. Há quem tolere melhor o sofrimento e há os que estão muito mais vulneráveis à rejeição.

Mas, apesar de parecer tão romântico pensar que essa dor que sentimos quando estamos apaixonados seja algo normal, não é bem assim.

Como diz David Cain em seu blog Thought Catalog: O amor não dói. Se doer não é amor, é outra coisa. Medo. Apego. Idolatria. Vício. Dependência emocional. Mas amor não é. Porque o amor não nos faz sofrer, pelo contrário, nos deixa mais saudáveis, mais felizes.

Para concluir, ainda que em algumas ocasiões estar apaixonado possa parecer uma montanha russa emocional, o balanço final deve ser, sem erro, positivo. Para cada um de nós pode ser diferente, mas para todos, estar apaixonado deve sempre aumentar nossa saúde física e emocional.

Referências:
http://www.pnas.org/content/108/15/6270.full

Retirado de Cámbiate (traduzido e adaptado)

O quanto este post foi útil para você?

Psico.Online @sitepsicoonline

Psico Online - Psicólogas e Psicólogos 24 horas rápido, fácil e descomplicado. Psicologia Online para acolhimento psicológico. Somos uma plataforma de acolhimento psicológico 24 horas, ligando clientes e psicos, de maneira fácil e descomplicada. Reunimos profissionais da Psicologia, psicólogas e psicólogos, que oferecem orientação psicológica a fim de facilitar o acesso de pessoas que buscam auxílio profissional psicológico, em questões emocionais, de relacionamento, profissionais, autoconhecimento e saúde mental, de forma simples e rápida.

Share
Published by
Psico.Online @sitepsicoonline

Recent Posts

Quando paramos de nos preocupar com os outros…

Quando paramos de nos preocupar com os outros, a primeira vista, idealizamos que nossa vida melhoraria. Olha, preciso dizer, isso…

2 semanas ago

Infelicidade: me apeguei a ela e agora?

Infelicidade é a palavra felicidade com o prefixo de privação ou negação. Pode ser compreendida como o oposto da felicidade.…

2 meses ago

Masturbação Infantil: não fique na mão com o assunto.

Esses dias respondi algumas perguntas sobre Masturbação Infantil para o site bebe.com.br e, como eles não utilizaram todo o conteúdo,…

2 meses ago

E quando sobra pra gente?

"Sobra pra gente" o que sobrou pra você ou para mim? Quem nunca levou "uma" sem nem ao menos estar…

2 meses ago

Escutar, ouvir e falar. O que você tem feito?

Ouvir ou escutar remete a ações muito parecidas. Muita gente sabe a diferença, mas no dia a dia — pelo…

2 meses ago

Será que eu sou gay?

Gay, homosexual, será que meu interesse sexual é assim ou assado? Lembro da primeira vez que vi essa pergunta por…

2 meses ago

This website uses cookies.