Anúncio

Escola de princesas e a polêmica que continua

0
(0)
2 min de leitura · 

E a escola de princesas não para de aparecer nas mídias, é incrível como esse assunto rende controvérsias de opiniões e de sentimentos, mas nós aqui mantemos nossa opinião sobre os danos que isso pode causar.

Já falamos sobre a escola de princesas aqui também.

Você pode até colocar sua filha na escola e ensinar os (retrógrados) valores morais da sociedade pra ela, afinal, somos livres pra fazer o que bem entendemos, mas antes disso, por favor, reflita um pouquinho.

Houve uma época em que as mulheres não tinham direito a nada, não votavam, não tinham voz ativa, não estudavam, não trabalhavam fora de casa, quando começaram a trabalhar (e até hoje) ganhavam salários diferentes.

Nessa época as mulheres eram submissas à seus homens, viviam debaixo da “proteção” de seus maridos, sem vida própria.

Daí com o tempo vem uma galera lutar por igualdade, social, econômica, de gênero. Lutar por direitos que não deviam nem estar em questão de luta, porque vamos lembrar, homens e mulheres tem exatamente a mesma capacidade pra TUDO!

E daí agora vem algumas pessoas dizendo que querem ensinar coisas do tipo: case virgem, saiba arrumar a casa, saiba dar ordens para a empregada, saiba se comportar????

Um pouco sobre a luta das mulheres

Nós acreditamos que não é preciso ser recatada, arrumar a casa, fazer comida ou saber usar a xícara de chá para sermos mulheres, ao contrário disso, acreditamos e disseminamos a ideia de que precisamos de respeito, de liberdade em todas as suas formas de ser.

Dizer por aí que vai ensinar as garotas que devem manter a virgindade até o casamento é um crime contra a liberdade.

Você pode dizer à elas que tem essa opção, ensinar a opção, compreende? “Filha, você pode casar virgem, se quiser, mas também pode se relacionar sexualmente quando achar que está pronta. Estarei sempre ao seu lado pra ouvir e orientar”.

Que tal se fizermos assim com nossas garotas?

Resgatar alguns tipos de conceitos é o mesmo que dizer que vai colocar por água abaixo todas as conquistas que outras tantas mulheres lutaram pra conseguir.

Pais, mães, cuidadores ou responsáveis pelas crianças, educar é um ato de amor, educar com liberdade para que a criança possa escolher o que quer pra sua vida, é um ato de amor com gentileza, com generosidade.

Que saibamos continuar na luta pelos direitos conquistados às duras penas por tantas mulheres que fizeram e fazem parte da nossa história.

#NãoQueroSerUmaPrincesa

O quanto este post foi útil para você?

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Leave a Comment
Share
Published by
Raquel Ferreira

Recent Posts

Informação e imaginação na nossa ansiedade

Informação e imaginação tem ações concretas na nossa ansiedade? O quanto nossas informações e o…

4 semanas ago

Vão se os anéis, ficam-se os dedos

Cá com meus botões, pensando, enquanto procuro uma entrevista de Noam Chomsky, onde ele fala…

2 meses ago

Criticar o outro, fala mais sobre você.

"Nós não vemos as coisas como elas são, nós as vemos como somos ", disse…

3 meses ago

Quando paramos de nos preocupar com os outros…

Quando paramos de nos preocupar com os outros, a primeira vista, idealizamos que nossa vida…

5 meses ago

Infelicidade: me apeguei a ela e agora?

Infelicidade é a palavra felicidade com o prefixo de privação ou negação. Pode ser compreendida…

6 meses ago

Masturbação Infantil: não fique na mão com o assunto.

Esses dias respondi algumas perguntas sobre Masturbação Infantil para o site bebe.com.br e, como eles…

6 meses ago

This website uses cookies.