Anúncio
2 min de leitura · 

Você já é bem crescida(o), tem responsabilidades, deveres e problemas de gente grande, mas ainda se comporta como uma criança ferida e magoada, o que acaba gerando dificuldades nos seus relacionamentos. Acertei?

O ser humano nasce, cresce, se desenvolve, cria e conquista muitas coisas, mas devido a questões e sentimentos de sua infância que ficaram mal resolvidos, acaba tendo reações emocionais que não deseja, mas que também não consegue evitar.

Esses sentimentos trazem sofrimento e culpa e você entra num ciclo vicioso de coisas ruins, sabe que algo está errado, fora do compasso, você tenta, mas não é capaz de evitar. Isso é o que chamamos de criança ferida.

Por que ir ao psicólogo?

Toda criança, generalizando, precisa ser atendida em seus desejos da maneira como ela idealiza, na hora que ela quer, do jeito que ela quer, isso pra ela é uma forma de amor exclusivo. Se isso não acontece, o que convenhamos, para sua própria proteção é saudável, ela faz birra, fica com raiva, reclama. Do mesmo jeito, hoje, quando algo não sai como você esperava, você fica com raiva, briga, se fecha, se vinga, faz birra.

Emocionalmente você se comporta exatamente como aquela criança de anos atrás e isso começa a gerar infinitos desentendimentos, rupturas e tristeza em seus relacionamentos, sejam eles amorosos, familiares, de trabalho.

Sua criança ferida precisa ser identificada e integrada, para que a felicidade chegue até você

É importante identificar que símbolos acionam essa sua “criança ferida”, agindo à sua revelia, gerando conflitos. Esses símbolos podem ser comportamentos, falas ou expressões das pessoas. A identificação desses símbolos começa com você se permitindo olhar para a sua criança interior e para os possíveis choques e traumas que tenha vivenciado, trazendo-os inteiramente para sua consciência.

Inconsciente, você faz com que as outras pessoas, de alguma maneira repitam os símbolos e comportamentos que ativam o seu sofrimento. A responsabilidade da mudança está em suas mãos, só você será capaz de compreender e por um fim nesses comportamentos tão nocivos.

Com a ajuda do psicólogo, psicóloga, terapeuta, analista, você começa a observar e a compreender seu modo de ser, agir, pensar e sentir e, aos poucos, sua criança ferida vai sendo curada e integrada e você poderá decidir que atitudes tomar, diante de cada circunstância que a vida lhe apresentar, livre dos traumas e dos sofrimentos do passado.

Terapia, análise, psicoterapia, por que devo fazer?

Atenção:

Em breve faremos o lançamento do site e gostaríamos muito de avisar você visitante. O site Psico.Online será uma plataforma inovadora para encontrar e falar com um psico. Preencha seus dados abaixo e continue prestigiando nossos posts! 🙂

O quanto este post foi útil para você?

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Share
Published by
Raquel Ferreira

Recent Posts

Quando paramos de nos preocupar com os outros…

Quando paramos de nos preocupar com os outros, a primeira vista, idealizamos que nossa vida melhoraria. Olha, preciso dizer, isso…

3 semanas ago

Infelicidade: me apeguei a ela e agora?

Infelicidade é a palavra felicidade com o prefixo de privação ou negação. Pode ser compreendida como o oposto da felicidade.…

2 meses ago

Masturbação Infantil: não fique na mão com o assunto.

Esses dias respondi algumas perguntas sobre Masturbação Infantil para o site bebe.com.br e, como eles não utilizaram todo o conteúdo,…

2 meses ago

E quando sobra pra gente?

"Sobra pra gente" o que sobrou pra você ou para mim? Quem nunca levou "uma" sem nem ao menos estar…

2 meses ago

Escutar, ouvir e falar. O que você tem feito?

Ouvir ou escutar remete a ações muito parecidas. Muita gente sabe a diferença, mas no dia a dia — pelo…

2 meses ago

Será que eu sou gay?

Gay, homosexual, será que meu interesse sexual é assim ou assado? Lembro da primeira vez que vi essa pergunta por…

2 meses ago

This website uses cookies.