automutilação - cortes no corpo

Fazer cortes no corpo? Precisamos falar sobre isso.

6 min de leitura

Você está fazendo cortes no corpo ou já fez? O que significa quando uma pessoa corta a própria pele, por espontânea vontade?

Quando estamos manuseando uma faca na cozinha, no preparo de alimentos, ou utilizando um estilete para apontar um lápis, por exemplo, e nos cortamos involuntariamente, a dor causada pelo ferimento condiciona a sermos cada vez mais cuidadosos ao manipular esses objetos cortantes. Se, para a maioria das pessoas, o medo do ferimento com uma lâmina provoca tantos cuidados, por que então existem outras que se cortam propositalmente?

Seria uma busca desenfreada por adrenalina fazer esses cortes no corpo?

Seria por um estranho prazer em sentir dor através de se cortar?

(mais…)

Você vai gostar de ler também:

falar, conversar

Falar ainda é o melhor remédio

2 min de leitura

Falar: expressar-se através das palavras; exprimir; declarar; dizer.

Você já parou pra pensar sobre como “falar” é uma das atitudes mais importantes na vida? E isso pode ser positivo ou negativo. Se eu falo algo errado, por exemplo, isso pode me causar problemas. Se eu digo coisas ruins sobre alguém, isso pode causar desconforto a mim e a outra pessoa. Se eu digo coisas legais sobre uma situação, isso gera credibilidade, entusiasmo.

Mas falar vai além de só abrir a boca e proferir palavras.

Comecei a escrever esse texto pensando que quando a gente não fala alguma coisa que nos machuca, isso nos faz muito mal.  Calar é como criar bichos horríveis dentro de você e quando a boca cala, o corpo fala, pode ter certeza.

E ele fala por meio da somatização, que é como se uma dor emocional se transformasse em dor física.

Quantas vezes você quis discutir com alguém, mas ao preferir o silêncio teve uma baita dor de cabeça? (mais…)

posicionamento estranho no relacionamento

4 grupos de relacionamento: você cuida de todos eles?

4 min de leitura

Relacionamento: O convívio com as pessoas é algo que pode ser muito prazeroso, estarmos perto de pessoas que nos acolhem, sentirmo-nos naquela sensação de calor humano, sermos abraçados física e emocionalmente.

Assim temos uma noção do que é um relacionamento. É o ato de relacionar-se, estabelecer conexões, interagir com as pessoas, vincular-se de uma maneira afim. É a capacidade de conviver e comunicar-se com o outro.

Através das relações, aprendemos, compartilhamos e trocamos muitas experiências. Os relacionamentos significam uma ligação afetiva, profissional ou de amizade entre as pessoas, que se unem com os mesmos interesses e objetivos.

Mas o que é o relacionamento para você? (mais…)

Você vai gostar de ler também:

incentivo, amigo, amizade, briga de amigo

O que fazer quando não vem o incentivo dos amigos?

2 min de leitura

Incentivo: Diante de uma mudança importante em sua vida, atire a primeira pedra quem nunca esperou uma palavra de incentivo e apoio de um amigo, de um colega ou de pessoas que por muito ou por pouco tempo foram consideradas “quase” uma família.

Como lidar com a situação quando isso não acontece e o incentivo não vem?

Não adianta fingir que não está sentindo nada, pois ignorar provavelmente aumentará a sensação de desconforto.

Melhor admitir e tentar compreender que a sua voz interna clama por este tipo de atenção. Será a voz da criança, adolescente ou será a voz da pessoa mais madura que habita em você?

Se ainda persistir um pensamento do tipo “considerava fulano tão próximo”. Por que ele não me deu uma palavrinha de incentivo?

Vale fazer uma outra pergunta: Será que fulano nutria o mesmo sentimento por você? (mais…)

como superar o bullying, bullying

Como superar o bullying? Aprendendo a lidar

0 min de leitura

Semana passada a gente já falou sobre bullying aqui, mas daí encontramos esse vídeo e achamos tão fofo que decidimos repetir o assunto. Além de ser uma maneira de entender como superar o bullying

Lembre-se bullying é cisa séria, precisa ser identificado, enfrentado e cuidado.

Esses garotos dão um show de enfrentamento, vem ver

Como superar o bullying – Bars & Melody

(mais…)

Você vai gostar de ler também:

Atestado Psicológico ou Atestado de Psicólogo

O Psicólogo pode dar atestado para afastamento do trabalho?

3 min de leitura

Hoje recebi uma pergunta em um grupo de Whatsapp: “O Psicólogo pode dar atestado para afastamento do trabalho?”

O que você acha? Psicólogo(a) tem autonomia para fazer Avaliações Psicológicas e dar atestado?

Vou deixar que você responda, então continue lendo e terá surpresas.

Psicólogos(as ) estudam por 5 anos na faculdade de forma obrigatória, normalmente mais 2 anos de especialização ou pós graduação e continuam estudando por toda vida, uma vez que para entender o ser humano em sua complexidade é necessário ter embasamento em várias disciplinas tais como: Administração, Economia, Empreendedorismo, Pedagogia, entre outras, pois cada paciente tem uma forma de atuação e particularidade na sua história e é preciso estudar caso a caso para um atendimento de  qualidade e repertório teórico-prático. (mais…)

Você vai gostar de ler também:

bullying

Como saber se meu filho sofre bullying?

2 min de leitura

Bullying: saiba se o seu filho é uma vítima deste tipo de violência.

Devemos sempre estar atentos as brincadeiras que são iniciadas com alguém que sofre bullying.

Deixei pra lá, achei que seria melhor levar na esportiva quando me chamavam de tampinha, ou até mesmo anão, afinal se contrariar uma brincadeira parece que arranjam cada vez mais nomes mirabolantes pela minha baixa estatura. Mas aí os dias passavam e então, em todos os intervalos da escola me faziam sentir mal, ansioso, com dor de barriga, com medo de sair da sala de aula e aquilo não passava de jeito nenhum. Quando vi, no momento que minha mãe me deixava na porta da escola, todos os dias pareciam ser um pesadelo ter que entrar lá e lembrar-se de todos aqueles apelidos que me obrigavam a lembrar do quanto eu odiava ser baixinho.

Tais episódios são mais normais do que imaginamos em todas as escolas, e se caracterizam por grupos de pessoas que acabam escolhendo atributos físicos de uma pessoa, como algo a ser zombado, afinal, ser diferente é errado, é considerado algo anormal para a sociedade, devemos seguir um padrão. E devido a tal conceito, criam-se apelidos maldosos para as pessoas. (mais…)

Você vai gostar de ler também:

Crítica Social – uma visão pessimista da sociedade

5 min de leitura

Crítica Social é pensamento. É questionar aquilo que nos é empurrado olho abaixo (ou goela) para que acreditemos que a realidade é formada assim ou assado.

A psicologia, a filosofia, a sociologia e boa parte das ciências humanas com o conhecimento plural e transdisciplinar, são as responsáveis por desmanchar esse tipo de visão que o senso comum (a grande maioria das pessoas) tende a seguir. (mais…)

tourette

Síndrome de Tourette: você já ouviu falar?

2 min de leitura

Há alguns dias recebemos uma caixa de segredos que nos questionava a respeito da Síndrome de Tourette. A pessoa mencionava que tem alguns comportamentos repetitivos e que estava com medo de ser diagnosticada com o transtorno, ainda que em um grau bastante leve.

Antes de tudo, vamos mencionar o que diz o DSM-V (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais) sobre a síndrome: (mais…)

Você vai gostar de ler também:

compensar ou tratar, ser ou não ser, eis a questão, hommer simpson

Compensar ou tratar: eis a questão

3 min de leitura

Esse texto foi escrito por um instrutor de yoga, mas quando o lemos, percebemos que serve pra tudo na vida e então, decidimos compartilhar com você, com algumas adaptações, mas mantendo a ideia de reflexão sobre compensar ou tratar, o que será mais correto? Boa leitura!

Quando algo não vai bem, existem 3 possibilidades básicas de ação: não fazer nada, tratar (consertar as coisas desde seu ponto de origem) ou compensar (dar aquela famosa “tapeada”). Fazer nada pode ser uma boa solução em determinadas situações, mas em muitas outras não é a melhor opção e, nessas circunstâncias devemos agir de maneira ativa.

Quando compensamos, substituimos por outra coisa algo que está ausente, bloqueamos alguns efeitos indesejados daquilo que não funciona bem, ou nos colocamos inconscientes em relação ao não desejado. Compensar parece ser muito mais fácil e rápido do que tratar. Porém, ao passar do tempo, nos leva a um desajuste e maior necessidade de compensação. (mais…)

Você vai gostar de ler também:

violência e amor

A violência pode ser confundida com o amor, mas não deveria

3 min de leitura

Sim, às vezes a violência pode ser confundida com o amor! Mas as pessoas podem construir e modificar as opiniões a respeito de si mesmas.

No passado do autodesenvolvimento, tomamos consciência por intermédio do senso perceptivo das emoções, sensações, sentimentos que melhores satisfaziam nossa demanda física e emocional, enquanto seres humanos únicos.

Acontece que a vida vai desenrolando, e a necessidade de ser aceito, enquanto característica marcante do ser humano, é ininterrupta.

Conforme nos desenvolvemos, os afetos que nos movem se expandem para além do amor parental e, em dado momento, o amor romântico se torna realidade imprescindível em nossas vidas.

A paixão chega com violência. (mais…)

Você vai gostar de ler também:

cuide-se o tempo não para e o corpo também não

Cuide-se! Perceba os recados do seu corpo

4 min de leitura

Cuide-se: o seu dia começou.

Encontros, estudo, trabalho, amizades, paqueras, o que comer, o que beber, onde ir – nossa já estou atrasado, melhor correr – são tantas coisas para se fazer em menos de 24 horas. Ufa! Até parece que a gente é indestrutível.

Chega no fim do dia e só queremos deitar e dormir.

Algumas vezes até dá certo deitar cedo, mas aí você lembra que tem mais um monte de coisas pra resolver, um e-mail para mandar, uma mensagem da rede social para responder, aquela foto nova de quem você tá paquerando (o crush precisa de atenção, né?!) e mais um monte de coisas pendentes.

Fica aquela pergunta: como dou conta de tudo?

Ainda bem que o corpo humano é um organismo incrível. Acontece de haver umas gripes ou fraquezas aqui ou acolá, mas tá tudo bem, certo? Certo!

Nesse fuzuê de “pré-ocupações”, planejamentos e pensamentos, você já parou pra observar e sentir seu corpo?

Isso, exatamente nessa ordem: observar e sentir o seu corpo. (mais…)

Você vai gostar de ler também:

saúde mental manicomio luta manicomial hospital psiquiatrico hospicio sanatório insanidade loucura psico.online

17 documentários sobre saúde mental e hospital psiquiátrico

2 min de leitura

Quando falamos de hospital psiquiátrico, internação compulsória, saúde mental, psicopatologia e nos termos do senso comum ou populares: da loucura, dos doentes mentais, dos loucos e delirantes ou mentalmente insanos, muitas vezes não temos a menor ideia de como deixamos de lado a dignidade humana para com nossos semelhantes.

Muito da luta antimanicomial e da reforma psiquiátrica é a luta contra o pré-conceito ou da intolerância e do desconhecimento. Da ignorância de muitos em relação aos avanços e retrocessos que vivemos dia após dia em pleno século 21 e que servem para praticamente “escondermos” aqueles que ainda na linguagem popular, dementes, loucos, “nóias” são incômodos para os normais ou aquele “cidadão de bem”.

Cidadão de bem que por não saber como lidar com a imagem de um outro ser humano que poderia ser ele próprio, prefere separar e esconder ao invés de tratar adequadamente. Que ao ver à superfície uma parte da nossa saúde que choca pela decadência ou desintegração do eu, prefere olhar para o outro lado ou ignorar.

Quando criamos o Psico.Online, pensamos em trazer para a população ajuda, numa linguagem comum, mas recheada de informação científica e técnica, conhecimento para mudar um pedacinho do mundo, e nestes documentários, pretendemos levar a todos um conhecimento: há um humano doente e que precisa de cuidados ali onde você só vê um problema.

Sabemos sim que a vida é difícil, mas precisamos de empatia, de senso moral e de conhecimento para entender e evitar julgamentos superficiais. Precisamos de alternativas, de ideais e de muito trabalho e paciência.

Assista aos documentários, indique outros. Leve para você a mensagem principal: se a dor do seu semelhante não te faz sentir nada, seu caminho está em uma direção preocupante.

1) Saúde Mental e Dignidade Humana

(mais…)

Você vai gostar de ler também: