desejo sexual, casal na cama, tesão, briga de casa, desejo sexual, intimidade, rotina

O desejo sexual desapareceu e agora?

2 min de leitura · 

As vezes parece que o desejo sexual se escondeu dentro da geladeira, não é mesmo?

Mas por que será que isso acontece e tem solução pra esse mal?

Esse texto vai em resposta à uma Caixa de Segredos, a pessoa nos conta um pouquinho de sua vida e diz que já não consegue mais ter relações com seu par

o desejo sexual sumiu!

Pois saiba que você não está sozinha. Cerca de 15% a 35% das mulheres terão alteração ou perda total da libido em algum momento da vida, mesmo amando seu/sua parceir@ e sentindo-se amada.

Isso pode estar relacionado a diversos fatores como alterações hormonais, amamentação, cansaço, dor durante o sexo, estresse, uso de alguns medicamentos e ROTINA!

Sim, a rotina pode ser uma grande vilã dentro de casa. Com o tempo, as manias, a acomodação, a coisa vai ficando sem graça, já não há mais aquele esforço pra conquistar o par, o sexo fica em segundo, terceiro, quarto plano e se vocês tiverem filhos ou dividirem a casa com mais alguém, então, o problema dobra.

É preciso diálogo e um certo jogo de cintura pra sair dessa.

Primeiro avalie como você tem agido em relação a vida à dois. Tem se dedicado, reservado um tempo para o casal, dado a devida importância pra isso? Vocês tem tido momentos só de vocês, tem feito coisas diferentes, tem saído da rotina?

Depois dessa análise, verifique como age o seu par, primeiro faça a avaliação dele/dela, depois peça que a pessoa se auto-avalie.

É sempre importante lembrar que não dá pra uma relação dar certo se só um dos lados trabalha pra isso.

A relação precisa da entrega e da cumplicidade de ambos pra funcionar.

Tendo vocês conversado, analisado um ao outro ou uma a outra e se auto-analisado (não é pra ser uma inquisição, hein?! é pra ser um bate-papo saudável), é hora de ver o que dá pra melhorar.

Pode-se tentar novas posições, inserir alguns brinquedinhos na relação, assistir um bom e excitante filme.

Pode-se tentar lugares novos, uma lingerie mais caliente, uma massagem sensual.

Pode-se dar um trato no cabelo, na barba, no visual, colocar uma roupa bacana, preparar um jantar à luz de velas.

Pode-se pedir licença para aquela pessoa que divide a casa com vocês, mandar os filhos pra casa da tia, só por umas horinhas.

O segredo é quebrar a rotina.

E se nada disso der certo, talvez vocês precisem de uma boa terapia de casal, pra tentar entender onde está o X da questão, já que sabem que existe amor, que querem estar junt@s, mas não conseguem fazer com que suas almas se encontrem.

O quanto este post foi útil para você?

Clique nos corações para votar!

Média / 5. Contagem de Votos:

Já que você achou este post útil, compartilhe ele nas redes sociais.

Acompanhe-nos nas redes sociais

Sentimos muito por este post não ter sido útil para você.

Nos diga como melhorar as postagens

Você vai gostar de ler também:

Raquel Ferreira
CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Participe, queremos ler o que você tem a dizer