semelhantes a nos mesmo no psicoonline

Semelhantes a nós mesmos: somos diferentes do outro.

2 min de leitura · 

Semelhantes costumam ter características parecidas, mas são diferentes e algumas vezes, muito diferentes. E é dessa dinâmica que trataremos aqui hoje.

Para começar, sigo a linha de construção da origem de uma palavra assim que a escolho para o texto, e já explico o motivo.

Antes de abordar o assunto verifico sempre a etimologia – que é estudo da origem e da evolução das palavras – e penso se ela se encaixa no texto e também no contexto que darei ao assunto a ser tratado.

No caso de semelhantes, nos aproximamos da simulação.

A simulação é outro caminho que a raiz de origem da palavra seguiu: do latim simulan.

E percebam a curiosidade: uma simulação é algo “semelhante”, porém não igual, ao real, com características muito parecidas, mas ainda assim, perceptivelmente desiguais ou diferentes.

Enfim, nossa linguagem é dinâmica como nós somos, seres humanos, mas seus significados conseguem estruturar e definir semelhanças, assim como nossas características próprias, individuais e grupais.

Somos semelhantes a nós mesmos assim como somos semelhantes aos outros, e ainda assim, com o tempo, não somos mais iguais éramos há alguns minutos.

Mas ainda assim, conseguimos agrupar as igualdades que percebemos.

O significado de uma palavra é social, compartilhado, fossilizado.

Nossa estrutura é assim. “Não mudamos”. Balela. Você acabou de mudar: pensou, células morreram, o tempo passou e você envelheceu alguns segundos.

Tentar frear isso é tentar represar algo que transbordará por seus próprios caminhos.

E o sentido é o que damos a ela (o contexto).

É onde estamos inseridos.

E esse contexto é subjetivo – podendo ser interpretado por diferentes visões no tempo – pois é aí que estão as diferenças e as variáveis que compõe o nosso universo.

O sentido é dinâmico, temporal e instável.

Por isso é tão complicado nos entendermos e por isso que surgem gírias e os “eu não quis dizer exatamente isso”.

Nós somos frutos de um grupo.

O cara, ao seu lado no ônibus é um semelhante, mesmo sendo tão diferente de você.

A dor que ele sente, embora semelhante, é totalmente diferente, pois o outro é diferente de você, embora semelhante também.

Lembre-se, que o semelhante não é igual. Semelhante é uma coisa, igual é outra. Do mesmo modo que igualdade e equidade (mas aí já é outro texto).

Pense também que acreditar que as semelhanças farão você ter conhecimento para lidar da mesma maneira com alguma coisa, é um equivoco.

Tente brincar com um gato doméstico e um gato selvagem (que são semelhantes) mas não iguais.

Somos semelhantes a nós mesmos, e ao que fomos a alguns minutos.

Somos semelhantes a pessoa que estão nos cercando, mas ainda assim, não somos iguais e será um erro acreditar que a dor e a situação do outro é a mesma.

Eu sei como você se sente. Impossível. Você não é o outro.

Mas você pode ser empático ou empática, e, com base naquilo que você conhece, sabendo que o outro é diferente, tentar entender como deveria fazer.

É um exercício e convido você a tentar.

O quanto este post foi útil para você?

Clique nos corações para votar!

Média / 5. Contagem de Votos:

Sentimos muito por este post não ter sido útil para você.

Nos diga como melhorar as postagens

Raul Oliveira

Formado em Administração com ênfase em Marketing, workaholic geek que respira tecnologia, pesquisador e mestrando em tecnologias da inteligência e design digital hoje está no papel de graduando em Psicologia é um dos fundadores do Psico.Online e do MeuPsicoOnline.com.br

Participe, queremos ler o que você tem a dizer