Gaslighting, manipulação, relações abusivas e violentas

15 indícios que você está sofrendo com Gaslighting e 6 termos relacionados a violência que você deveria conhecer.

O que é Gaslighting, você sabe? Como identificar se você está em um relacionamento violento que tem como base a manipulação? Neste texto vamos abordar desde como se escreve gaslighting, sua origem, 15 sinais que você está vivendo isso e outros termos relacionados a um relacionamento violento.

Gaslighting e Outras Formas de Intimidação Pessoal

O que é gaslighting? Certo que é mais que uma forma de violência psicológica nos relacionamentos afetivos. Em uma tradução livre poderíamos encaixá-lo como manipulação, mas vamos entender como o termo surgiu, como tem se espalhado e qual o sentido que vem adquirindo com o passar dos anos.


O termo “gaslighting” começou a ser usado para descrever o comportamento de políticos e personalidades da mídia tanto nos lados esquerdo e direito do espectro político.

Como exemplo temos o caso de jornalistas americanos que usaram amplamente a palavra para descrever as ações de Donald Trump durante a eleição presidencial dos EUA de 2016 e seu mandato como presidente.

Contudo, como acontece com a maioria dos termos que rapidamente se tornam populares, muitas pessoas não sabem o que realmente significa. Significa apenas enganar as pessoas? Ou é algo mais específico?

O termo vem de uma peça de 1938 chamada Gas Light. Nela e no filme subsequente de 1944 (intitulado Gaslight, como uma única palavra), o marido da protagonista trabalha intencionalmente para fazê-la acreditar que não pode mais confiar em sua própria percepção da realidade.

Uma tática que ele usa para gerar essa confusão é a de desligar as luzes a gás de sua casa para que pisquem. Quando a mulher pergunta a ele por que as luzes estão piscando, ele nega que estejam piscando, sugerindo que tudo está acontecendo dentro da cabeça dela.

Trailler do filme que deu origem a palavraGaslighting

Gaslighting começou a aparecer em periódicos acadêmicos décadas depois, na década de 1980, muitas vezes em relação à dinâmica de poder de gênero (como na peça e no filme). E embora, de acordo com a American Psychological Association (APA), o termo seja ocasionalmente usado em ambientes clínicos, agora é usado de forma mais geral e como um coloquialismo.

Também não está incluído no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V), o que significa que não é uma condição psiquiátrica ou de saúde mental. Mas isso não nega seu impacto sobre quem sofre com aqueles violentadores que utilizam esse tipo de comportamento.

O termoGaslighting tem uma definição bastante específica: quando uma pessoa mente para seu próprio ganho para outra pessoa tão repetidamente e com tanta confiança que a vítima começa a duvidar de sua própria sanidade. E, como no filme a violentada, agora incerta de poder perceber a realidade corretamente, torna-se dependente do “acendedor de gás” (o manipulador) e ainda mais apegada a este do que nunca.

“Gaslighting” é ocasionalmente usado na literatura clínica contudo é considerado um coloquialismo pela APA.

Segundo o artigo “Gaslighting: A Marital Syndrome”, de 1988 (https://psycnet.apa.org/record/1989-04840-001), há certos comportamentos masculinos que acontecem durante e após seus casos extraconjugais, que geram atitudes refletidas nas esposas.

Os autores concluem que tanto os maridos quanto os terapeutas podem contribuir para a angústia das mulheres, não apenas classificando incorretamente as reações delas, mas também pela continuação de certas atitudes estereotipadas que refletem negativamente naquela que é afetada pela manipulação.

Esta é uma forma de manipulação que ocorre em relacionamentos abusivos.

Gaslighting é um tipo de abuso emocional insidioso e às vezes dissimulado, em que o agressor ou agressora faz com que o alvo questione seus julgamentos e a realidade.

No final das contas, a vítima do lampião a gás começa a se perguntar se está perdendo a sua capacidade de discernimento.

Ocorre principalmente em relacionamentos românticos, mas não é incomum que ocorra em amizades controladoras ou também entre membros da família.

Pessoas tóxicas usam este tipo de abuso emocional para exercer poder sobre os outros, a fim de manipular amigos, familiares e, às vezes, até colegas de trabalho

O Gaslighting é uma técnica que mina a percepção da realidade de uma pessoa.

Quando alguém está iluminando você, você começa a questionar a si, suas memórias e suas percepções.

Depois de se comunicar com a pessoa que está iluminando você, pode ficar se sentindo perdido(a) e se perguntando se há algo errado consigo mesma(o).

A técnica do Gaslighting pode te confundir e fazer com que questione seu julgamento e sua saúde mental em geral. Pode ser útil saber mais sobre as táticas que uma pessoa que está aplicando pode usar e já já vamos falar mais sobre isso.

Pessoas que usam oGaslighting como tática poderiam ser consideradas como mentirosas habituais e patológicas.

Elas mentirão descaradamente e nunca recuarão ou mudarão suas histórias, mesmo quando você as desafia ou fornece provas de seu engano.

Eles podem dizer algo como: “Você está inventando coisas. Isso nunca aconteceu”.

Gaslighters espalham rumores e fofocas sobre você para outras pessoas e podem fingir estar preocupados enquanto sutilmente dizem aos outros que você parece emocionalmente instável ou “louca(o)”.

Infelizmente, essa tática pode ser extremamente eficaz e muitas pessoas ficam do lado dos agressores sem saber a história completa. O aplicante pode também mentir para você e dizer que outras pessoas também pensam isso a seu respeito. Essas pessoas podem nunca dizer uma coisa ruim sobre você, mas o causador fará de tudo para que você acredite que sim.

Segundo artigo do site Very Well Mind (www.verywellmind.com) a técnica pode causar ansiedade, depressão e outros problemas de saúde mental, incluindo vício e pensamentos suicidas. Sem contar, é claro, que transforma a relação em uma relação violenta e tóxica.

Há alguns sinais que podemos levar em consideração e avaliar o que pode estar acontecendo. Assim você liga o alerta para descobrir se esta sofrendo a violência desta manipulação.

15 sinais de alerta contra o Gaslighting

  1. Você duvida de seus sentimentos e da realidade – o mais puro Gaslighting: tenta se convencer de que o tratamento que recebe não é tão ruim ou se considera “muito sensível”.
  2. Você questiona seu julgamento e percepções – por meio de manipulação do Gaslighting: tem medo de falar ou expressar suas emoções. Aprendeu – por manipulação – que compartilhar sua opinião geralmente fará você se sentir pior no final, então, em vez disso, fica em silêncio.
  3. Você se sente vulnerável e insegura(o): geralmente se sente como se estivesse “pisando em ovos” perto de seu/sua parceiro(a), amigo ou membro da família. Também se sente nervosa(o) e sem auto-estima ou confiança.
  4. Você se sente sozinha(o) e impotente: se convence de que todos ao seu redor a(o) consideram “estranho(a)”, “louca(o)” ou “instável”, exatamente como o manipulador diz que você é. Isso te faz se sentir presa(o) e isolado(a).
  5. Você se pergunta se é o que dizem ser: as palavras do manipulador fazem se sentir errada(o), pouco inteligente, inadequada(o) ou louca(o). Às vezes, se pega repetindo essas afirmações para si tentando manter-se consciente da sua realidade.
  6. Você está decepcionada(o) consigo mesma(o) e com quem se tornou: por exemplo, você se sente fraca(o) e passiva(o), e costumava ser mais forte e assertiva(o).
  7. Você se sente confusa(o): o comportamento do manipulador a(o) confunde, quase como se todos fossem do tipo Dr. Jekyll/Sr. Hyde.
  8. Você se preocupa por ser muito sensível: a pessoa minimiza os comportamentos ou palavras ofensivas dizendo “só estava brincando” ou “precisa ser mais resistente”.
  9. Você tem uma sensação de desgraça iminente: sente que algo terrível está para acontecer quando está perto dessa pessoa. Isso pode incluir sentir-se ameaçada(o) e nervosa(o) sem saber o porquê.
  10. Você gasta muito tempo se desculpando: sente a necessidade de se desculpar o tempo todo pelo que faz ou por quem é.
  11. Você se sente inadequada(o): que nunca é ou será “boa(m) o suficiente”. Tenta corresponder às expectativas e demandas dos outros, mesmo que sejam irracionais.
  12. Você se questiona: frequentemente se lembra com precisão os detalhes de eventos passados. Pode até ter parado de tentar compartilhar o que lembra por medo de que seja errado.
  13. Você presume que os outros estão decepcionados: se desculpa o tempo todo pelo que faz ou por quem é, presumindo que as pessoas estão desapontadas com ou que, de alguma forma, você cometeu um erro.
  14. Você se pergunta o que há de errado consigo: se há algo fundamentalmente errado internamente. Em outras palavras, se preocupa por não estar bem mentalmente e começa a duvidar da sua sanidade.
  15. Você luta para tomar decisões porque não confia em si: prefere permitir que seu parceiro, amigo ou membro da família tome decisões em seu lugar e evita totalmente fazer isso por si mesmo.

Abusos Psicológicos em Relacionamentos

A Lei nº 14.188, de 29 de julho de 2021, incluiu no Código Penal o crime de violência psicológica contra mulher. Trata-se do artigo 147–B do Código Penal. Tal modalidade de violência já era prevista na Lei Maria da Penha (LMP), mas ainda não havia sido detalhadamente tipificada.

Agora, segundo a lei Marinha da Penha: A violência psicológica consiste em ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, vigilância constante, perseguição contumaz e insultos.

Ainda assim, há vários termos que são usados como descritores de violências. Confira.

6 termos relacionados a violência que você deveria conhecer.

Ghosting

Também conhecido como stmering ou icing, é um termo que descreve a prática de encerrar toda comunicação e contato com outra pessoa sem qualquer aviso ou justificativa aparente e, subsequentemente, ignorar qualquer tentativa de contato ou comunicação feita por essa pessoa.

O termo se originou no início do ano 2000, normalmente se referindo a namoro e relacionamentos românticos.

Na década seguinte, a mídia relatou um aumento nessa prática, que foi atribuído ao uso crescente de mídia social e aplicativos de namoro online.

O termo também se expandiu para se referir a práticas semelhantes entre amigos, familiares, empregadores e empresas.

A causa mais comum dessa tática em um relacionamento é evitar o desconforto emocional em um rompimento.

Uma pessoa que a usa normalmente tem pouco conhecimento de como isso fará a outra pessoa se sentir. O agressor está associado a efeitos negativos na saúde mental da pessoa que o recebe e foi descrito por alguns profissionais como uma forma passivo-agressiva de abuso emocional ou crueldade.

Orbiting

É o termo que podemos agora atribuir a uma forma de comportamento vexatória com a qual você provavelmente já está familiarizado: você foi um “fantasma”, mas a pessoa que o fantasiou ainda se envolve com você nas redes sociais.

Cunhado pela primeira vez pelo site de moda dos Estados Unidos Man Repeller, um orbital flagrante pode ignorar suas mensagens de texto, mas ainda assistir a todas as suas histórias no Instagram.

Eles podem filtrar suas ligações, mas retuitar seu último meme de gato. O que os impede de bloquear você no WhatsApp apenas para cutucá-lo no Facebook dias depois?

Existem inúmeras razões pelas quais esse tipo de comportamento pode fazer você querer bater os pés como uma criança zangada e jogar seu telefone no abismo em um acesso de raiva na esperança de que, quando chegar, possa atingir seu orbitador no rosto.

Além de enviar sinais absurdamente confusos a ponto de se questionar se isso é ou não um “sinal” de que você deve voltar a entrar em contato com eles (dica: não), é um tom incrivelmente irritante e passivo-agressivo.

Os “orbitadores” são mais propensos a ter uma queda pelo melodrama: as pessoas que fazem isso gostam de criar drama como em uma “viagem do ego”.

Catfishing

O documentário “Catfish” de 2010 narrava a jornada do fotógrafo Nev Schulman para descobrir quem estava realmente por trás do relacionamento à distância que ele vinha tendo com uma linda cantora de 19 anos chamada Megan.

No final das contas, Schulman descobre que a mulher com quem ele se comunicou por meio de centenas de mensagens de texto, postagens no Facebook e conversas telefônicas foi na verdade inventada por uma mãe de meia-idade que morava no Michigan. Parecido comGaslighting, mas aqui é uma isca.

Desde então, catfishing se tornou um termo conhecido de namoro – ou seja, fingir ser uma pessoa completamente diferente online do que você realmente é na vida real.

E embora a maioria de nós não esteja usando fotos super sexy de outra pessoa para mexer com as mentes de nossos clientes em potencial de namoro online, a tentação de mentir sobre idade, altura, profissão e outros detalhes para atrair mais pares está obviamente lá.

O namoro online é competitivo, as falhas são fáceis de esconder no mundo virtual e no final do dia, todos nós queremos ser amados. Portanto, contornar a verdade pode parecer a melhor maneira de aumentar suas chances de roubar aquele primeiro encontro.

Não é nenhum segredo que os aplicativos de namoro online mudaram a forma como namoramos. Por que abordar alguém pessoalmente e correr o risco de ser rejeitado quando você pode deslizar com segurança para a esquerda e para a direita no conforto da sua casa?

Para as pessoas que realmente acreditam que são melhores pessoalmente do que por meio de fotos, uma psicóloga clínica licenciada em San Francisco, diz que a pesca de gatinhos pode ser vista como uma estratégia.

Catfishers tentam otimizar a probabilidade de conseguir um primeiro encontro porque acreditam que podem conquistar as pessoas pessoalmente com sua personalidade, charme, sagacidade, inteligência, senso de humor, etc. Os agressores também podem usar imagens desatualizadas ou muito filtradas de si mesmos, porque acreditam que ficam melhor pessoalmente do que suas fotos mais recentes ou inalteradas.

Em última análise, cabe a você decidir se deseja ou não investigar mais.

Mas caso se depare com um “pescador de gatos”, pergunte-se sobre o que a pessoa está tentando encobrir ou mentir, quão grave é a pesca e quão importante isso é para você.

Só então precisará tomar sua decisão sobre o que fazer fazer com base na resposta a esta pergunta.

Outros Tipos de Abusos Relevantes e diferentes doGaslighting

Casamento Predatório

É a prática de casar com uma pessoa idosa exclusivamente com o objetivo de obter acesso aos seus bens após a sua morte.

Embora os requisitos para a decisão de fazer um testamento válido sejam altos, na maioria das jurisdições os requisitos para entrar em um casamento válido são muito mais baixos; mesmo uma pessoa que sofre de demência pode se casar.

Bullying

Diferente do ,Gaslighting é o uso de força, coerção, provocação ou ameaça ofensiva para abusar, dominar agressivamente ou intimidar.

O comportamento costuma ser repetido e habitual. Um pré-requisito essencial é a percepção (pelo agressor ou por outros) de um desequilíbrio de poder físico ou social.

Esse desequilíbrio distingue o bullying do conflito.

O bullying é uma subcategoria de comportamento agressivo caracterizado pelos três critérios a seguir: intenção hostil, desequilíbrio de poder e repetição durante um período de tempo.

É a atividade de comportamento agressivo repetido com a intenção de ferir outro indivíduo, física, mental ou emocionalmente.

O bullying varia desde o ataque individual até em grupo, denominado mobbing, no qual o agressor pode ter um ou mais “tenentes” dispostos a ajudar o agressor principal em suas atividades de bullying.

O ataque na escola e no local de trabalho também é conhecido como “abuso entre pares”.

O pesquisador sueco-norueguês Robert W. Fuller analisou o bullying no contexto do rankismo e afirmou que o mesmo ocorre quando uma pessoa é “exposta, repetidamente e ao longo do tempo, a ações negativas por parte de uma ou mais pessoas”, e que as ações negativas ocorrem “quando uma pessoa inflige intencionalmente lesão ou desconforto em outra pessoa, por meio do contato físico, por meio de palavras ou de outras formas ”.

O bullying individual geralmente é caracterizado por uma pessoa se comportar de uma certa maneira para ganhar poder sobre outra pessoa.

Mobbing

É a intimidação de um indivíduo por um grupo, em qualquer contexto, como uma família, grupo de pares, escola, local de trabalho, bairro, comunidade ou online.

Quando ocorre como abuso físico e emocional no local de trabalho, como “formação de quadrilha” por colegas de trabalho, subordinados ou superiores, para forçar alguém a sair do local de trabalho por meio de boatos, insinuações, intimidação, humilhação, descrédito e isolamento, é também referido como malicioso, não sexual, não racial/racial ou assédio geral.

Vítimas de mobbing no local de trabalho frequentemente sofrem de transtornos de ajustamento, sintomas somáticos, trauma psicológico (por exemplo, tremores traumáticos ou mutismo seletivo de início súbito), transtorno de estresse pós-traumático (PTSD) ou depressão maior.

Finalizando o assuntoGaslighting

O mais importante a saber de relações abusivas, relacionamentos tóxicos, Gaslighting e tudo o que trouxemos nesse texto é que você, ao identificar-se vítima de violência precisa solicitar ajuda especializada. Não será sempre que o apoio virá pois ainda estamos engatinhando como uma sociedade que se preocupa com esse tipo de violência.

Gaslighting, manipulação, não importa o nome que se dê, diminuem e violentam pessoas as transformando em objetos, e nesse aspecto, toda denúncia e trabalho com a rede de apoio é valida.

Para saber mais sobre Gaslighting e outras referencias bibliográficas


Gaslighting

https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2021/01/28/gaslighting-como-identificar-a-manipulacao-psicologica-em-relacionamentos.htm

https://www.vox.com/first-person/2018/12/19/18140830/gaslighting-relationships-politics-explained

https://counsellingresource.com/features/2011/11/08/gaslighting/

https://www.amazon.com/Gaslight-Effect-Survive-Manipulation-Control-ebook/dp/B000QCQ8X0

Ghosting

https://www.psychologytoday.com/us/blog/the-power-slow/201710/why-ghosting-is-leading-the-worlds-mental-health-crisis

Orbiting
https://www.independent.co.uk/life-style/love-sex/orbiting-dating-trend-meaning-single-people-ghosting-social-media-relationships-a8332126.html

Catfishing
https://www.begravitas.com/blog/the-psychology-behind-catfishing-behaviour

Casamento Predatório
https://www.huffpost.com/archive/ca/entry/predatory-marriages_b_16867824

Bullying
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3058261/

Mobbing
https://www.mobbing-usa.com

Caiu na rede meu video, o que fazer?

Curtiu o texto de Gaslighting? Vote nas estrelinhas e envie para alguém que pode gostar. Deixe o seu comentário, adoramos saber se vc curtiu.

Clique para votar
[Total: 6 Average: 4.8]

Psico Online - Psicólogas e Psicólogos 24 horas rápido, fácil e descomplicado. Psicologia Online para acolhimento psicológico. Somos uma plataforma de acolhimento psicológico 24 horas, ligando clientes e psicos, de maneira fácil e descomplicada. Reunimos profissionais da Psicologia, psicólogas e psicólogos, que oferecem orientação psicológica a fim de facilitar o acesso de pessoas que buscam auxílio profissional psicológico, em questões emocionais, de relacionamento, profissionais, autoconhecimento e saúde mental, de forma simples e rápida.

Gostaríamos de escutar o que você tem a dizer.

Rolar para cima