Anúncio

Nossa Senhora da Conceição Aparecida: Uma leitura arquetípica

0
(0)
4 min de leitura · 

É tempo de despertar a mente para o sentido da vida. Restaurar a conexão mental com o plano dos significados e transcender as barreiras da repressão e do esquecimento para as necessidades interiores ocultas e desconhecidas.

Dia 12/10 além do dia das crianças, no Brasil, é dia de Nossa Senhora da Conceição Aparecida.

Psicologia Arquetípica

Na Psicologia Arquetípica estuda-se as experiências humanas através das manifestações dos símbolos e arquétipos.

Símbolos são expressões da personalidade.

Até que sejam representadas ou canalizadas através de imagens dotadas de significado profundo, permanecem desconhecidas e ocultadas ao nosso pensamento racional.

Os símbolos nascem de experiências humanas arquetípicas.

Os arquétipos são motivos humanos fundamentais que representam experiências básicas (estilo um modelo maleável) e se repetem de formas diferentes em diversas culturas por todo o mundo.

São herdadas como tendências pelos nossos ancestrais e perduram durante as diferentes épocas.

A história de Nossa Senhora da Conceição Aparecida tem representado o fortalecimento coletivo da conexão entre a razão e os instintos, que há muito foi enfraquecida pela cultura ocidental.

Representa a criação de um espaço simbólico que enriqueceu a cultura  brasileira através dos tempos.

É um motivo coletivo que guia inúmeras pessoas a empreender o caminho até Aparecida do Norte, no interior de São Paulo.

Elas peregrinam para pedir, agradecer, cumprir promessas e se relacionar com este influente arquétipo que nutre de sentido a experiência humana.

Isso porque a imagem e a história de Nossa Senhora da Conceição Aparecida das águas é um motivo arquetípico.

Ou seja, carrega uma simbologia que representa essência de uma realidade interior comum à coletividade.

O que leva muitas pessoas a botar o pé na estrada, rumo ao encontro consigo mesmo mediado pela Nossa Senhora da Conceição Aparecida.

O mesmo acontece com outros arquétipos, como Cosme e Damião, e outras figuras relacionadas a modelos que vêem da nossa cultura ou religiosidade.

O início – A descoberta da imagem

Brasil em meados do ano de 1717, três pescadores foram incumbidos da tarefa de buscar peixes no Rio Paraíba.

Seus nomes eram Domingos Garcia, Filipe Pedroso e João Alves. Após tentativas frustradas de pescaria, nas proximidades do Porto de Itaguaçu, um dos pescadores lança a rede nas águas e ao recolhê-la se depara com uma imagem de argila sem cabeça.

Ao jogar e recolher a rede mais uma vez, percebe que pescou a cabeça da imagem.

Dizem que  após o achado a pesca rendeu com abundância. Ao unificar a cabeça e o corpo da imagem reconheceram-na como Nossa Senhora da Conceição. Por ter sido encontrada nas profundezas do rio, ficou conhecida posteriormente como Nossa Senhora da Conceição Aparecida das Águas.

Ao retornarem para a cidade com a imagem, as pessoas que ouviram a história logo se inspiraram a ir até a imagem para fazer suas orações.

O movimento foi crescendo e logo surgiram histórias sobre os milagres concedidos. A devoção crescente das pessoas chamou a atenção do Vaticano que reconheceu a imagem como sendo a Padroeira Católica do Povo Brasileiro e dedicou um feriado nacional a ela em 12 de outubro.

A nutrição da vida interior

A história começa com a busca dos três pescadores por alimento. Uma metáfora da busca  arquetípica pela nutrição que sustenta a vida.

A empreitada os leva a um rio sem peixes. O rio sem peixes é metaforicamente uma vida vazia de significado, com nutrição escassa e insuficiente para manter uma vida saudável.

Durante as buscas um dos pescadores encontra o corpo de uma imagem sem cabeça. Uma analogia da cisão entre  a natureza instintual (o corpo) e a natureza racional (a cabeça), que é encontrada logo em seguida.

Após o encontro das duas partes cindidas é restaurada a fertilidade do rio da vida. Onde a conexão entre as duas realidades se converte em nutrição, representada pela abundância da pesca.

Essa leitura nos remete a busca arquetípica pelo sentido da vida.

Que quando perde o sentido, nos coloca na posição de empreender na busca deste nutriente vital para que o equilíbrio se restabeleça.

Questões antigas devem ser deixadas para perecer no rio infértil e novas redes devem ser lançadas ao rio. Assim, no tempo e momento certo, possam pescar os nutrientes que sustentarão a nova etapa da vida.

É através da intuição, da leitura simbólica  sonhos e da criatividade que acessamos a busca pelo reconhecimento de características desconhecidas em nós.

Elas emergem em nossa personalidade de acordo com os diversos chamados da vida. A busca pelo autoconhecimento, é o movimento que nos fortalece para os desafios da vida.

Na história essa busca é representada pelo símbolo da pesca, onde o pescador lança a rede às profundezas desconhecidas do rio e encontra a imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida que enche o rio de peixes.  

É o caminho que leva a nutrição da vida interior. Tal como a matéria prima (terracota/argila) que dá forma à vida material, é antiga e poderosa fonte criadora.

É tempo de praticar o autoconhecimento

Em tempos como o que vivemos, esse arquétipo demanda urgentemente ser trabalhado.

A má condução dos instintos leva a problemas individuais e sociais. Como o aumento da criminalidade, agressividade gratuita, abuso sexual e de poder, intolerância em relação à diversidade cultural, descontrole emocional, entre outros dos muitos que temos vivido recentemente.

Os arquétipos, assim como tudo o que diz respeito a realidade psicológica, tem uma função no comportamento humano. Eles podem aparecer sob diversas vestes.

Trabalhe sua natureza instintual e permita-se conectar com os significados que norteiam sua jornada.

O quanto este post foi útil para você?

Amanda Reggiani Annibale

Psicóloga CRP 06/121763 - Graduada pela Universidade Paulista - UNIP e Especializada em Mitologia Criativa, Contos de Fadas e Psicologia Analítica. Guiada pela compreensão técnica da natureza psíquica humana, trabalha como facilitadora dos processos de desenvolvimento humano, promovendo condições favoráveis ao autoconhecimento e reeducação psíquica inerente aos valores e vivências individuais de quem procura uma experiência de vida nutrida de significado, realização pessoal e profissional. Realiza atendimento online e presencial à adolescentes e adultos. Telefone/WhatsApp: (11) 98710-0380 Fale com esta Psico.Online https://meupsicoonline.com.br/psicologa-amanda-annibale

Leave a Comment
Share
Published by
Amanda Reggiani Annibale

Recent Posts

Informação e imaginação na nossa ansiedade

Informação e imaginação tem ações concretas na nossa ansiedade? O quanto nossas informações e o…

1 mês ago

Vão se os anéis, ficam-se os dedos

Cá com meus botões, pensando, enquanto procuro uma entrevista de Noam Chomsky, onde ele fala…

2 meses ago

Criticar o outro, fala mais sobre você.

"Nós não vemos as coisas como elas são, nós as vemos como somos ", disse…

3 meses ago

Quando paramos de nos preocupar com os outros…

Quando paramos de nos preocupar com os outros, a primeira vista, idealizamos que nossa vida…

5 meses ago

Infelicidade: me apeguei a ela e agora?

Infelicidade é a palavra felicidade com o prefixo de privação ou negação. Pode ser compreendida…

6 meses ago

Masturbação Infantil: não fique na mão com o assunto.

Esses dias respondi algumas perguntas sobre Masturbação Infantil para o site bebe.com.br e, como eles…

6 meses ago

This website uses cookies.