como superar o bullying, bullying

Como superar o bullying? Aprendendo a lidar

5
(1)
0 min de leitura · 

Semana passada a gente já falou sobre bullying aqui, mas daí encontramos esse vídeo e achamos tão fofo que decidimos repetir o assunto. Além de ser uma maneira de entender como superar o bullying

Lembre-se bullying é cisa séria, precisa ser identificado, enfrentado e cuidado.

Esses garotos dão um show de enfrentamento, vem ver

Como superar o bullying – Bars & Melody

Aqui tem um texto bem interessante sobre como lidar com o bullying.

E conta pra gente, você já sofreu bullying? Como lidou com isso?

Leia também: O que fazer quando me sinto sozinho

O quanto este post foi útil para você?

Clique nos corações para votar!

Média 5 / 5. Contagem de Votos: 1

Nenhum voto ainda. Que tal você começar?

Sentimos muito por este post não ter sido útil para você.

Nos diga como melhorar as postagens

Por favor, o que você acha que deve ser melhorado?

Sobre os Autores do Post:

Author profile

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

4 thoughts to “Como superar o bullying? Aprendendo a lidar”

  1. Magoei a garota que eu amo :(?
    Olá galera, boa tarde.
    Estou muito arrependido, disse coisas ridículas para uma garota que eu amo a mais de 3 anos.
    Já tive várias chances com ela, acabei desperdiçando várias..
    Faz umas 3 semanas, que eu soube que ela tinha ficado com um cara, no tempo que ela demonstrava que gostava de mim, mas agora quando eu soube, que acabei perdendo a cabeça, e chingando ela de várias coisas :S
    Mas falei aquelas coisas, na hora da raiva..
    Mas teve um porém, ontem não pude me controlar, e comecei a falar com ela no msn, e ela me disse que não ficou com o rapaz.
    Quebrei a cara!
    Mas independente de qualquer coisa, eu amo muito ela, mais do que tudo…
    Ela parece gostar de mim ainda, inclusive perguntei, mas ela não me respondeu..
    Se não gostasse não teria me dado bola no msn.
    Quarta feira, irá começas as aulas, e ela estuda no mesmo colégio que eu.
    Nas coisas que falei, disse que estava com nojo da cara dela, e que pra mim ela tinha morrido.
    Mas agora quero provar pra ela, que isso não é verdade!
    Alguem pode me dizer, como faço isso?
    Na quarta, estou pensando em chegar nela, quando ela estiver com os amigos, e taca-lhe um beijão, só pra ver o que acontece..
    Não vou perder nada com isso, ao contrário, posso até ser correspondido..
    abração a todos!

    Atualizada:
    Tapa na cara eu não levo não..
    Isso eu tenho certeza galera, conheço ela à mais de 3 anos…

    No dia seguinte na hora do recreio, eu fui até ela mas deu tudo errado. Uma garota veio primeiro e deu um tapa na cara da menina que em seguida foi atrás da outra, mas jogaram um balde de gosma verde e todo mundo riu, depois o pessoal foi até ela, cada um foi e jogou um monte de coisas nela areia, fruta podre que pegaram do chão, foi horrível, eu presenciei, mas não fiz nada pra ajudar porque eu estava com os meus amigos. Um deles até disse: “Deixa ela sofrer, não faz nada, não, ela merece pra aprender a te respeitar, pelo menos como você disse que quem apanha não é você, é ela! Desta vez você venceu!”. Depois fomos todo mundo pra sala e ela foi deixada no chão sozinha chorando. Eu fiquei olhando com pena, mas meus amigos me chamaram e me incentivaram a deixar ela sozinha ali sofrendo. Mas era muita crueldade, eu não aprovava isso. Em seguida, a diretora da escola encontrou ela naquela situação e em vez de ajudá-la, a criticou, pegou ela pelo braço e a levou a para a diretoria, mas a menina fez um escândalo pra diretora soltar ela, mas não teve jeito. A menina continuava a gritar, a galera toda, inclusive eu vimos tudo e ficamos chocados. A diretora mandava a menina ir pra sala dela, mas a garota fazia birra e gritava: “Me solta!”. “Entra e cala a boca!”, gritava a diretora. Aí os meus amigos começaram a rir e achavam engraçado, eu achei uma brincadeira de muito mal gosto. Horas depois no fim da aula, ela me olhou com uma cara de nojo, mas não disse nada, mas é como ela dissesse: “Você me paga! A culpa disso tudo é sua! Eu vou me vingar! Isso não fica assim!”. Eu continuei andando com os meus amigos. Os dias se passavam e nunca mais a vi. Nem na escola, nem na rua. Foi quando eu descobri pela mãe dela que ela foi passar o fim de semana na fazenda do avô no interior e lá tinha cavalos. E aconteceu uma coisa horrível na qual vou me sentir muito culpado e nunca vou me perdoar. Soube pelas amigas que ela tinha ido andar a cavalo num dia bonito, pela sorte dela, porque no tempo fechado não era bom. Aí uma coisa horrível aconteceu no meio da estrada. O cavalo se assustou com uma cobra cascavel, a garota também se assustou, acabou se desequilibrando, caiu e foi arrastada pelo animal por 20 metros. A sorte é que o amigo do avô dela estava lá por perto e acabou matando a serpente com uma espingarda, encontrou a garota desacordada no canto da estrada e ligou para a ambulância. O avô dela passou mal ao saber de tudo. Ela foi levada urgentemente ao hospital, foram feitos exames e tomografias. O estado dela era grave. O resultado saiu em dois dias. Ela sofreu uma lesão na medula espinhar, fraturas nas pernas e levou 34 pontos a maioria no rosto. Ela acabou ficando tetraplégica e se apavorou ao ver o estado do rosto. Ela chorava sem parar, perguntou o que tinha feito de errado e chegou a dizer que eu tinha razão a respeito dela, a mãe dela a acalmou dizendo que não era verdade e que ela não merecia isso. Foi assim que a vida dela mudou pra sempre. Ela voltou pra casa de cadeira de rodas, com o pescoço enfaixado e muito abatida. Ela iniciou uma grande batalha pela vida. Fez sessões de fisioterapia todos os dias, tomava remédios e teve de ir para a escola mesmo naquela condição. Eu fiquei chocado ao vê-la daquele jeito, mas meus amigos me aconselharam a não falar com ela pra não contrariá-la. Foi assim que cada de um de nós seguiu com sua vida. Mas as humilhações não pararam por aí. Na hora do recreio eu ouvi os gritos dela. Eu fiquei chocado com o que vi. Umas seis garotas rodearam a cadeira de forma tão estúpida e depois derrubaram a cadeira com a garota no chão. As garotas deram risada e a deixaram naquele estado. A pobre coitada não parava de chorar e chegava até a se debater, até que vieram dois rapazes, um deles deu chute nela e outro arrastou ela no meio do pátio. Foi horrível e humilhante. Você acha isso certo a garota que você tanto magoou, pisou e humilhou acabou sofrendo vários tipos de violência dentro da escola e depois de sofrer um acidente ainda sofre outra crueldade. Por favor, faça alguma coisa, ela não merece mais passar por isso, ela sofre e chora todos os dias, está até tendo ataques de pânico. Acha que ela merecia passar por tudo isso? Vocês acham que a culpa foi minha? Isso o que estão fazendo com ela é bullying

    1. Olá Ana, respondemos o seu post com um e-mail. como você não respondeu, estamos deixando-o público.
      Caso volte a ler nossa mensagem, entre em contato com alguns detalhes mais de localização para que possamos acionar as autoridades da sua região.
      Atenciosamente, Equipe Psico.Online

Participe, queremos ler o que você tem a dizer