virar o jogo, saber perder, bagunçar o jogo, estragar o jogo

A arte de (não saber) virar o jogo

1 min de leitura · 

Você sabe como virar o jogo?

Sabe aquela pessoa que quando está perdendo o jogo, ao invés de se concentrar, simplesmente joga tudo pra cima? Embaralha as cartas, empurra as peças, derruba o tabuleiro? Você conhece alguém que já fez isso, né?

Acho que todos nós conhecemos, se é que nós mesmos já não fizemos isso.

Mas acho que o problema está quando derrubamos o tabuleiro da vida real. Esse jogo que a gente nunca sabe quando vai terminar, que as vezes nos impõe umas dificuldades tremendas e terríveis, mas que a gente vai precisar superar.

E sabe por que precisamos superar?

Porque se não, na próxima rodada (mesmo que você tenha bagunçado tudo e tenha a sensação de que assim acabou) vai acontecer tudo da mesma maneira.

Saber virar o jogo é uma questão de amadurecimento. Requer paciência, resiliência e muitas, mas muitas doses de humildade e reflexão, pra ouvir quem está ao nosso lado e saber onde e como podemos melhorar.

No jogo da vida, não dá pra seguirmos sem estratégias. A velha frase “deixa a vida me levar” pode te meter em umas enrascadas brabas. Então, melhor assumir o controle da situação, não é mesmo?!

Até podemos deixar a vida nos levar, mas com parcimônia.

Sabe durante as férias, quando você sai sem rumo? Esse é um bom momento pra desligarmos todos os “comandos de controle”, mas ainda assim, é bom que a gente saiba como voltar pra casa. Já pensou ficar perdida/o num lugar completamente desconhecido? Um mínimo de controle, como saber o endereço, é sempre bom.

Não se preocupar com o amanhã, deixar tudo pra depois, não querer evoluir, é sinal de imaturidade e te digo mais, as vezes, de medo também.

cliqueefale

Porque crescer e amadurecer nem sempre é fácil.

Costuma dar trabalho, mas é necessário, se você quiser uma vida saudável, claro.

E pra terminar vou te dar uma dica, fecha seus olhos e tenta imaginar sua vida sobre uma mesa de jogo. Como você a enxerga?

Você tem agido para que esse “jogo” dê certo no final? Lembre-se de que sempre que precisar de ajuda pra reorganizar algumas coisas, você pode contar com um dos nossos psis 😉

 

Você vai gostar de ler também:

Raquel Ferreira
CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Participe, queremos ler o que você tem a dizer