Anúncio

Com um único suspiro, sou parte do Universo

0
(0)
1 min de leitura · 

Quantas vezes você já se sentiu perdido ou perdida, completamente em desespero e parecendo que não pertencia à nada e à ninguém?

A vida tem dessas fases, em que tudo parece não fazer sentido, em que as pessoas e os lugares que sempre nos foram acolhedores, de repente, se tornam estranhos, insípidos.

Aquilo que nos era referência passa a não fazer mais parte de nós (ou nós disso) e nos sentimos sozinhos. Completa e literalmente.

Nessas horas, tudo o que NÃO pode nos acontecer é perdermos o controle, esquecermos de respirar, de sentir ou pensar, com calma. Mas me diz quem consegue? Assim, sem se conhecer bem, sem saber dos seus limites, sem reconhecer seu eu interior? Quem consegue?

Pois é, mas isso é tão necessário, tão importante, tão vital.

Ao nos conhecermos podemos aprender a “controlar” o que sentimos. Controlamos o desespero generalizado e nos afastamos do que causaria o caos em nossas vidas.

Quando nos conhecemos, somos capazes de sentir e saber quando e como agir da melhor maneira.

Leia também Auto-conhecimento: um mergulho profundo

Quando nos conhecemos estamos aptos a tentar sempre coisas novas, a nos arriscarmos com cautela e gentileza.

Quando nos conhecemos GERAMOS gentileza E GRATIDÃO, pela vida, pelas pessoas, pelo silêncio e até pela solidão.

Só quando somos capazes de entender esse nosso universo interior é que podemos viver em paz, aceitar aquilo que não podemos mudar e agir lindamente sobre aquilo que podemos.

Quando nos conhecemos, RESPIRAMOS, num ato cuidadoso de inspirar e expirar amor, por mim, pelo mundo.

E ao respirar, eu faço parte desse mundo. Eu sou ele e dele!

Abaixo segue um vídeo, que nos mostra a importância de nos conhecermos, sabermos nossos limites e confiarmos plenamente em nós mesmos e assim, sabermos que com um único suspiro, somos parte do Universo.

Bom mergulho pra você 😉

O quanto este post foi útil para você?

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Leave a Comment
Share
Published by
Raquel Ferreira

Recent Posts

Vão se os anéis, ficam-se os dedos

Cá com meus botões, pensando, enquanto procuro uma entrevista de Noam Chomsky, onde ele fala…

6 dias ago

Criticar o outro, fala mais sobre você.

"Nós não vemos as coisas como elas são, nós as vemos como somos ", disse…

4 semanas ago

Quando paramos de nos preocupar com os outros…

Quando paramos de nos preocupar com os outros, a primeira vista, idealizamos que nossa vida…

3 meses ago

Infelicidade: me apeguei a ela e agora?

Infelicidade é a palavra felicidade com o prefixo de privação ou negação. Pode ser compreendida…

4 meses ago

Masturbação Infantil: não fique na mão com o assunto.

Esses dias respondi algumas perguntas sobre Masturbação Infantil para o site bebe.com.br e, como eles…

4 meses ago

E quando sobra pra gente?

"Sobra pra gente" o que sobrou pra você ou para mim? Quem nunca levou "uma"…

4 meses ago

This website uses cookies.