pensar, criança pensando, pensamento

Já parou para pensar sobre o que você pensa?

4 min de leitura · 

Você já parou para pensar no que você pensa?

O que está passando pela sua cabeça nesse exato momento?

Todos os dias imergimos em diversas atividades e afazeres.

São tantas coisas para resolver: contas, planos, estudos, compromissos, atividades físicas, encontros, visitas, etc. Enfim, uma infinidade quase inumerável de tantas coisas que passam pela nossa cabeça e com as quais lidamos mentalmente.

Essas coisas que se passam pela nossa cabeça podem ser entendidas como pensamentos, sem os quais a vida seria bem diferente do que normalmente é.

Nenhuma atividade que façamos ocorre de forma separada do pensamento, ou seja, o pensamento influencia nossas ações.

Você não pode querer correr 10 minutos se não tiver minimamente pensado nessa possibilidade. E mesmo que você diga que fez “algo sem pensar”, a verdade é que, de alguma forma pensou, porém, o pensamento não estava claro para você.

Isso porque o pensamento pode aparecer em diversos níveis da nossa consciência e por isso nem sempre estamos conscientes quando eles ocorrem.

Nossos pensamentos são interpretações que aprendemos ao longo da vida.

Clique e fale com um Psicóloga Online agoraAprendemos com as nossas experiências pessoais, com o que outros nos ensinaram e com outras tantas formas de aprender.

Construímos interpretações sobre o mundo externo (pessoas, situações, objetos), sobre o tempo (passado, presente e futuro) e sobre nós (por nós mesmos e em relação aos outros).

A partir dessas formas de interpretar/pensar é que tomamos nossas decisões e ações.

São como óculos, para vermos o mundo, nos dando mais clareza das informações necessárias para agir. Porém, essas lentes têm limites e não conseguem mostrar tudo o que precisamos enxergar.

Para ficar claro, pense em óculos escuros como exemplo.

Apesar de podermos ver as formas com nitidez, a lente escura muda a percepção de luz e das cores, assim não vemos as coisas como elas estão. O pensamento não é diferente.

Os pensamentos podem ser tanto funcionais como disfuncionais.

Por funcionais entenda aqueles que funcionam para que nós possamos viver bem.

Por exemplo: lembrar daquilo que estudamos, de um conselho importante, do caminho de casa ou outra coisa.

Sendo que um pensamento só é funcional dependendo do contexto: imagina lembrar da receita de bolo na hora da prova? Parece estranho, mas acontece bastante.

Esses pensamentos que não estão de acordo com a necessidade da situação e que, até podem ser prejudiciais a ela, são os que chamamos de pensamentos disfuncionais.

Um bom exemplo de pensamentos disfuncionais são aqueles que, numa situação estressante, reforçam o estresse.

Pense numa situação difícil (um teste ou prova) que tem um nível de estresse razoavelmente comum, porém, que pode despertar pensamentos disfuncionais relacionados a ela, como por exemplo, pensar que irá se dar mal, que não consegue, e por ai vai…

Num velório, por exemplo, pode ser que alguém lembre de uma situação engraçada e ria (mesmo que baixinho). E isso não é algo considerado disfuncional. Porém, a gente já fica atento, caso numa situação considerada ruim, alguém tenha o hábito de rir intencionalmente da desgraça alheia. Enfim, em relação a essa questão, o que você pode manter em mente é:

Um pensamento funcional adapta-se ao contexto da melhor forma possível. Já o pensamento disfuncional não se adapta.

Simples, né? Parece que sim. Mas, há mais coisas.

Como tinha dito antes, nem sempre estamos conscientes de nossos pensamentos quando eles ocorrem.

Se precisássemos ficar atentos a todos os nossos pensamentos, certamente ficaríamos cansados de tanto pensar. Então, por conta disso, nossos pensamentos podem ser automatizados. Ou seja, ao exercitarmos sempre o mesmo tipo de raciocínio, com o tempo ele torna-se tão comum, que não precisamos de esforço para que ele aconteça.

Isso acontece, por exemplo, quando fazemos contas simples, conversamos, aprendemos a dirigir, escrever, etc.

Primeiro você usa sua atenção para treinar e aprender algo, depois de um tempo, fica automatizado.

Os pensamentos tornam-se automáticos assim: repetindo-os até que seja simples eles virem à consciência. Porém, o fato de não estarmos conscientes dos pensamentos que temos, não significa que eles não estão ocorrendo.

Já viu aquelas pessoas que fazem algo sem perceber que estão fazendo?

Que pensam em algo e esquecem que estão cozinhando, escrevendo, etc. Acontece que, muitas vezes, aprendemos coisas que nem sabemos como aprendemos. Por isso a importância de se estar atento ao que se pensa.

Recapitulando: tudo o que fazemos depende do que pensamos. Nossos pensamentos são aprendidos ao longo da vida. Eles são interpretações, como lentes, que usamos para ver o mundo, as pessoas e a nós mesmos.

Nossos pensamentos podem ser automatizados, sendo, muitas vezes, não-conscientes, funcionais ou não.

Então, o que você pensou sobre isso tudo?

Pode compartilhar o que se passou na sua cabeça conosco?

Até a próxima! Saúde e Paz!

Você vai gostar de ler também:

Alex Daniel Rodrigues de Souza
Psicólogo CRP 21/02777 pela Universidade Federal do Piauí. Especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental pelo Instituto Domingos Batista, Parnaíba-PI. Psicólogo, terapeuta cognitivo-comportamental e consultor em desenvolvimento pessoal e profissional. Natural e residente em Parnaíba, a poucos kms do mar. Músico amador. Apreciador das boas coisas da vida.
Alex Daniel Rodrigues de Souza on Instagram

Alex Daniel Rodrigues de Souza

Psicólogo CRP 21/02777 pela Universidade Federal do Piauí. Especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental pelo Instituto Domingos Batista, Parnaíba-PI. Psicólogo, terapeuta cognitivo-comportamental e consultor em desenvolvimento pessoal e profissional. Natural e residente em Parnaíba, a poucos kms do mar. Músico amador. Apreciador das boas coisas da vida.

3 thoughts to “Já parou para pensar sobre o que você pensa?”

Participe, queremos ler o que você tem a dizer