Anúncio
Categories: Auto-conhecimento

A difícil arte da ação

1 min de leitura · 

A ação é o fruto de uma escolha e tem um grande poder de construir ou destruir. Vamos entender melhor isso aqui!

A ação faz parte do tripé que sustenta o desenvolvimento humano, junto com o amor e o conhecimento verdadeiro. É ela quem vai mostrar na prática, qual foi a sua real intenção e pra que nada saia errado, o legal é você alinhar o que pensa, diz e faz (ação). Dessa maneira, juntando coerência e integridade você poderá realizar todas as suas metas na vida, pois o que tem nas mão é um raio de vontade plena e com uma capacidade de concretização infinita.

A maior parte das pessoas vive num mundo onde se pensa uma coisa, fala-se outra e faz-se uma terceira completamente sem conexão com as duas primeiras e essa incoerência básica é o que gera confusão, conflito, fracasso, ansiedade, medos…
Vale lembrar que toda ação tem uma reação, sejam elas positivas ou negativas e só pra constar, às vezes a gente recebe uma reação estranha, ruinzinha, negativa do universo, mas se esquece da ação inicial que tivemos e que desencadeou isso aí e perdemos o nexo entre causa e efeito.

O externo é uma expressão do nosso mundo interior, aquilo que você é por dentro, ou seja, construir um mundo externo sem ligação com o interior, não passa de uma criação mental, sem sustentação, sem alicerce.

Então lembre-se, é a ação vinda do coração que traz, no devido tempo, um mundo externo saudável.

Baseado no livro “Siga o mestre – O livro do autoconhecimento.” Ed. Clarear, 2013.

O quanto este post foi útil para você?

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Share
Published by
Raquel Ferreira

Recent Posts

Quando paramos de nos preocupar com os outros…

Quando paramos de nos preocupar com os outros, a primeira vista, idealizamos que nossa vida melhoraria. Olha, preciso dizer, isso…

3 semanas ago

Infelicidade: me apeguei a ela e agora?

Infelicidade é a palavra felicidade com o prefixo de privação ou negação. Pode ser compreendida como o oposto da felicidade.…

2 meses ago

Masturbação Infantil: não fique na mão com o assunto.

Esses dias respondi algumas perguntas sobre Masturbação Infantil para o site bebe.com.br e, como eles não utilizaram todo o conteúdo,…

2 meses ago

E quando sobra pra gente?

"Sobra pra gente" o que sobrou pra você ou para mim? Quem nunca levou "uma" sem nem ao menos estar…

2 meses ago

Escutar, ouvir e falar. O que você tem feito?

Ouvir ou escutar remete a ações muito parecidas. Muita gente sabe a diferença, mas no dia a dia — pelo…

2 meses ago

Será que eu sou gay?

Gay, homosexual, será que meu interesse sexual é assim ou assado? Lembro da primeira vez que vi essa pergunta por…

2 meses ago

This website uses cookies.