Anúncio

Como eu era antes de você: sobre o respeito

0
(0)
1 min de leitura · 

Eu acabo de sair de uma sessão de cinema, assisti “Como eu era antes de você”, costumo chorar vendo qualquer tipo de coisa, de propaganda do dia das mães à cenas de guerra, mas dessa vez chorei um bocado à mais.

O texto vai parecer um desabafo pessoal, mas como psico, às vezes acho legal compartilhar essas reflexões com meus pacientes e aproveitando o blog, vou estender o compartilhamento.

Enfim, saí do cinema refletindo sobre meu choro e sobre o filme, como sempre faço e a conclusão foi:

Como é difícil deixar prevalecer o respeito à vontade do outro, mesmo ou principalmente, quando existe amor.

Como eu era antes de você

Sem querer dar spoiler pra quem ainda não viu, mas já dando, Lou precisa enfrentar talvez a mais difícil situação de sua vida. Will sofreu um acidente que o paralisou e depois de um tempo ele quer cometer eutanásia, tema que vale um post.

Ela se apaixonou por ele (e ele por ela) e não quer que ele leve a ideia adiante, mas “não se pode mudar quem as pessoas são”. Assim, surge a minha reflexão sobre respeitar o outro, respeitar escolhas que são diferentes das nossas, respeitar mudanças de planos, rumos diferentes.

O amor deveria ser sinônimo de respeito, mas em algum momento a gente bagunça as coisas e o amor vira sinônimo de egoísmo, da minha vontade sobre a sua. Do que eu acho melhor em detrimento da sua ideia.

O amor é livre e se você não consegue pensar assim, talvez passe parte da sua vida em completo sofrimento.

Espero e desejo que possa um dia ter o mais pleno amor, pelo outro, mas principalmente, por você!

Espero que possa experimentar desse amor livre, que não julga, nem oprime. Que não enclausura e nem impõe. Espero que você possa gozar da plenitude do amor, sinônimo de respeito e de compreensão.

O amor não faz sofrer, Lou não sofre depois que compreende, ela apenas respeita, ama e mais nada.

O quanto este post foi útil para você?

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Leave a Comment

View Comments

Share
Published by
Raquel Ferreira

Recent Posts

Vão se os anéis, ficam-se os dedos

Cá com meus botões, pensando, enquanto procuro uma entrevista de Noam Chomsky, onde ele fala…

6 dias ago

Criticar o outro, fala mais sobre você.

"Nós não vemos as coisas como elas são, nós as vemos como somos ", disse…

4 semanas ago

Quando paramos de nos preocupar com os outros…

Quando paramos de nos preocupar com os outros, a primeira vista, idealizamos que nossa vida…

3 meses ago

Infelicidade: me apeguei a ela e agora?

Infelicidade é a palavra felicidade com o prefixo de privação ou negação. Pode ser compreendida…

4 meses ago

Masturbação Infantil: não fique na mão com o assunto.

Esses dias respondi algumas perguntas sobre Masturbação Infantil para o site bebe.com.br e, como eles…

4 meses ago

E quando sobra pra gente?

"Sobra pra gente" o que sobrou pra você ou para mim? Quem nunca levou "uma"…

4 meses ago

This website uses cookies.