incentivo, amigo, amizade, briga de amigo

O que fazer quando não vem o incentivo dos amigos?

2 min de leitura · 

Incentivo: Diante de uma mudança importante em sua vida, atire a primeira pedra quem nunca esperou uma palavra de incentivo e apoio de um amigo, de um colega ou de pessoas que por muito ou por pouco tempo foram consideradas “quase” uma família.

Como lidar com a situação quando isso não acontece e o incentivo não vem?

Não adianta fingir que não está sentindo nada, pois ignorar provavelmente aumentará a sensação de desconforto.

Melhor admitir e tentar compreender que a sua voz interna clama por este tipo de atenção. Será a voz da criança, adolescente ou será a voz da pessoa mais madura que habita em você?

Se ainda persistir um pensamento do tipo “considerava fulano tão próximo”. Por que ele não me deu uma palavrinha de incentivo?

Vale fazer uma outra pergunta: Será que fulano nutria o mesmo sentimento por você?

Clique e fale com um Psicóloga Online agoraNão se engane: “você jamais será querido por todos” e isso faz parte da condição da vida.

O gostar tem nuances muito distintas e nenhuma é melhor que a outra, trata-se apenas de perspectivas e olhares “diferentes”.

Além disso, existem as afinidades e conexões que são aspectos impossíveis de forçar, pois estão correlacionados com algo muito mais íntimo e complexo do que “preferências”.

Outro ponto importante é que na medida em que nos desenvolvemos, a nossa visão de mundo se modifica (e a da outra pessoa também) e pode ser que alguns amigos (antes considerados importantes) deixem de compartilhar das suas ideias no momento presente.

Ficou decepcionado pela falta de incentivo e por essa mudança?

A melhor coisa a fazer é trabalhar o desapego, o luto pela separação e, seguir em frente sem ruminações, pois ruminar[1] a picuinha com outros amigos ou no pensamento, só prejudicará você. Aliás é bem diferente do incentivo que você estava esperando.

Quanto aos velhos “companheiros” de jornada.

Esteja preparado para despedir-se, provavelmente seu ciclo se encerrou, colha os aprendizados, seja grato pelo tempo de convivência desses amigos e despeça-se com respeito e amorosidade (se sentir).

Quem será meu apoio?

Existem outras fontes de apoio e incentivo, a primeira e mais importante é você mesmo. Aprenda a ser você o principal apoiador de seus sonhos, ideias e projetos, busque em si a coragem e a capacidade de seguir em frente encontrando apoio e força interior para dar o passo necessário para a mudança.  Dentre seus amigos, seja o melhor para você mesmo.

Nossa força interior nos conecta com novas parcerias.

Após acessar está força interior não há dúvidas de que surgirão em seu caminho novos e até antigos amigos e parceiros, que estarão em sintonia com seu novo propósito.

Libere-se, coloque-se em ação e novas possibilidades surgirão.

[1] A palavra ruminar é derivada do latim Ruminari que significa mastigar repetidamente. A ruminação mental segue o mesmo princípio da repetição, mas envolve um pensamento ou uma lembrança negativa, deixa a pessoa concentrada em si mesma – especialmente na sua tristeza, nos seus pensamentos negativos, nas suas dores e no seu passado, envolve também a queixa para si mesmo – e, eventualmente, para os outros – sobre o quanto foi maltratado, o quanto a vida é injusta ou o quanto se sente inútil e inferior. Leahy, Robert L. , Vença a depressão antes que ela vença você. Ed. Artmed. 2015

O quanto este post foi útil para você?

Clique nos corações para votar!

Média / 5. Contagem de Votos:

Nenhum voto ainda. Que tal você começar?

Sentimos muito por este post não ter sido útil para você.

Nos diga como melhorar as postagens

Claudia Alessandra Macedo

CRP 06/71714 - Psicóloga entusiasmada por ideias e inspirada pelas diferentes e ricas perspectivas das experiências humanas, tem como desafio apresentar maneiras mais satisfatórias de viver os relacionamentos, as situações do dia a dia e um despertar sobre as escolhas tornando-as mais conscientes possíveis. Formação com ênfase em psicologia Clínica. Pós-Graduação e Extensão em Orientação Profissional pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC) e Instituto Pieron. Terapia Cognitivo Comportamental pelo Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clinicas IPQ - USP. Pesquisas em Psicologia Integral, Psicologia Profunda e Teorias de Aprendizagem Organizacional. Atende em consultório adolescentes e adultos. Realiza workshops e palestras com temáticas em Saúde Psíquica e Carreira. Autora do Blog In-certezas. Telefone: (11) 951 56 3230

2 thoughts to “O que fazer quando não vem o incentivo dos amigos?”

  1. Adorei! Parabéns pelo artigo! Uma valiosa dica: “Dentre seus amigos, seja o melhor para você mesmo”. Sem sombra de dúvida! Quem cuida bem de si, cuida bem das relações potencialmente benéficas! Beijos

Participe, queremos ler o que você tem a dizer