mudar de vida, mudar, mudança, mudar de vida, recomeçar

Mudar de vida: atitudes para recomeçar

2 min de leitura · 

Mudar de vida

Quem nunca digitou no Google: atitudes para mudar de vida está perdendo a oportunidade de ser outra pessoa.

Na verdade, confesso que acabei de fazer isso e me surpreendi com a quantidade de coisas relacionadas, dá realmente pra reformular boa parte da nossa história e se não der pra mudar quem somos, dá pra melhorar como agimos, pelo menos.

Na onda das dicas, vamos hoje proporcionar à você a nossa lista de pequenas atitudes que podem te ajudar a mudar.

Não é nenhuma mágica, algumas dicas estão baseadas em experiências próprias, outras em leituras técnicas e algumas outras, bem, em leituras menos científicas, mas cheias de gentilezas.

Pequena lista de atitudes para mudar de vida:

1- Faça um rápido exame de consciência. Liste as coisas que aparecerem em sua mente e que precisam de alguma mudança. Não existe um limite, liste quantas lhe aparecerem. Deixe essa lista em algum lugar bem visível, para que você possa se recordar de suas “tarefas”.

2- Fale menos de trabalho. Quando sair de seu ambiente corporativo, o ideal é que você possa fazer coisas totalmente diferentes, falar de outros assuntos, descansar sua mente.

3- Alimente-se de maneira consciente. Não estou falando que não pode comer fast foods, mas quando nos percebemos comendo, somos capazes de entender se aquele alimento realmente faz bem. Para o corpo, para a alma, para o coração.

4- Leia. Ler te faz viver em outros universos, aquece suas angústias, dissolve seus medos. Leia tudo, do romance ao livro de física aplicada, sempre que puder. Ler amplia sua existência, suas ideias e seus ideais.

5- Pratique atividade física. Permita que seu corpo te leve para uma caminhada, para uma dança, para uma volta de bike. No começo parece um pouco difícil, até chato, mas quando você termina, ah a sensação é sem igual. Mexer o corpo faz com que a produção de hormônios da felicidade sejam produzidos em maior quantidade, olha que recompensa!

6- Observe. Olhe para a paisagem, para as pessoas, para você. Tem coisas que com o tempo e a rotina perdem o sentido, deixam de ser admiráveis, mas basta alguns minutos de concentração e somos capazes de reconhecer o universo de coisas incríveis ao nosso redor e dentro de nós.

7- Ensine. Ensinar é aprender duas vezes, não é mesmo? Quando ensinamos algo à alguém nos damos a chance de assimilar melhor as ideias e conceitos e de quebra, ainda ganhamos a sensação de ter contribuído para melhorar a vida do outro.

Leia também “10 dicas para melhorar sua autoestima”

8- Sorria, ria. Dos outros, da situação, de você! Sorrir deixa a vida mais leve, muda o dia, traz cor pra sua vida.

9- Chore. Engolir o choro nunca foi e nem nunca será uma coisa boa. Quem engole o choro pode se engasgar com a própria decepção. Bota pra fora!

10- Resolva pendências. Sabe aquela listinha que fizemos no item 1? Comece a planejar e pratique as mudanças, nem que seja em pequenas doses diárias. Resolva os mal-entendidos, as brigas, as dívidas. Resolva tudo aquilo que deixa a sua prateleira da vida empoeirada e desorganizada.

E se você gostou das dicas, compartilha e ajuda mais pessoas a buscarem mudanças, a ficarem bem consigo e com o mundo 😉

Você vai gostar de ler também:

Raquel Ferreira
CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Participe, queremos ler o que você tem a dizer