vontade de morrer, vontade de sumir, pessoa triste

Sinto vontade de morrer e agora?

1 min de leitura

Sinto vontade de morrer. Acordo pensando em como seria bom se esse sofrimento acabasse. Desejo que algo me aconteça e assim essa dor termine.

Confesso que eu mesma já tive esses pensamentos e que por vezes, já os ouvi na boca de muitos de meus pacientes. Deixar de existir tem sua poesia, seu alívio utópico, mas não resolve de verdade os problemas.

Tenho refletido muito sobre isso, sobre como lidamos com os problemas que a vida insiste em nos impor e que, as vezes, parecem não ter solução e muito menos, prazo pra acabar.

Recorremos aos remédios. Às práticas rápidas e aparentemente mais eficazes para dar fim as dores que nos atormentam. Pagamos caro pelas pílulas da felicidade, pelas cápsulas manipuladas com efeitos de amortecimento daquilo que tira nosso sono, mas não nos permitimos “gastar tempo” resolvendo o que causa essas angústias.

Ah o alívio imediato! Parece tão mais fácil pagar por ele.

Clique e fale com um Psicóloga Online agoraSim, de fato parece, mas não há pílulas para o amadurecimento, nem pastilhas para o autoconhecimento ou para a resiliência. Não existem nas farmácias fórmulas capazes de mudarem nossas escolhas ou de tornarem as situações menos sofríveis e mais palpáveis.

E é aí que entra a psicoterapia, algo que não costuma ser doce, mas que te abre um universo de novas possibilidades sobre sua vida, suas escolhas e sobre você.

Sobre como lidar ou como mudar diferentes situações, como assumir o controle ou a responsabilidade, sobre amadurecer e tomar decisões, sobre olhar-se, reconhecer limites e respeitar-se.

A psicoterapia te ajuda a resolver aquilo que tem motivado o desejo de não mais existir. Te ajuda a enxergar e organizar o tanto de situações e problemas que te dão vontade de morrer. Ela possibilita que você perceba que há saída, várias, as vezes.

A psicoterapia te auxilia a encontrar o que causa as angústias, olhar para isso e limpar a bagunça. Não é mágica, o processo é longo, exigente, mas transformador.

Então, se você estiver pensando em desaparecer ou coisas do tipo, que tal procurar ajuda?

Você vai gostar de ler também:

Raquel Ferreira
CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Participe, queremos ler o que você tem a dizer