medo de dar errado, menino com medo

O medo de dar errado (ou de dar certo)

2 min de leitura

Tenho pensado bastante sobre o medo de dar errado, que a gente tem praticamente por toda a vida. E que atire a primeira pedra quem nunca, em nenhum momentozinho sentiu esse medo roendo o dedão do pé.

A gente tem medo de dar errado e a gente tem medo de dar certo, também. Porque dar certo, diga-se de passagem, significa ter que assumir mais responsabilidades.

E é aí que entram as nossas boas e velhas sabotagens.

Queremos aquela promoção no trabalho, mas ao invés de entregar o relatório em dia procrastinamos até perder o prazo.

Queremos guardar dinheiro, mas toda vez o cartão de crédito está na carteira e sempre tem uma novidade no shopping, gritando por nós.

Queremos encontrar aquele amigo, mas sempre tem alguma coisa mais importante pra fazer antes.

E assim, segue a vida, com mil desculpas para não “darmos certo”. 

cliqueefaleTomemos o exemplo da procrastinação no trabalho. Você tem medo da demissão, do desemprego e isso seria “dar errado” na vida. Daí surge a oportunidade de você assumir um novo cargo, mais bem remunerado, mas com mais tarefas e responsabilidades para entregar e, você tem medo de não dar conta. Então perceba, temos medo de dar errado e de dar certo!

E dessa forma passamos a vida na famosa zona de (des)conforto. Onde tudo é conhecido e controlável. Veja que usei o prefixo “des” na frase acima. Proposital, porque a zona de conforto nos faz sofrer, mas ainda assim, nos apegamos a ela, porque reconhecemos aquele terreno.

Sabemos de cada medo, de cada incerteza que aquele lugar guarda e lidamos melhor com esses sofrimentos, do que com as incertezas do desconhecido.

Pensando nisso tudo, eu disse pra mim mesma: faz um favor pra você? Arrisca!

Encara esses monstros do desconhecido e assume o risco de dar certo e o de dar errado, também. Se der errado, a gente recomeça outra vez, e quantas forem necessárias.

Cerque-se de pessoas do bem, pessoas com as quais você pode contar. Que te deem apoio e abraço. Que te orientem, te animem.

Vence esses medos! Eles sempre existirão. Hoje ou amanhã, um ou outro medo vai aparecer, mas cabe a você, decidir se fica e espera ele te engolir ou se assume as responsabilidades, as incertezas e inseguranças e lida com cada uma, até superá-las todas 😉

E se tudo der certo, a gente comemora e segue aprimorando a arte de dar conta de novas responsabilidades, de novos desafios!

Você vai gostar de ler também:

Raquel Ferreira
CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Participe, queremos ler o que você tem a dizer