solidão no natal, tristeza no natal, natal, natal sozinho

A solidão no natal

2 min de leitura

Natal geralmente é um dia feliz, muita comida, bebida, presentes, gente falando e se abraçando por todos os cantos, mas pode haver solidão no natal também, sabia?

Aliás, pode ser que você até tenha uma festa para ir, pessoas para abraçar, presentes para dar e receber, mas no fundo o que sente é um abismo, uma vontade de esconder-se, um choro engasgado na garganta. Se você se identifica com isso, então esse texto é para você.

Essa época do ano costuma ser um pouco cruel para algumas pessoas, porque é uma data que vende uma ideia de felicidade. Pessoas reunidas em torno de uma mesa farta, roupas novas, presentes, árvores de natal cinematográficas. A gente vê as propagandas de TV e pensa como fazer pra conseguir tudo aquilo.

Muitos de nós não tem com quem passar o natal, porque moramos longe da família, porque estaremos trabalhando, porque não nos sentimos bem e de alguma maneira, a mídia faz a gente pensar que falhamos. Porque estamos na contramão do que o mundo estará fazendo à meia noite do dia 24.

Clique e fale com um Psicóloga Online agoraO que eu quero contar hoje, é que o natal é só mais uma data e não adianta ser feliz nesse dia, comemorar e gastar todo o seu dinheiro com presentes, se nos outros 364 você estiver mal, inclusive porque agora terá uma dívida para pagar.

Natal é um dia como outro qualquer. Pense um pouquinho.

Se estiver triste e sentindo aquele frio da solidão porque vai passar a data trabalhando, coloca uma intensão pra esse trabalho. Algo que te faça bem quando você pensar a respeito. Por exemplo, hoje vou trabalhar e o dinheiro desse dia vai para uma obra de caridade ou para iniciar uma poupança para as tão sonhadas férias. Trabalhe com esse pensamento na cabeça, vai ficar bem mais leve!

Se sua solidão natalina deriva da ausência de pessoas queridas, te dou duas opções de como superar, mas existem outras tantas. Procure uma série, Netflix nessas horas ajuda bastante. Outra opção é buscar pessoas que também possam estar sozinhas, aproveita essa deixa pra conhecer gente nova 😉

Agora se sua solidão de final de ano parece não ter resolução, nem uma causa específica, já pensou em procurar por ajuda profissional? Volta lá no início do texto, quando eu disse sobre estar no meio da festa e sentir um abismo. Essa tristeza chatinha pode ser uma depressão, você pode estar precisando conversar, desabafar, reorganizar sua vida.

Não deixe que te digam que natal é dia de ter fartura e sorrir sem parar, mas busque a tranquilidade e paz interior, para fazer seu natal quando bem entender, inclusive nos 365 dias do ano, se quiser.

E pra finalizar, não precisa de fartura pra ser feliz. As vezes um copo d´água e uma boa conversa fazem a melhor noite da sua vida. Não permita que a sociedade dite as regras da sua felicidade, do seu bem-estar, encontre-as ou crie-as você!

Você vai gostar de ler também:

Advertisements
Raquel Ferreira
CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Participe, queremos ler o que você tem a dizer