Anúncio
Categories: Reflexões

Metas: precisamos de sinceridade ao criá-las

4.8
(8)
1 min de leitura · 

Metas: com o começo do ano,  nos deparamos com postagens nas redes sociais, vídeos e todos falando sobre as novas metas de ano novo.

Seja ao ganhar uma nova agenda ou para trabalhar com as metas somente em pensamentos.

Sabemos que essas promessas se tornam as mesmas durante 2 ou 3 anos, visto que não conseguindo realizar no ano, e a promessa vai sendo empurrada ano após ano.

Mas por quê essas metas não estão sendo alcançadas?

Muitas vezes no calor do momento, colocamos promessas e metas no papel que não são realmente o que queremos.

Ou por conta de pressões sociais, familiares, etc acabamos criando objetivos que nem são os nossos.

Então o primeiro passo diz respeito a um autoconhecimento que é necessário, onde você reflete sobre o desejo que tem sobre essa meta.

Você quer mesmo emagrecer? Quer mudar de emprego? Quer viajar mais?

Se a resposta é positiva para tais perguntas, então, já podemos seguir adiante sobre as próximas etapas  decisivas para alcançar seus objetivos.

Você pode até planejar e desejar muito essas metas, porém, como fazer para chegar até ela?

Exemplos claros de como o planejamento não está presente nas nossas vidas, é quando elas decidimos emagrecer, porém, não estamos inseridos em ambientes que proporcione ajuda para fazer isso.

Você terá tempo para praticar exercícios físicos? Irá mesmo para a academia mais perto da sua casa? Mesmo se ela for distante?

São essas perguntas que fazem parte de todo esse planejamento.

Ainda como exemplo: se sua meta for viajar mais, precisa considerar pontos que favoreçam esse objetivo.

Você precisa  trabalhar estratégias que façam com que você economize dinheiro para viajar.

Não adianta querer andar de bicicleta sem ter uma bicicleta, certo?

Tudo precisa ser  analisado bem como planejado.

É preciso embasamento para que dê certo, e muitas vezes só precisamos detalhar a meta em pequenas ações, para que ela se torne viável e seja alcançada.

 

O quanto este post foi útil para você?

Andreza Silva

Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário Católica de Quixadá - Unicatólica e Pós-Graduanda pela Faculdade Fatecie em Intervenção Analítica Comportamental Aplicada - ABA. Faz parte do setor de Recursos Humanos do Encontro Cearense de Análise do Comportamento e da Equipe de Programação do site Comporte-se no Facebook. É Acompanhante Terapêutica e pesquisadora em grupos que corroboram com a comunidade científica. Telefone para Contato: (88) 9.9689-7434

Share
Published by
Andreza Silva

Recent Posts

Quando paramos de nos preocupar com os outros…

Quando paramos de nos preocupar com os outros, a primeira vista, idealizamos que nossa vida melhoraria. Olha, preciso dizer, isso…

2 semanas ago

Infelicidade: me apeguei a ela e agora?

Infelicidade é a palavra felicidade com o prefixo de privação ou negação. Pode ser compreendida como o oposto da felicidade.…

2 meses ago

Masturbação Infantil: não fique na mão com o assunto.

Esses dias respondi algumas perguntas sobre Masturbação Infantil para o site bebe.com.br e, como eles não utilizaram todo o conteúdo,…

2 meses ago

E quando sobra pra gente?

"Sobra pra gente" o que sobrou pra você ou para mim? Quem nunca levou "uma" sem nem ao menos estar…

2 meses ago

Escutar, ouvir e falar. O que você tem feito?

Ouvir ou escutar remete a ações muito parecidas. Muita gente sabe a diferença, mas no dia a dia — pelo…

2 meses ago

Será que eu sou gay?

Gay, homosexual, será que meu interesse sexual é assim ou assado? Lembro da primeira vez que vi essa pergunta por…

2 meses ago

This website uses cookies.