Anúncio
Categories: Auto-conhecimento

Auto-conhecimento: um mergulho profundo

1 min de leitura · 

Vamos mergulhar no tema do auto-conhecimento?

Atualmente vivemos em um mundo onde o superficial é que mais nos agrada, ou seja, entrar em contato com você mesmo, entender seus medos e anseios é totalmente sem importância. Mas porque isso está acontecendo? Qual a dificuldade em se conhecer?

Porque se conhecer significa ir fundo. Busque o auto-conhecimento!

Imagine um oceano, é muito mais confiável viver na superfície, onde você está em uma posição agradável, onde você pode respirar tranquilamente, mas ao mergulhar fundo, você descobrirá belezas nunca vistas, sentirá a ansiedade por estar no desconhecido e ao mesmo tempo, respirar já não será tão simples, exigirá auxílio e poderá ser desconfortável. E quanto mais fundo você for, mais a emoção da descoberta e o medo tomarão conta de você.

“Onde abundam as dores brotam os licores.”
Sigmund Freud

Assim somos nós! Podemos viver na superfície, onde agimos e sentimos como “se deve”, sempre fazemos o esperado e não entramos em contato com nossos sentimentos mais profundos, podemos viver evitando essa dor, mas se você está disposto a mergulhar, se conhecer verdadeiramente e ver o que está além de um reflexo, pode doer e com certeza doerá! Mas veja bem, você enxergará tudo de outra forma.

Este é um processo que requer ajuda, por isso, a importância da psicoterapia, ela pode ser seu cilindro de oxigênio neste mergulho. Procure um psicólogo e embarque nesta jornada! As belezas das profundezas são as mais raras e desconhecidas e as mais deslumbrantes!

Veja também:

O quanto este post foi útil para você?

Bárbara Hoffmann

Psicóloga CRP 04/30145 formada em 2008 pela PUC Minas. Pós Graduada em Gestão de Recursos Humanos. Vasta experiência em Psicoterapia Analítica e Psicologia Educacional, atuando em Clínicas e Escolas. Contato: (35) 99987 3869

View Comments

  • Muito bom o seu texto, Bárbara. Continue escrevendo e semeando pérolas em meio ao caos que a vida pode se tornar quando não ousamos nos conhecer e nos auto sabotamos.

    Um forte abraço,

    Rodrigo Estevão

Share
Published by
Bárbara Hoffmann

Recent Posts

Quando paramos de nos preocupar com os outros…

Quando paramos de nos preocupar com os outros, a primeira vista, idealizamos que nossa vida melhoraria. Olha, preciso dizer, isso…

2 semanas ago

Infelicidade: me apeguei a ela e agora?

Infelicidade é a palavra felicidade com o prefixo de privação ou negação. Pode ser compreendida como o oposto da felicidade.…

2 meses ago

Masturbação Infantil: não fique na mão com o assunto.

Esses dias respondi algumas perguntas sobre Masturbação Infantil para o site bebe.com.br e, como eles não utilizaram todo o conteúdo,…

2 meses ago

E quando sobra pra gente?

"Sobra pra gente" o que sobrou pra você ou para mim? Quem nunca levou "uma" sem nem ao menos estar…

2 meses ago

Escutar, ouvir e falar. O que você tem feito?

Ouvir ou escutar remete a ações muito parecidas. Muita gente sabe a diferença, mas no dia a dia — pelo…

2 meses ago

Será que eu sou gay?

Gay, homosexual, será que meu interesse sexual é assim ou assado? Lembro da primeira vez que vi essa pergunta por…

2 meses ago

This website uses cookies.