Ansiedade e fome os transtornos alimentares no psicoonline

Ansiedade e fome, porque paramos de comer ou comemos demais

4 min de leitura · 

Ansiedade e fome são dois conceitos que muitas vezes andam de mãos dadas.

Em muitas ocasiões, quando estamos nervosos, abre-se um apetite voraz que nos leva a comer muito ao longo do dia (quem não passou por isso nas festas ou rodízios?).

Por outro lado, o oposto também ocorre, nosso estômago “fecha” e não podemos comer nada.

Por que algumas pessoas comem demais e outras param de comer? Existe uma diferença emocional? 

Aparentemente, quando a ansiedade está associada a sintomas depressivos, passamos fome, e quando esses sintomas não ocorrem, sentimos uma necessidade excessiva de comer.

A pesquisa científica sobre este assunto ainda está em desenvolvimento, então aqui vamos oferecer algumas das conclusões mais importantes baseadas em alguns dos estudos listados abaixo.

Estresse, ansiedade e fome em excesso

Vivemos cercados por muitas tarefas: trabalhar, estudar, fazer comida, limpar, cuidar de crianças (quem tem) e muitas outras intermináveis ​​tarefas intermináveis.

Somado a isso, também vivemos situações mais ou menos desagradáveis. Más notícias de um membro da família, infidelidade, traição, etc. Tudo isso pode causar um excesso de estresse e ansiedade que, entre outras coisas, pode afetar nossa ingestão de alimentos.

O estresse e a ansiedade diária podem produzir sensibilização crônica nas áreas subcorticais que estão na base do impulso alimentar (Lyvers, 2000). Por outro lado, as áreas relacionadas à produção de dopamina tornam-se hiperreativas. 

A hiperativação tanto por causa da ansiedade, como por causa de estímulos relacionados à comida ou comida em si acabam afetando diretamente nossa vontade de comer. Desta forma, nos tornamos mais suscetíveis a sentir desejos por comida e desencadeia-se um comportamento excessivo de ingestão.

Então Lyvers observa que “a ansiedade é experimentado como algo irracional dada a redução óbvia do controle inibitório do córtex frontal sobre os sistemas subcorticais que medeiam respostas incentivos apetitivos e comportamentos automáticos e inconscientes” .

Por outro lado, a diminuição da serotonina como “causa” do consumo excessivo também é indicada.

Marta Garaulet, Professor de Fisiologia e Nutrição da Universidade de Murcia, observa que “os estudos mostram que a ingestão de hidratos de carbono aumentam a disponibilidade do seu precursor, o triptofano, por isso a formação de serotonina aumenta. Em suma, comer doces nos deixa mais felizes “ .

Emoções negativas e falta de fome

A maioria das pesquisas sobre ansiedade e fome se concentra em comer demais.

Daí a dificuldade de encontrar estudos que expliquem o motivo da redução do apetite. No entanto, Sheppard-Sawyer, McNally e Fischer (2000), apontam que quando as emoções negativas são sentidas , o comportamento alimentar é reduzido.

Marta Garaulet diz que a falta de apetite pode estar relacionada a uma resposta hormonal.

Garaulet postula que, se o estresse é pontual, “prevalece a resposta da adrenalina ao cortisol, que diminui o apetite e também mobiliza a gordura do corpo” .

No entanto, se o estresse é crônico, o professor diz que o cortisol cru em adrenalida, e, portanto, aumenta o apetite e também “mais gordura se acumula no tecido diposo abdominal que é onde temos mais concentrado receptores de cortisol” .

O Dr. Esteban Jódar, endocrinologista, explica que a diferença entre a fome ou a falta dela depende do tipo de estímulo que causa ansiedade.

Assim, o “nó no meu estômago” que nos impede de comer pode ser explicado, entre outras razões, por uma predominância de emoções negativas que nos causam uma resposta maior de adrenalina em cortisol.

Lembre-se que o cortisol é um hormônio glicocorticóide que é liberado em resposta ao estresse.

Neste ponto, é importante distinguir que o estresse não precisa estar relacionado a uma emoção negativa.

Não é o mesmo viver com o estresse a ponto de sofrer ansiedade devido à morte de um parente. Então, embora precisemos nos acalmar em ambas as situações, a primeira é por causa do excesso de atividade e a segunda por causa de uma perda. Por isso, será importante ver se por trás dessa ansiedade reside uma emoção negativa ou um excesso de exigências.

Apesar dos processos químicos que são desencadeados no corpo, a importância de uma gestão emocional correta torna-se evidente. Saber controlar nossas emoções é fundamental para evitar um sentimento contínuo de fome ou um “nó” em nossos estômagos .

Exercício físico, dieta balanceada, meditação … são elementos que nos ajudarão a manter uma saúde emocional saudável. Isso nos permitirá manter nossos hormônios e neurotransmissores funcionando em ordem sem alterar nosso comportamento.

Bibliografia

  • Lyvers, M. (2000). “Perda de controle” no alcoolismo e toxicodependência. Psicofarmacologia Experimental e 
    Clínica, 8 (2), 225-249.
  • Rodríguez, S., Mata, J. e Moreno, S. (2007). Psicofisiologia do desejo por comida e bulimia nervosa. Clinic and Health, 18 (1), 99-118.
  • Sheppard-Sawyer, C., McNally, R. e Fischer, JH (2000). Tristeza induzida pelo filme como um gatilho para uma alimentação desinibida. International Journal of Eating Disorders, 28 , 215-220.
  • Silva, J. (2007). Superalimentação induzida pela ansiedade parte I: evidências comportamentais, afetivas, metabólicas e endócrinas. Terapia psicológica, 25 (2) , 141-154.
  • https://www.psicoactiva.com/blog/ansiedad-y-hambre-por-que-dejamos-de-comer-o-comemos-en-exceso/ traduzido e adaptado.08

O quanto este post foi útil para você?

Clique nos corações para votar!

Média / 5. Contagem de Votos:

Já que você achou este post útil, compartilhe ele nas redes sociais.

Acompanhe-nos nas redes sociais

Sentimos muito por este post não ter sido útil para você.

Nos diga como melhorar as postagens

Você vai gostar de ler também:

Psico.Online
Psico Online - Psicólogas e Psicólogos 24 horas rápido, fácil e descomplicado. Psicologia Online para acolhimento psicológico. Somos uma plataforma de acolhimento psicológico 24 horas, ligando clientes e psicos, de maneira fácil e descomplicada. Reunimos profissionais da Psicologia, psicólogas e psicólogos, que oferecem orientação psicológica a fim de facilitar o acesso de pessoas que buscam auxílio profissional psicológico, em questões emocionais, de relacionamento, profissionais, autoconhecimento e saúde mental, de forma simples e rápida.
Psico.Online on FacebookPsico.Online on GooglePsico.Online on InstagramPsico.Online on LinkedinPsico.Online on PinterestPsico.Online on TumblrPsico.Online on TwitterPsico.Online on WordpressPsico.Online on Youtube

Psico.Online

Psico Online - Psicólogas e Psicólogos 24 horas rápido, fácil e descomplicado. Psicologia Online para acolhimento psicológico. Somos uma plataforma de acolhimento psicológico 24 horas, ligando clientes e psicos, de maneira fácil e descomplicada. Reunimos profissionais da Psicologia, psicólogas e psicólogos, que oferecem orientação psicológica a fim de facilitar o acesso de pessoas que buscam auxílio profissional psicológico, em questões emocionais, de relacionamento, profissionais, autoconhecimento e saúde mental, de forma simples e rápida.

2 thoughts to “Ansiedade e fome, porque paramos de comer ou comemos demais”

    1. Olá Edinilson, tudo bem?

      Temos um post no blog também que fala sobre a auto atribuição de transtornos e seus perigos. O blog o auxilia dando pistas que podem ser sintomas ou sinais, mas nunca um diagnóstico. Sugerimos que se você começou a desconfiar disso, procure um psicólogo ou um psiquiatra para uma avaliação. Veja a diferença entre eles em outros posts do nosso site também.
      Mas tenha em mente que o diagnóstico de transtornos de ansiedade podem ser vários e em diversas gradações que só um profissional capacitado e uma série de entrevistas clinicas poderá auxiliar.

      Um abraço,
      Equipe de Suporte
      Psico.Online

Participe, queremos ler o que você tem a dizer