levantar da cama, pessoa deitada na cama

Quando me faltam forças pra levantar da cama

2 min de leitura

Eu tenho pensado muito sobre a preguiça, a falta de energia e a tristeza. Coisas que, as vezes, nos fazem querer grudar na cama e não sair nunca mais.

Aqui onde eu moro faz frio nesse momento e eu constantemente perco a hora de levantar e acabo me atrasando para o compromisso do dia. Gosto de dormir, gosto de ter aquela preguicinha de domingo e de vez em quando, mesmo durante a semana, ela aparece e me vence.

O frio também faz com que algumas pessoas tenham menos energia (sou convicta de que sou uma dessas). Alimentar-se inadequadamente também causa queda de energia vital. A desmotivação em realizar determinada tarefa também faz a energia se esconder.

Mas as vezes tem uma tristeza por detrás disso tudo. Dessa preguiça, dessa falta de energia, dessa vontade de grudar na cama.

Essa tristeza pode ter um motivo, pode ter vários e pode não ter nenhum. Pode ser só um momento de maior introspecção, de frustração, mas pode ser uma depressão.

Clique e fale com um Psicóloga Online agoraE a verdade é que seria bom a gente conseguir diferenciar entre uma coisa e outra. Se for preguiça, teremos de lutar contra ela. Reorganizar os horários, dormir mais cedo, fazer menos coisas.

Se for falta de energia, cansaço, precisaremos rever nossos hábitos. Comer melhor, fazer exercícios, buscar coisas que nos motivem.

Mas se for uma dessas tristezas que chega como quem não quer nada e vai dominando o espaço todo, precisaremos de ajuda. Ela pode até ser passageira, mas pode ser difícil lidar com ela. Pode ser que as pessoas ao seu redor não te entendam, achem que você está fazendo corpo mole, que não se esforça, mas a gente sabe que tem vezes em que é impossível se deslocar de um lado pro outro.

Leia também: diferença entre tristeza e depressão

Se você tem percebido que algo vai mal na sua vida, que essa vontade de não sair de casa persiste, que ficar na frente do videogame tem parecido bem mais confortável que encontrar os amigos, que tal conversar com um psicólogo ou uma psicóloga?

Você também pode tentar se reorganizar antes. Estabelecer uma rotina, inserir atividades que te pareçam prazerosas no dia a dia, mas se os sintomas persistirem, procure um profissional. Isso tem cura, mas precisa ser cuidado.

Sentir-se preguiçosamente incapaz de sair da cama ou ver gente de vez em quando é normal, mas deixar de interagir com o mundo não, ok?

Você vai gostar de ler também:

Advertisements
Raquel Ferreira
CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Participe, queremos ler o que você tem a dizer