falar em público perdendo o medo de falar em publico

Falar em público: 6 dicas para vencer a glossofobia

7 min de leitura · 

Falar em público: muita gente já engole seco só de pensar nisso. A glossofobia é o medo de falar em público e alguns especialistas dão dicas importantes para superar. Confira.

Falar em público não é fácil e também não é uma tarefa só dos políticos e celebridades (embora nos últimos anos aqui no Brasil os políticos também deixam a desejar na eloquência).

Qualquer pessoa pode ter que falar em uma sala de reuniões, dizer algumas palavras numa festa de família ou fazer uma proposta na escola, faculdade ou outro lugar.

Para muitos, independentemente de falarem bem ou não, é um mero processo que não atrapalha em nada.

Já para outros, no entanto, só de pensar o sono se vai, a ansiedade bate literalmente e outros sintomas se apresentam.

Tem o frio na barriga, as mãos suadas, a taquicardia… já que a glossofobia ou o medo de falar em público, vem acompanhada por sintomas físicos que não ajudam a superar o problema, mas o complicam.

Quais as consequências do medo de falar em público?

E tem consequências: costumam influenciar negativamente tanto no local de trabalho como na esfera social.

Como você pode ter deduzido é uma fobia classificada ou, o que é o mesmo, “um medo irracional de um objeto ou situação específica”, de acordo com a Enciclopédia Britânica.

Glossa vem do grego que significa “linguagem”, de modo que a glossofobia se refere ao medo de falar diante de uma audiência.

É impossível saber quantas pessoas são afetadas (não é algo que as pessoas que sofrem sairão falando por aí), embora o site glossophobia.com garanta que 75% das pessoas sofram desse medo.

Mas devemos nos perguntar, as pessoas afetadas respondem a um perfil específico? Por que eles e não os outros apresentam esses sintomas?

Embora não exista uma explicação universal, há três variáveis ​​principais :

Uma experiência negativa no passado para falar em público

“Por exemplo, quando eles eram crianças conversaram e riram deles” sugere Guillermo Fouce, professor de psicologia na Universidade Complutense de Madrid e membro do Colégio de Psicólogos da capital.

Não precisa ter sido uma experiência vivida individualmente: “Pode-se ter visto no cinema, ou um companheiro”, acrescenta.

Tendo experimentado ridicularização, humilhação pública, o bullying, especialmente na adolescência, a auto-estima pode ser afetada.

Timidez ou introversão

“Há pessoas que gostam de isolamento, preferem não se relacionar com os outros, e isso pode causar alguma dificuldade na comunicação”, diz Fouce.

Estaríamos falando de “componentes genéticos que podem levar a respostas de medo, ansiedade, medo, entre outros, diante de determinadas circunstâncias”, segundo Julio Ampuero, psicólogo e especialista em clínica fonoaudiológica e diretor do Instituto de Comunicação, fala e da linguagem da Vithas International.

Também pode ser relacionado a outros sintomas como na SocioFobia ou na Introspeção.

Falta de confiança

Talvez mesmo extrovertidos e sem uma experiência negativa, apenas pensemos que vamos fazer direito.

“Se você acha que vai fazer errado, você vai fazer isso mal”, descreve Fouce. 

Nesse sentido, Julio Ampuero afirma que “a não assimilação de déficits psicológicos ou físicos nos faz sentir inseguros em certos contextos comunicativos”.

A falta de confiança poderá gerar a gagueira que faz com que todo o restante aconteça, podendo inclusive gerar o bullying que fará a situação piorar.

Quem sofre mais glossofobia?

A ciência estudou esse problema e encontrou outros fatores.

As mulheres “sofrem mais ansiedade do que os homens quando fazem um discurso publicamente”, concluiu uma pesquisa publicada em 2018 entre os estudantes da Universidade de Karachi (Paquistão) – embora a influência social possa ter relações com o problema.

Outros estudos, por outro lado, descartam diferenças baseadas em sexo ou idade .

O auto-conhecimento, neste caso, na sua relação com os outros é um fator associado com Glossofobia.

De acordo com um estudo realizado por Hasan Waheed, de Manchester Metropolitan University (UK) aqueles que se percebem mais claramente na sociedade têm menos problemas em se expressar em público.

E também pode ser uma diferença “significativa” pelo nível socioeconômico.

Um estudo publicado em 2017 pelo The International Journal of Psychology indiana, detalhando que estudantes de famílias com rendimentos elevados sofre menos ansiedade nesse ponto.

“Se você vai falar na frente de muitas pessoas, é normal ter um certo nível de ativação – palpitações, rubor, suor … – caso contrário também seria um problema”, diz Guillermo Fouce.

Os sintomas

Diante dessa situação, a reação mais óbvia é a dos sintomas físicos.

Suar, mãos e voz trêmulas, palpitações, rubor … são devidos a “um aumento na atividade do sistema nervoso autônomo”, explica Ampuero.

“É uma resposta do cérebro a uma ameaça, se você vai falar na frente de muitas pessoas é normal ter um certo nível de ativação, mesmo que não seja ativado o suficiente, você pode ter um problema”. diz Fouce.

Mas essas reações físicas estão intimamente relacionadas aos sintomas cognitivos e comportamentais.

Conforme detalhado por Ampuero, o primeiro seria “crenças e idéias irracionais, intrusivas, involuntários e incontroláveis sobre os possíveis cenários que podem ocorrer enquanto a pessoa fala para um público sobre ser humilhado ou não é que vai manter-se”.

Os sintomas comportamentais são destinadas a evitar a situação ou fugir.

Por exemplo, a pessoa com medo de falar em público pode alegar falsamente que tenha adoecido para evitar ter de comparecer a uma reunião onde eu sabia que tinha de falar em público diz o especialista da Vithas International.

6 passos para superar o medo de falar em público

Existem diferentes graus de rejeição da oratória pública.

“Seria necessário diferenciar entre pessoas que têm fobia e não podem falar diretamente em público, e aqueles que fazem isso causam alguma ansiedade e algum estresse”.

Se eles não reparam, aqueles que só sentem ansiedade podem experimentar a fobia.

Em ambos os casos, os especialistas recomendam linhas de intervenção muito específicas :

Enfrente o problema.

Este é um daqueles casos em que o melhor remédio é a “terapia de choque”.

“Se tenho medo de falar em público e não o faço, isso gera mais e mais ansiedade e tensão, e o medo é reforçado”, diz Fouce.

Isso, embora a princípio possa aumentar os mecanismos biológicos (sudorese, palpitações), em certo ponto leva à superação.

“Desta forma a dinâmica é retardada, e a pessoa verifica que ninguém riu, que correu bem, que não foi tanto”, acrescenta.

Ensaie em frente ao espelho.

Pegue a escova de cabelo, mas não para reproduzir com uma música de Madonna, mas como um microfone para preparar sua exposição.

“Você tem que considerar o idioma da voz e do corpo como eles ajudam a ter uma melhor apresentação; entonação, gestos e postura adequados são fundamentais deve ensaiar um monte de superar o medo” aconselha Ampuero.

Prepare o discurso.

Ser claro sobre o que será dito “é o antídoto mais eficaz contra o nervosismo”, diz Julio Ampuero.

“Para isso devemos trabalhar com antecedência a questão por escrito, desenvolver um esquema com os principais pontos a serem organizados, considerar sua duração, estilo e esclarecer dúvidas sobre o conteúdo a ser exibido.”

Nos momentos anteriores à intervenção:

“Realizar exercícios de modulação, respiração e vocalização para melhorar a expressão oral”.

Aprenda a relaxar.

Use algumas das técnicas de relaxamento conhecidas.

Evite dizer que está nervoso: “Vai fazê-lo pensar que ele está nervoso”, adverte Fouce.

Pouco antes de falar, “respire fundo e beba água, se necessário”, recomenda o especialista em fonoaudiologia.

Corrigir a exibição em um ponto específico.

“Pode ser uma pessoa que gera confiança especial”, diz Guillermo Fouce.

“Se isso não for possível, tente olhar para lugares diferentes na sala”, acrescenta Julio Ampuero.

Pegar um lápis ou unir as mãos também pode ajudar a canalizar o nervosismo.

Imagine a situação em positivo.

Pensar que vai dar certo é quase uma garantia de sucesso.

Como todas as outras medidas, visa “não para ser nervoso quando o momento da verdade chega, porque seu cérebro não será uma situação nova, mas algo que é mais do que o habitual”, acrescenta Ampuero.

E se não for suficiente, pense naqueles jogadores nas entrevistas: eles dizem quatro coisas sem sentido e as pessoas os amam.

Baseado no post: https://elpais.com/elpais/2018/06/25/buenavida/1529938421_747326.html

Você vai gostar de ler também:

Psico.Online
Psico Online - Psicólogas e Psicólogos 24 horas rápido, fácil e descomplicado. Psicologia Online para acolhimento psicológico. Somos uma plataforma de acolhimento psicológico 24 horas, ligando clientes e psicos, de maneira fácil e descomplicada. Reunimos profissionais da Psicologia, psicólogas e psicólogos, que oferecem orientação psicológica a fim de facilitar o acesso de pessoas que buscam auxílio profissional psicológico, em questões emocionais, de relacionamento, profissionais, autoconhecimento e saúde mental, de forma simples e rápida.
Psico.Online on FacebookPsico.Online on GooglePsico.Online on InstagramPsico.Online on LinkedinPsico.Online on PinterestPsico.Online on TumblrPsico.Online on TwitterPsico.Online on WordpressPsico.Online on Youtube

Psico.Online

Psico Online - Psicólogas e Psicólogos 24 horas rápido, fácil e descomplicado. Psicologia Online para acolhimento psicológico. Somos uma plataforma de acolhimento psicológico 24 horas, ligando clientes e psicos, de maneira fácil e descomplicada. Reunimos profissionais da Psicologia, psicólogas e psicólogos, que oferecem orientação psicológica a fim de facilitar o acesso de pessoas que buscam auxílio profissional psicológico, em questões emocionais, de relacionamento, profissionais, autoconhecimento e saúde mental, de forma simples e rápida.

Participe, queremos ler o que você tem a dizer