Nostalgia Musical - Por que a música é tão legal

Nostalgia Musical: por que gostamos das músicas da nossa adolescência?

7 min de leitura · 

Nostalgia Musical. Por que amamos a música que ouvimos quando éramos adolescentes e não suportamos (quase sempre) as novas paradas de sucesso?

Hoje cansado, voltando do trabalho, vim ouvindo as músicas da minha adolescência para dar uma animada. Ainda tinha um terceiro turno e precisava de uma estimulação, senão dormiria.

Colocar lá no Spotify a velha playlist, desencadeou uma sequencia dançante, pronto: cheguei renovado.

Depois disso, fiquei pensando: por que as músicas que ouvíamos tem esse fator de conseguir animar e tornar real o “quem canta seus males espanta”?

Claro, fui pesquisar e o resultado vou contar aqui.

A música que eu amava na adolescência significa mais para mim do que nunca, isso é a nostalgia musical

A cada ano que passa, as novas músicas no rádio soam barulhentas e irritantes, enquanto a velha playlist do Spotify, é um deleite.

Não dá para afirmar, artisticamente e nem com os meus dotes musicais, que “Evidências” do Chitãozinho e Chororó é artisticamente superior a “Rapariga Digital” da Naiara Azevedo, mas eu canto ​​cada segundo da primeira com emoção e rejeito a última com um sorriso sarcástico – embora ache engraçada e “simpática”.

O mesmo vale para os Funks, Rocks, Pops…

Se eu ouvir os 10 melhores sucessos deste ano, provavelmente ficarei com dor de cabeça, mas se eu ouvir os 10 melhores sucessos do passado, “sai de baixo”, “vo varrendo”, “como uma onda”…

Então por que as músicas que eu ouvia quando era adolescente soavam mais doces do que qualquer coisa que eu escuto hoje?

Fico feliz em informar que meus fracassos de discernimento crítico musical podem não ser inteiramente culpados.

Estudos confirmaram que essas músicas têm poder desproporcional sobre nossas emoções, e pesquisadores descobriram evidências que sugerem que nossos cérebros nos ligam à música que ouviamos como adolescentes com mais força do que qualquer coisa que ouviremos como adultos – uma conexão que não enfraquece à medida que envelhecemos.

A nostalgia musical, em outras palavras, não é apenas um fenômeno cultural: é um comando neuronal.

E não importa quão sofisticados nossos gostos possam ser, nossos cérebros podem ficar atolados nessas músicas que “ouvíamos até furar o disco” durante o grande drama da adolescência.

Para entender por que nos apegamos a certas músicas, comecemos com a relação do cérebro com a música em geral.

Quando ouvimos uma música pela primeira vez, ela estimula nosso córtex auditivo e convertemos os ritmos, melodias e harmonias em um todo coerente.

Nossa relação musical

A partir daí, nossa reação à música depende de como interagimos com ela.

Cante junto a uma música em sua cabeça e você ativará seu córtex pré-motor, que ajuda a planejar e coordenar movimentos.

Dance junto e seus neurônios sincronizarão com a batida da música.

Preste muita atenção nas letras e instrumentação, e você ativará o córtex parietal, que o ajudará a mudar e manter a atenção para diferentes estímulos.

Ouça uma música que desencadeie memórias pessoais, e seu córtex pré-frontal, que mantém informações relevantes para sua vida pessoal e relacionamentos, entrará em ação.

Mas as lembranças não têm sentido sem emoção – e, além do amor e das drogas, nada estimula uma reação emocional como a música. Já falamos disso aqui Música, sonoridade, um poder mágico! e também aqui Ouvir música ajuda na recuperação de uma cirurgia.

Estudos de imagem do cérebro mostram que nossas músicas favoritas estimulam o circuito de prazer, que libera dopamina, serotonina, ocitocina e outros compostos neuroquímicos que fazem-nos sentir, e sentir muito bem.

Quanto mais gostamos de uma música, mais tratamos a felicidade neuroquímica, inundando nossos cérebros com alguns dos mesmos neurotransmissores que a cocaína persegue.

A música acende essas faíscas de atividade neural em todos.

Contudo nos jovens, a faísca se transforma em um show pirotécnico.

Entre as idades de 12 e 22 anos, nossos cérebros passam por um rápido desenvolvimento neurológico – e a música que amamos durante essa década parece ficar ligada nas nossas cabeças para sempre.

Quando fazemos conexões neurais com uma música, também criamos um forte traço de memória (de longo prazo) que se torna carregado de emoção intensificada, graças em parte a um excesso de hormônios de crescimento.

Esses hormônios dizem aos nossos cérebros que tudo é incrivelmente importante – especialmente as músicas que formam a trilha sonora de nossos sonhos e embaraços adolescentes.

A faísca musical: quando ela brilha

Por si só, essas pirotecnias neurológicas seriam suficientes para imprimir certas canções em nosso cérebro. Mas há outros elementos que prendem a última música tocada na sua dança da oitava série em sua memória praticamente para sempre.

Daniel Levitin, o autor de Este é seu cérebro na música: A ciência de uma obsessão humana, observa que a música de nossa adolescência está fundamentalmente interligada com nossas vidas sociais.

“Estamos descobrindo música sozinhos pela primeira vez quando somos jovens e muitas vezes através de nossos amigos. Nós ouvimos a música que eles ouvem como um distintivo, como uma forma de pertencer a um determinado grupo social. Isso combina a música com nosso senso de identidade ”.

Outros psicólogos concordam com a teoria social pois há uma explicação para a nossa música favorita: ela se consolida nas memórias especialmente emocionais de nossos anos de formação.

E ainda há outro fator em jogo: o da colisão reminiscência, um nome para o fenômeno do qual nos lembramos tanto do nosso jovem adulto que vive mais vividamente do que nos outros anos das nossas vidas.

De acordo com essa teoria, todos nós temos um “roteiro de vida” culturalmente condicionado que serve, em nossa memória, como a narrativa de nossas vidas. Quando olhamos para os nossos passados, as memórias que dominam essa narrativa têm duas coisas em comum: são felizes e se agrupam em torno de nossos adolescentes e dos 20 e poucos anos.

Por que nossas memórias desses anos são tão vibrantes e duradouras?

Pesquisadores da Universidade de Leeds propuseram uma explicação: os anos destacados pela reminiscência se chocam com “o surgimento de um eu estável e duradouro”.

O período entre 12 e 22, em outras palavras, é o tempo em que você se torna você.

Faz sentido, então, que as memórias que contribuem para esse processo se tornem extremamente importantes durante o resto de sua vida.

Eles não apenas contribuem para o desenvolvimento de sua auto-imagem; eles se tornaram parte de sua auto-imagem – uma parte integral do seu senso de identidade.

A música desempenha dois papéis nesse processo.

Em primeiro lugar, algumas músicas se tornam memórias em si mesmas, com tanta força que se infiltram na memória.

Muitos de nós podemos lembrar claramente da primeira vez que ouvimos uma música que, décadas depois, ainda cantamos em todas as noites de karaokê.

Em segundo lugar, essas músicas formam a trilha sonora do que sentimos, na época, como os anos mais vitais e momentosos de nossas vidas.

A música que toca durante nosso primeiro beijo, nosso primeiro baile, nosso primeiro beijo de verdade… Ela se apega a essa lembrança e assume um vislumbre de sua profundidade.

Podemos reconhecer em retrospectiva que o baile não era realmente tão profundo. Mas, mesmo quando a importância da memória se desvanece, o brilho emocional marcado para a música permanece, e essa emoção floresce, fazendo uma ligação prazeirosa e continente.

Concluindo então este texto musical e melodioso…

Por mais divertido que essas teorias possam ser, a conclusão lógica é: você nunca vai amar outra música do jeito que amava a música de sua juventude. Eu sei, é um pouco deprimente.

Mas nem tudo é uma má notícia, é claro: nossos gostos de adultos não são realmente mais fracos; eles são apenas mais maduros, permitindo-nos apreciar a beleza estética complexa em um nível intelectual. Tá bom, forcei… prefiro ouvir Xuxa… 😛

Não importa quão adultos nos tornemos, no entanto, a música continua sendo uma saída de escape de nossos cérebros adultos para a paixão crua e pura de nossos jovens.

A nostalgia que acompanha nossas músicas favoritas não é apenas uma recordação fugaz de tempos passados; é um buraco de minhoca neurológico que nos dá um vislumbre dos anos em que nosso cérebro pulou de alegria com a música que veio nos definir.

Esses anos podem ter passado. Mas cada vez que ouvimos as músicas que amamos, a alegria que elas trouxeram surge novamente, e isso é bom, muito bom e deve ser aproveitado.

Referências:

Reminesce Bump

Texto traduzido e adaptado do original: https://slate.com/technology/2014/08/musical-nostalgia-the-psychology-and-neuroscience-for-song-preference-and-the-reminiscence-bump.html de Mark Stern.

O quanto este post foi útil para você?

Clique nos corações para votar!

Média / 5. Contagem de Votos:

Nenhum voto ainda. Que tal você começar?

Sentimos muito por este post não ter sido útil para você.

Nos diga como melhorar as postagens

Sobre os Autores do Post:

Author profile

Psico Online - Psicólogas e Psicólogos 24 horas rápido, fácil e descomplicado. Psicologia Online para acolhimento psicológico. Somos uma plataforma de acolhimento psicológico 24 horas, ligando clientes e psicos, de maneira fácil e descomplicada. Reunimos profissionais da Psicologia, psicólogas e psicólogos, que oferecem orientação psicológica a fim de facilitar o acesso de pessoas que buscam auxílio profissional psicológico, em questões emocionais, de relacionamento, profissionais, autoconhecimento e saúde mental, de forma simples e rápida.

Psico.Online

Psico Online - Psicólogas e Psicólogos 24 horas rápido, fácil e descomplicado. Psicologia Online para acolhimento psicológico. Somos uma plataforma de acolhimento psicológico 24 horas, ligando clientes e psicos, de maneira fácil e descomplicada. Reunimos profissionais da Psicologia, psicólogas e psicólogos, que oferecem orientação psicológica a fim de facilitar o acesso de pessoas que buscam auxílio profissional psicológico, em questões emocionais, de relacionamento, profissionais, autoconhecimento e saúde mental, de forma simples e rápida.

Participe, queremos ler o que você tem a dizer