fbpx
photo of woman sitting near the christmas tree

Natal, “dezembrite” ou “síndrome do fim do ano” e a NOSSA saúde mental: reflexões para os Introvertidos

No dicionário [ ok google], Natal significa: adjetivo de dois gêneros

  1. relativo a nascimento; natalício.
  2. onde ocorreu o nascimento (de alguém ou de algo); natalício.”terra n.”
  3. substantivo masculino dia do nascimento; natalício.
  4. substantivo masculinoLITURGIA•RELIGIÃO festa do nascimento de Jesus, celebrada no dia 25 de dezembro desde o sIV pela Igreja ocidental e desde o sV pela Igreja oriental ☞ inicial maiúscula
  5. substantivo masculino MÚSICA cântico natalino de origem medieval.

Origem: ⊙ ETIM(sXIII) latim natālis,e ‘de nascimento’

Natal daiane Psico.Online Acesse agora.

Falando abertamente, tenho poucas lembranças boas do Natal. Por vezes, a dificuldade financeira da família gerava muito estresse para minha mãe, que se preocupava em receber as visitas e oferecer uma ceia completa. Na ocasião, meu pai recebia ticket alimentação, o que ocasionava uma grande compra, mas depois, o saldo acabava.

Felizmente, começava um novo mês e uma nova celebração.

Era divertido ajudar a guardar as refeições das festas, eu e minha mãe fazíamos isso juntas. Mas eu esperava mesmo era a promoção do Pão de Açúcar: três chocotone® pelo preço de um.

Saudades desse tempo.

Sobre a socialização no Natal

O Natal é uma época de celebração e tradição, mas também pode ser marcado por tensões sociais e pressões.

Reunir a família à mesa pode trazer à tona perguntas indiscretas [cadê o emprego? os namorados?] e observações indesejadas [engordou hein? vai sumir de tão magro].

Infelizmente, dezembro pode se tornar uma época de perda e tristeza para alguns, como foi para mim com o adoecimento de minha mãe [18/12]. Por outro lado, há aqueles que amam o Natal e se tornam a alma da festa, como minha mãe que, apesar do estresse, sempre sorria e enchia a sala.

Por fim, há aqueles como meu amado broto, que adora montar a árvore de Natal e me permitiu compartilhar essa experiência com ele.

Em suma, o Natal é uma época de altos e baixos, mas é possível experimentar pouco de alegria e esperança.

Diante de todos esses pesares, é possível re-significar o natal?

No meu lado aqui, eu ainda estou tentando. Troco presentes com os amigos e escrevo cartas. E sempre que foi possível, junto de uma prima elaborávamos um momento que por gracejo, chamamos de pré-natal (não ginecológico) em que nos reuníamos, preparávamos comida e passamos a tarde toda papeando.

Hoje, nos encontramos por vídeo-chamada [obrigada Google Meet e Whatsapp por permitir a conexão] afinal, cada uma foi pra um canto diferente do Estado.

E o melhor, o grupo cresceu – compartilhamos coisas as vezes, figurinhas de gatos e notícias.

É natal, quando esses encontros acontecem e ali, nasce uma tarde gostosa.

É natal quando é possível experimentar cuidado, cumplicidade, aconchego e acolhimento.

É natal, quando podemos sentir amor. Nós podemos ter natal o ano todo, basta olhar nos olhos , saber ouvir, abraçar , sorrir ou ficar em silêncio junto de quem nós amamos.

E para você o que é Natal?

Especulando mais um pouco sobre o tema

Esta época, repleta de luzes e canções, carrega uma complexidade emocional muitas vezes oculta.

As sociedades modernas transformaram essa celebração tradicional em um evento cultural abrangente, marcado por práticas comerciais e sociais intensas. Tal evolução trouxe consigo novas pressões e exigências, alterando significativamente o significado e a experiência desse período.

A “Síndrome do Fim de Ano” reflete essas mudanças. Ela abarca a ansiedade e o estresse que podem acompanhar os preparativos para as festividades, muitas vezes decorrentes da discrepância entre as expectativas idealizadas e a realidade vivida. As representações nas redes sociais exacerbam essa sensação de inadequação ou isolamento, expondo-nos a imagens de celebrações perfeitas.

Contudo, essa síndrome não é um fenômeno exclusivamente moderno. Historicamente, o fim do ano sempre foi um momento para reflexão e avaliação pessoal. O que mudou foram as circunstâncias sociais e culturais que influenciam essa experiência. As práticas atuais são um mosaico de tradições antigas e novidades, refletindo alterações na estrutura familiar, na mobilidade social e no advento tecnológico.

Nesse contexto, re-significar este período torna-se um ato de resistência emocional e cultural.

Reconhecer a vulnerabilidade inerente a este tempo e, ao mesmo tempo, buscar conexões humanas genuínas, alegria nas pequenas coisas e criar novas tradições que estejam em harmonia com nossos valores e realidades.

Assim, essa celebração se transforma: de uma festividade externa, repleta de rituais, para um momento de introspecção e conexão.

É encontrar significado no cuidado, na empatia e na solidariedade. É, essencialmente, sobre o amor em suas diversas formas, um amor que transcende um dia específico e permeia todo o ano.

Portanto, caro leitor, reflita: como você pode transformar este período em algo que ressoe verdadeiramente com seu ser e seus valores?

É um tempo para autenticidade, para estender a mão com empatia, e, apesar dos desafios, encontrar razões para sorrir e agradecer. (será?).

Clique para votar
[Total: 4 Average: 5]
BB0D1D5E 644F 479F A8D0 3B8B5B4D69DE Psico.Online Acesse agora.
Psicóloga em Psico.Online

Psicóloga Daiane Baldo Apolinário CRP 06/134495 especialista em humanidades e Humanização no campo da saúde e mestranda no programa de Pós-graduação em Gerontologia. Tenho experiência com os temas: doenças crônicas, câncer, ansiedade, depressão e violência doméstica. Com a Psicologia clínica, tenho como objetivo ofertar um espaço de acolhimento para adolescentes, jovens, adultos e idosos com vistas a propiciar um espaço de escuta e elaboração de questionamentos ou angústias que nos afligem nesses tempos modernos.
Agende comigo

2 comentários em “Natal, “dezembrite” ou “síndrome do fim do ano” e a NOSSA saúde mental: reflexões para os Introvertidos”

  1. Itallo S. Oliveira

    Essa promoção de três chocotones pelo preço de um bem que podia voltar, hahaha.

    Fui muito tocado por esse texto. Re-significar o natal é algo que pretendo fazer. Quando paramos pra pensar, as tradições natalinas e a própria data em que comemoramos são a resignificação de velhas tradições pagãs (algumas um tanto bárbaras segundo historiadores). O natal mudou tanto ao longo dos anos que o papai Noel até passou de verde para vermelho graças a uma campanha publicitária da Coca-Cola. Tudo muda e as vezes essa mudança precisa partir de nós.

    Um feliz natal para todos nós

    1. Oi Itallo, fico feliz que o texto tenha despertado esse movimento em você. Em cada momento da vida, olhamos para as coisas e fatos com os recursos que temos no momento. Acredito que esse ato de re-significar as coisas surja em muitos momentos mas, fico com a impressão de que na vida adulta ele é maior. E falando em vida adulta, qual a vantagem de ser adulto? É justamente poder escolher de acordo com nossas reflexões, necessidades levando em consideração sempre o respeito por nós mesmos e pelos outros.

      Agradeço ao Comentário,
      Psicóloga Daiane Baldo
      via Atenção ao cliente Psico.Online

Gostaríamos de escutar o que você tem a dizer.

Rolar para cima