mentira

Dia da mentira: quando isso vira uma doença

2 min de leitura · 

Hoje é primeiro de abril, dia da mentira. Então, primeiramente vamos entender de onde surgiu isso. Reza a lenda que essa história começou na França, mais precisamente em 1564, quando o então rei, Carlos IX, decidiu instituir um novo calendário denominado de gregoriano (porque foi criado pelo Papa Gregório XIII), alterando assim todas as datas comemorativas, inclusive o ano novo que era comemorado sempre no dia 25 de março e se estendia numa festança até o dia 01 de abril. Acontece que boa parte dos franceses levaram um tempo pra ter conhecimento dessas alterações todas e continuaram a comemorar o ano novo do jeitinho de sempre e foi aí que começou a bagunça. O povo que já sabia da troca, começou a zombar desses franceses desavisados e a acusa-los de comemorarem de forma mentirosa a passagem de ano. Essa história logo se espalhou por todo o ocidente e daí vem o tal dia da mentira 🙂

Bem, explicado o contexto do dia, vamos a um dado preocupante à respeito da mentira.
Mentir é uma ação deliberada e intencional de alterar ou inventar fatos. A tendência compulsiva pela mentira é uma doença, chamada de Mentira Compulsiva ou Mitomania. Não existe UMA causa para que isso se torne um problema real, mas um conjunto de fatores que podem transformar a vida da pessoa num caos, vejamos:

  • relacionamentos problemáticos;
  • relações parentais distorcidas;
  • genética;
  • histórico e experiências de vida;
  • baixa auto-estima;

A mitomania pode começar desde a infância e essa pessoa sabe que está mentindo, mas não é capaz de controlar ou impedir esse ato. Com o tempo, a supervalorização das crenças e os não enfrentamentos de angústias e frustrações, a coisa vai se tornando sem limites e a pessoa passa a mentir mesmo sem necessidade e os “mentirosos” passam até a acreditar em suas próprias mentiras. Dizer a verdade, no caso dessas pessoas, é algo extremamente desconfortável. É importante saber que a mentira compulsiva causa danos às relações, prejuízos à vida do mentiroso e de quem o rodeia.

O diagnóstico da mitomania pode ser feito por um psiquiatra ou por um psico e o tratamento geralmente é com um psico, não necessitando de intervenção medicamentosa. A punição quando se descobre a mentira da mitomania não é saudável, pois acaba dificultando a busca e/ou permanência do tratamento. Então, entenda que o mentiroso compulsivo precisa de compreensão e seja paciente, incentivando-o a procurar ajuda o quanto antes.

Quer saber mais sobre esse assunto? Escreve pra gente, você pode usar os comentários ou a Caixa de Segredos 😉

Outras referências sobre o dia da Mentira:

O quanto este post foi útil para você?

Clique nos corações para votar!

Média / 5. Contagem de Votos:

Sentimos muito por este post não ter sido útil para você.

Nos diga como melhorar as postagens

Raquel Ferreira

CRP 6/101759 - Graduada pela Universidade São Francisco, mestre em Ciências da Saúde pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. Psicóloga clínica desde 2010, busca constante aprimoramento na abordagem analítica. Estudou Cinesiologia no Instituto Sedes Sapientiae, frequentou grupos de estudo e supervisão teórica na Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica de São Paulo e ainda, integrou o grupo de Neurociências do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Atualmente é doutoranda em Psicologia Social, pela Universidad Complutense de Madrid.

Participe, queremos ler o que você tem a dizer