bariátrica, pessoa na balança, pessoa se pesando

O que vem depois da cirurgia bariátrica?

2 min de leitura

Você toma uma das decisões mais difíceis da sua vida, faz a cirurgia bariátrica, na esperança de controlar o peso, de renovar a imagem, de conquistar a tão sonhada autoconfiança e de quebra a autoestima, mas um tempo depois percebe que algo vai mal, que alguns impulsos passam a não ser mais controlados, que a compulsão pela comida muda de cara, vem outros transtornos alimentares, medos, frustrações.

Eu sei que para conseguir fazer a cirurgia bariátrica a pessoa precisa passar por várias avaliações, inclusive a avaliação psicológica, já fiz essa avaliação para alguns pacientes e acho importantíssimo que se preocupem com a psique em ordem para poder enfrentar todo o processo de emagrecimento.

O que temo é que nem todo cirurgião ou nem todo paciente, se atente a necessidade de permanecer acompanhado nesse processo.

Façamos uma breve análise do que te levou a ganhar peso. Geralmente o sobrepeso está associado a ansiedade, ao descontrole emocional, aos traumas vivenciados ao longo da vida, aos medos. Você come para se acalmar, come para sentir-se feliz, come para se esconder ou para se proteger. Aos poucos você vai percebendo seu corpo se alterar, pouco a pouco percebe que isso influencia na sua saúde. O tempo passa e sua insatisfação só aumenta, vem a decisão, você opera.

O que ninguém te contou é que com o pedaço do seu estômago que foi embora, não foram os medos, as incertezas, as inseguranças, os traumas, a ansiedade, o descontrole. Eles permanecem aí, um a um, dentro de você. Só não cabem mais dentro do seu estômago.

Clique e fale com um Psicóloga Online agoraVocê começa a perder peso, a princípio vem a empolgação,  a felicidade por estar conquistando o que buscou, mas de repente vem aquela frustração no trabalho ou você briga com a melhor amiga, pode ser que a prova do final de semana te deixe tão ansiosa que você só pensa em comer, mas não pode.

E ninguém te ensinou a lidar com isso. Você não tem repertório para enfrentar esses obstáculos. E agora, José? Já dizia Drummond.

E agora procure ajude, ressignifique seu modo de agir, de pensar, de existir. Não adianta só mudar a imagem que se reflete no espelho, a mudança real precisa vir de dentro pra fora. Precisa começar na cabeça. Enfrente seus medos, busque outras alternativas, mas que sejam saudáveis. Aprenda a lidar com a frustração, com a ansiedade.

Invista em você, em seu crescimento pessoal. Eu sei que isso vai parecer propaganda de mercadoria, mas garanto, não é. Sem a ajuda de um psicólogo capacitado, todo o seu esforço, toda a sua batalha pra perder peso podem ser em vão, não permita isso.

Existem alguns problemas que a gente não precisa de remédio pra resolver, mas precisa de intenção, de maturidade, de amor próprio, as vezes não conseguimos chegar a isso sozinhos, mas com ajuda, chegaremos e sempre é tempo para começar.

Você vai gostar de ler também:

Advertisements
Raquel Ferreira

CRP 6/101759 – Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.


Raquel Ferreira

CRP 6/101759 – Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Participe, queremos ler o que você tem a dizer